» Cultura

Notícias

Vagas para participar da TV OVO no segundo semestre de 2018


Tu estás a procura de estágio ou trabalho voluntário na comunicação ou área afim?! Aqui na TV OVO estamos de portas abertas para quem tem interesse de integrar nossa equipe, basta ter três turnos livres, preferencialmente à tarde.
Para este semestre, são cinco vagas, sendo 2 para voluntários que sejam alunos de escolas públicas e estejam matriculados no 9º ano do Ensino Fundamental ou no Ensino Médio, e 3 vagas para estágio curricular e/ou voluntários que estejam na graduação. Vale ressaltar que os universitários que procuram por estágio serão direcionados para as atividades de assessoria de comunicação da TV OVO. As atividades podem ser registradas como estágio curricular ou ACC/ACG para alunos de graduação, conforme regulamento de curso ao qual o estudante está vinculado.
Se tu tens interesse, podes te inscrever neste formulário até domingo, 12/08.  Na segunda-feira, 13/08, entraremos em contato para agendar uma entrevista, que será realizada entre os dias 15 e 17/08 (quarta a sexta).

Te esperamos!!


Sábado terá ato público em defesa do patrimônio cultural na Saldanha Marinho


Foi criado, hoje,  o coletivo de defesa do patrimônio cultural de Santa Maria. No próximo sábado,  04/08, haverá um ato público artístico às 10 horas da manhã na Praça Saldanha Marinho.

O coletivo é formado por diversas entidades como o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-RS), Conselho de Arquitetura e Urbanismo, Conselho Municipal de Patrimônio Histórico e Cultural (Comphic), Conselho de Políticas Culturais, União das Associações Comunitárias (UAC) e Associação da Vila Belga, além de integrar artistas, produtores culturais e pessoas de diversas áreas que defendem o patrimônio da cidade.

O movimento deve-se em função das alterações do Plano Diretor aprovado recentemente na Câmara de Vereadores que expõe as construções históricas e culturais da cidade à especulação imobiliária. Embora o prefeito Jorge Pozzobon tenha assinado um decreto de tombamento provisório que protege 135 prédios da cidade, o documento não dá garantias de que isso irá ocorrer.

Abaixo segue o manifesto na íntegra.

COLETIVO EM DEFESA DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL DE SANTA MARIA

SANTA MARIA, PATRIMÔNIO ART DÈCO DO BRASIL

Manifesto em defesa de um tesouro arquitetônico ameaçado

Preocupados com os riscos que corre o significativo acervo arquitetônico de nosso centro histórico, vimos a público anunciar nosso repúdio aos encaminhamentos que decorrem das mudanças no Plano Diretor da cidade. Ao mesmo tempo, tornamos manifesta nossa intenção de defender a proteção dos valores culturais de Santa Maria. ​

Uma cidade não se desenvolve apenas pela expansão em termos econômicos, pela abertura de novas ruas, implantação de novos empreendimentos, construção de novos prédios. Também vai-se tornando grande e promissora, pelo permanente progresso cultural de sua gente. Se os índices materiais dão a feição da cidade, a cultura é a sua alma. Não é eliminando os vestígios do passado que vamos dar uma cara nova a Santa Maria, simplesmente estaremos eliminando de sua essência o que a torna viva: a memória da construção de sua identidade.

Para que se possa ter efetividade na condução de políticas públicas, é preciso estimular nos santa-marienses a sua autoestima cidadã. Para cuidar da cidade, ajudar a manter sua beleza e fazê-la crescer, é preciso fomentar a ideia de pertencimento, de amor por este lugar de convívio. Amar implica conhecer: as pessoas não esquecem o que amam, e só amam de verdade o que conhecem.

Embora o efeito deletério das mudanças do Plano Diretor sobre o patrimônio arquitetônico do Centro Histórico de nossa cidade tenha sido amenizado pelo decreto do Prefeito Municipal, não há segurança de sua efetiva proteção. Diante da real possibilidade de que sejam postos abaixo não apenas o maior acervo arquitetônico em Art Déco, em via contínua, na América Latina, mas também inúmeros outros monumentos da história desta cidade, erguemos nossa voz, impregnada do afeto que temos por Santa Maria. Para tornar efetiva e consequente esta luta que começa aqui, hoje, propomos como eixos de ação:

1) Todo apoio ao Comphic.

2) Pela defesa da lista provisória dos 135 imóveis tombados.

3) Por um inventário técnico sobre o valor histórico-arquitetônico dos imóveis antigos da cidade com a possibilidade de ampliação da lista.

4) Pela imediata discussão ampla e democrática de uma nova lei municipal de proteção ao patrimônio histórico, arquitetônico e cultural

5) Pela criação de mecanismos de venda de potencial construtivo para que os proprietários sejam amparados pela prefeitura e tenham recursos para restaurar seus imóveis.

Apelamos para a consciência das autoridades para que não se deixem levar pelas urgências do presente. Convidamos a todos os santa-marienses para que se juntem a nós nessa luta em favor da nossa memória e a garantia de nossa identidade no futuro. Hoje construímos história, e a história que construímos coletivamente deve ter solidez, para não ser posta abaixo amanhã pela insensatez ou pela ganância de interesses particulares. Somos todos Santa Maria, hoje e sempre.

Sequência de Art Dèco na Avenida Rio Branco. Fotografia de Marcelo Canellas.


Edital para seleção de produções santa-marienses para integrar circuito cineclubista itinerante


Lançamos um edital para fazer uma curadoria de produções santa-marienses que irão integrar a programação de um circuito cineclubista itinerante por diferentes regiões do município.  A iniciativa propõe a organização de uma programação com temática livre e que contribua socialmente para o diálogo de questões relevantes, pertinentes e atuais, priorizando a articulação e o protagonismo jovem. As incrições vão até dia 18 de agosto e a lista dos selecionados será publicada no dia 25 deste mês.

Para se inscrever, preencha o formulário  e envie o material audiovisual por Wetransfer, Dropbox, One Drive, Google Drive ou Vimeo (desde que esteja habilitada a opção de download) para o e-mail tvovo@tvovo.org, anexando uma foto de divulgação com legenda e a Autorização de direitos de exibição assinada que está no Anexo I do edital. Não existe limitação de número de propostas a serem enviadas por pessoa.

As exibições serão realizadas entre os meses de setembro e outubro de 2018, em 6 sessões, nos seguintes locais: Praça Boa Esperança/Bairro Nova Santa Marta, EMEF Vicente Farencena/Bairro Camobi, EMEF Major Tancredo Penna de Morais/distrito de Palma, EMEF Pão dos Pobres/Bairro Nossa Senhora de Fátima, Colégio Estadual Padre Romulo Zanchi/Bairro Presidente João Goulart, EMEF José P. de Oliveira/distrito de São Valentim.

O edital é uma proposição da TV OVO através do Projeto Olhares da Comunidade 2018, com o financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC-SM) e tem o objetivo de expandir a difusão das produções realizadas na cidade, por meio de sessões cineclubistas em diferentes regiões do município.

Acesse o edital: Edital Olhares da Comunidade 2018

 


Inscreva-se no workshop de direção de arte


Estão abertas as inscrições para o workshop de Direção de Arte para audovisual, que será ministrado por Luísa Copetti. A direção de arte engloba conjuntos de técnicas e decisões que determinam o visual da obra produzida. No audiovisual, o diretor de arte alinha os elementos visuais à estética concebida para cada cena. Paleta de cores, figurinos e cenários são alguns dos elementos coordenados pelo diretor.

A atividade será no dia 18 de agosto, das 9h às 12h e das 13h30 às 18h30, na sede da TV OVO, Rua Floriano Peixoto, 267. O investimento para participar do workshop é de R$ 60 integral e R$ 30 meia (estudantes – comprovante de matrícula, idosos, pessoas com deficiência e jovens de 15 a 29 anos comprovadamente carentes). Serão ofertadas 20 vagas. As inscrições podem ser feitas neste formulário.

O workshop integra a programação do projeto Narrativas em Movimento 2018, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC/SM).


Sobre a oficineira

Luísa Copetti é sócia da Lumaluma Produtora, sediada em Porto Alegre. Ela trabalha com direção de arte analógica e digital desde 2006. Atuou como diretora de arte em produções como os curtas-metragens Espelho Hexagonal e Quanto mais suicidas, menos suicidas e o longa-metragem Bebeto Alves em Mais uma Canção. Atuou como diretora de arte, entre outras funções no projeto OCTO da RBSTambém é designer, ilustradora e diretora de animação. Você pode conhecer mais sobre os trabalhos dela em https://www.luisacopetti.com/

Conteúdo programático do workshop:

  • Fundamentos estéticos e plásticos da direção de arte
  • Funções
  • Equipe de arte
  • Planejamento da produção de arte
  • Pesquisa de referências
  • Estruturação técnica

Luísa Copetti no cenário do curta-metragem Quanto mais suicidas, menos suicidas, com direção de Maurício Canterle.


Distrito de Pains pelas lentes de nossas câmeras


Outro roteiro, outro destino, outra equipe, mas o objetivo se mantém o mesmo: descobrir, ouvir e registrar histórias por meio da produção de documentários. Não saímos em busca de lugares famosos, cinematográficos e mágicos, mas, em cada cantinho que vamos, é possível encontrar muita magia e encanto nos detalhes dos cenário, nas pessoas, no modo de vida, nas estradas… E falando em estrada, o ritual de juntar toda equipe, conferir o material técnico, revisar o carro e sair desbravando os distritos ao redor de Santa Maria se encaminha para o fim. Esta é a última produção, que incursiona o interior, prevista pelo projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade,  financiado pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Transformamos em vídeo parte da história do distrito da Boca do Monte, de Santa Flora, de Arroio Grande, de São Valentim; trouxemos a cultura e as memórias do distrito de Palma em outro documentário. Santo Antão, Arroio do
Só e Passo do Verde também fazem parte do projeto de representar histórias em documentários. São nove distritos, imaginem o quanto de histórias para contar?! O Por Onde Passa a Memória da Cidade é uma forma de despertar e registrar as memórias dos moradores, contar e recontar a vida do local a partir de uma colcha de retalhos em que cada personagem social colabora com suas recordações, sonhos e anseios. Elabora-se a cartografia identitária do lugar e se faz uma recuperação histórica por meio de fragmentos de lembranças sentidas e contadas em forma de filme.

Dessa vez quem será contado é Pains, um distrito criado no dia 18 de junho de 1861, na época sediado em São Pedro do Sul. Hoje, localiza-se na parte central de Santa Maria, aos fundos da UFSM, e tem crescido como espaço urbano pelo número de indústrias instaladas e pela especulação imobiliária. Para entender o distrito, muita pesquisa vem sendo feita. A equipe de produção trabalha junto dos diretores Alexsandro Pedrollo e Heitor Leal, que dão o tom do estilo e da narrativa da produção.

Alan Orlando, integrante da equipe, é responsável por fazer algumas imagens nas diárias de gravações e pela edição do filme ao fim do processo. Ele conta como são as fases para o nascimento de um documentário: “Na pré-produção e pesquisa é feita a prospecção do lugar para elaborarmos uma ideia audiovisual para a obra. Esta fase compreende levantamento de informações, fontes e personagens. Além da pesquisa em material bibliográfico, vamos para o distrito conversar com as pessoas de lá para saber in loco as histórias e mapear pessoas para as gravações. Depois temos a produção, em que são feitas as gravações de imagens do distrito e entrevistas.  Normalmente temos quatro diárias de gravações. Por fim, vem a edição e a finalização”, relata Alan.

A equipe  já circulou pelo distrito durante dois dias fazendo o levantamento de pré-produção, material que vem dando forma à escaleta do documentário. Para Alan, é sempre empolgante estar envolvido numa produção como essa: “Nós saímos de manhã cedo e só voltamos de tardezinha. Compartilhar momentos assim com meus
colegas de TV é importante para aprender mais sobre audiovisual, fazer o que amamos e fortalecer nossa amizade. São muitas aventuras, nos divertimos muito! Gosto de poder ajudar de alguma forma nessas produções da TV”,
reflete o jovem amante do audiovisual.

Por Tayná Lopes

A cada estrada, novos desafios, personagens e histórias – Distrito de Pains/ Santa Maria . Foto de Taylor Lourenço


Produção do documentário no distrito do Passo do Verde amplia a visão sobre a localidade


O mês de maio foi muito movimentado. Além do nosso aniversário, de exibições em escolas, de debates na Feira do
Livro e lançamento do livro Cronicaria, nos dedicamos à produção de mais um documentário: sobre o distrito de Passo do Verde.

Se aventurar por Passo do Verde foi um desafio para Alan Orlando e Helena Moura, pois é a primeira grande produção na posição de diretores, além de ser uma grande responsabilidade. Essa é a equipe mais jovem a fazer um documentário da série dos distritos do projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade.

A motivação e o envolvimento tem dado um toque especial ao trabalho coletivo de pensar e discutir as sugestões de cada membro da equipe. Antes do início das gravações, a equipe fez a pré-produção, etapa onde os responsáveis
foram até o distrito conversar com os moradores para conhecer mais sobre o lugar e buscar os personagens. Com esse primeiro olhar sobre a história de Passo do Verde, as diárias de gravação são marcadas.

Desde a primeira gravação, em fevereiro, na procissão de Nossa Senhora dos Navegantes, algumas ideias mudaram e outras se expandiram. Embora Passo do Verde seja mais conhecido pelo balneário e pela extração de areia, há muitas outras localidades e histórias para serem exploradas, como destaca o diretor Alan Orlando: “A pesquisa sobre o distrito e as conversas com os moradores nos fizeram enxergar muitas coisas que não podemos deixar de lado, descobrimos um outro distrito através da busca e fala das pessoas.”

Ao conhecer mais sobre o distrito, ficou definido que a produção seria a partir de um olhar voltado para a observação, como destaca Alan: “Pensamos em um documentário onde não será utilizada narração, tudo é dito pelos moradores do distrito. Vamos deixar os personagens livres para contarem suas histórias e do local onde vivem.”

Para além dos depoimentos, as imagens, também em tom mais observativo, ajudarão a compor a narrativa e o registro da paisagem do distrito. Este é o penúltimo documentário da série que iniciou a incursão pelo interior de Santa Maria em 2014. No segundo semestre produziremos o último, sobre o distrito de Pains. O projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Por Fernanda Marques

Os netos de Dona Raquel, que mudou-se para o balneário de Passo Verde em busca de tranquilidade, moram com a avó e frequentam a escola do distrito. Foto de Francine Nunes.