Pular para o conteúdo

Crônica da formação de um quarteto

A Rua Vale Machado possui uma forma singela, diferente de todos os caminhos que preenchem o coração do Rio Grande do Sul. Os pássaros cantando na alvorada, a fileira de ônibus que aguarda rostos amanhecidos para embarcar em uma viagem de quarenta minutos, a gargalhada dos motoristas que ecoam os prédios desde as cinco da manhã. O despertador tocou, e como de costume, levantei-me e fui direto à cozinha vasculhar onde havia guardado o filtro de café. A liquidez de como levamos dia após dia é um reflexo do comodismo de como a indústria e a tecnologia nos suga para um mar de dependência.

Coloquei o filtro dentro da máquina e aguardei cinco minutos até começar a sentir o aroma que colore minhas manhãs. Dia oito de abril de dois mil e dezenove era um dia diferente na cidade rodeada por morros. O sol ardente me resgatou um sorriso após me espreguiçar. Quente como o vulcão, e gelado como o coração de quem está com pressa de encarar o cotidiano. Antes de pegar a chave e girar a maçaneta da porta, sempre traço a minha rota e o destino de aonde quero chegar. Dessa vez, meu epílogo era diferente. E minha tendência também.

Dobrei na esquina da Avenida Rio Branco e desci contemplando as faixadas dos prédios coloridos visíveis da arquitetura Art Déco que conforta a  urbe. Brechós, mercados, cabarés. A cada passo largo que dava, a cada olhar que fitava com o meu, era um sentimento único que só Santa Maria poderia transmitir. Enxergava de longe senhores de idade sentados nos bancos lendo jornais, taxistas tomando chimarrão intercalando com gargalhadas. Minha jornada em direção a rua Ernesto Becker esquina com a Floriano Peixoto não poderia ser diferente até chegar aos arredores do sobrado antigo que resgata a memória de cada inquietude com sede pelo espírito comunitário.

Era o meu primeiro dia na TV OVO. Caminhei até a frente da fachada e, ao lado de um grafite colorido, toquei a campainha da frente e aguardei alguém abrir a porta. Quando entrei pelo ‘lugar errado’, percebi que havia uma moça sentada na mesa principal. Era Lívia Maria Teixeira de Oliveira, a mais nova voluntária. Sentei-me junto com ela e percebi seu sotaque diferente quando começou a falar. Acadêmica do quinto semestre do curso de Produção Editorial na UFSM, a moça de 19 anos é carioca e apaixonada por diagramação.

Um dia depois, tracei novamente a rota que irá preencher minhas tardes três vezes por semana. Na terça-feira, sentadas na mesma mesa, conheci também as duas novas voluntárias que irão planejar a comunicação junto comigo: Thaisy e Kamila. Thaisy Finamor, a jornalista de 21 anos nascida em Santiago, formada na Universidade Federal do Pampa, acabou de se mudar para a cidade e está fazendo pós-graduação em Mídias Digitais na Universidade Franciscana (UFN). E Kamila Ruas Flores, jornalista santa-mariense recém egressa da Universidade Federal de Santa Maria.

Somos quatro mulheres, quatro rostos, quatro corações, e quatro singularidades que irão agregar à família audiovisual em 2019. Volto para casa pela Avenida Rio Branco com a minha térmica vazia e com sede de todo dia aprender algo novo. No próximo dia, já que agora sou da casa, entrarei pelo portão maior. Avante!

Por Juliana Brittes, santa-mariense acadêmica do curso de Jornalismo da UFN, apaixonada por fotografia.

Acima, da esquerda para a direita, Lívia e Kamila. Abaixo, Juliana e Thaisy. O novo quarteto que integra a equipe neste semestre. Fotos: Juliana Brittes

Conteúdo relacionado

ASSINE!

e receba a Newsletter no seu e-mail

Assine nossa Newsletter
Para receber mensalmente nossa Newsletter