Notícias

Doe para o Cronicaria e faça um workshop de criação de crônicas com Marcelo Canellas


Cronicaria recebe apoios via financiamento coletivo até dia 09 de novembro. O projeto traz crônicas inéditas todas as quartas-feiras e aos sábados, com temas que permeiam Santa Maria, que falam a respeito do nosso cotidiano ou de assuntos que tem gerado polêmicas. Leia as crônicas aqui.

Dentro das recompensas previstas pelo Cronicoria está  um workshop de produção de crônica com Marcelo Canellas, um dos cronistas do projeto,no dia 11 de novembro, na sede da TV OVO, às 14h. A atividade é recompensa para quem dou R$ 300,00 ou mais para o Cronicaria. Então, se você tem interesse em fazer o workshop, ainda dá tempo de doar para a campanha. Além dessa, há outras recompensas conforme os valores investidos pelos leitores, sendo o mínimo de R$10,00. A proposta captou 69% do valor pretendido até o momento, o que nos permite seguir com as publicações até dia 18 de novembro. As informações a respeito da aplicação dos recursos estão detalhadas em cartarse.me/cronicariatvovo, mesmo local em que é possível fazer as colaborações.

As publicações do Cronicaria são assinadas por Marcelo Canellas e por Manuela Fantinel. Marcelo, jornalista santa-mariense de trajetória reconhecida. Manu, uma jovem santa-mariense que frequenta os bancos da academia e representa o olhar juvenil da cidade. As crônicas são publicadas no espaço online (tvovo.org/cronicaria) e, para além de textos, trazem fotografias lindíssimas, a maioria assinadas por Renan Mattos, jornalista recém-formado que tem se dedicado à fotografia e ao audiovisual. Contamos com você, leitor, para seguirmos com as publicações até dezembro.

Print realizado dia 06/11/2017

Print realizado dia 06/11/2017

 


Inscreva-se no workshop de criação de webséries


Elas são as queridinhas do momento e, além de fazerem sucesso entre o público jovem,  as webséries tem sido uma saída interessante para a produção audiovisual atual. Mas do que onde elas vivem e do que se alimentam? Essas e outras questões serão trabalhadas por Leo Garcia no workshop de Criação de webséries nos dias 17 e 18 de novembro (sexta e sábado), das 9h30 às 12h e das 14h às 17h30, na nossa sede.  A atividade, que tem 30 vagas, abordará gêneros e formatos, construção de personagens, conflitos, tom e ritmo para propostas seriadas.

Leo Garcia é roteirista e integra a produtora Coelho Voador de Porto Alegre. Tem se destacado em diversos editais e recebidos premiações na área audiovisual. É o idealizador do Frapa – Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre. Para quem se interessa por webséries e quer aprender ou aprofundar seus conhecimentos, pode fazer sua inscrição até o dia 16/11 neste link. O pagamento da taxa, R$ 60,00 (R$ 30,00 meia) deve ser feito na sede da TV OVO, rua Floriano Peixoto, 267, das 14h30min às 18h ou com um de nossos integrantes. A vaga será confirmada mediante o pagamento até dia 16 de novembro.

O workshop integra o projeto Narrativas em Movimento, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria. Além dele, Leo também participará do Colóquio Produção Audiovisual em Série, no dia 17/11 (sexta-feira), às 19h, no Salão de Atos do Conjunto I da Unifra (Rua dos Andradas, 1614, 4º andar).

 

Conteúdo Programático:

Afinal o que é uma websérie? Onde vive? Do que se alimenta?

– Introdução

– Formatos

– Gêneros

– Como construir uma ideia. Fundamentos básicos. Criando o Mundo da história.

– Exercício

Personagens: a alma do negócio

– Construção de Personagens. Caracterização. Arquétipos. Conflitos. Motivações. Antagonismo.

– Premissa – Storyline. Plot. Sinopse Geral.

– Estrutura – Duração. Conflito. Tramas e Subtramas.

– Tom e ritmo – As diferentes possibilidades e variantes a serem adotadas.

lampada


Produção audiovisual em série é tema de colóquio em novembro


Ao evidenciarmos o importante papel da Lei da TV Paga, que cria demanda de conteúdos audiovisuais independentes brasileiros, além do avanço de plataformas de streaming (dispositivos esses que abrem perspectivas para a produção descentralizada e para a comercialização de audiovisuais), notamos a importância de discutirmos a produção audiovisual voltada para séries tanto para internet quanto para televisão. Por isso, organizamos o Colóquio Produção audiovisual em série, que será realizado no dia 17 de novembro.

Para abordarmos o tema em questão, o Colóquio propõe um debate com  Ana Luiza Azevedo, diretora, roteirista, produtora executiva e integrante da Casa de Cinema de Porto Alegre, e com Leonardo Garcia, roteirista, produtor, sócio da Coelho Voador e um dos idealizadores do Frapa (Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre). O colóquio, realizado em parceria com o curso de Jornalismo da Unifra, será na sexta-feira, 17 de novembro, às 19h, no Salão de Atos de Conjunto I da Unifra, Prédio I (4° andar), entrada pela Rua dos Andradas, 1614.  A entrada é gratuita e a pré-inscrição (para a emissão de certificado) pode ser realizado até o dia 16/11, neste formulário.

Além do colóquio, também teremos um workshop de Criação de webséries com Leonardo Garcia, nos dias 17 e 18 de novembro (sexta e sábado), das 9h30 às 12h e das 14h às 17h30, na nossa sede.  A atividade abordará gêneros e formatos, construção de personagens, conflitos, tom e ritmo para propostas seriadas.

Para quem se interessa pelo tema e quer aprender ou aprofundar seus conhecimentos, pode fazer sua inscrição até o dia 16/11 neste link. O pagamento da taxa, R$ 60,00 (R$ 30,00 meia) deve ser feito na sede da TV OVO, rua Floriano Peixoto, 267, das 14h30min às 18h ou com um de nossos integrantes. A vaga será confirmada mediante o pagamento até dia 16 de novembro.

O colóquio e o workshop integram o projeto Narrativas em Movimento, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

 

Resumo da programação

Sexta-feira,17/11- 19h

Colóquio Produção audiovisual em série

Debate com Leo Garcia e  Ana Luiza Azevedo

Salão de Atos de Conjunto I da Unifra, Prédio I (4° andar) – Rua dos Andradas, 1614.

Entrada Gratuita.

 

Sexta-feira (17/11) e sábado (18/11)

Workshop Criação de webséries

Com Leonardo Garcia (30 vagas)

Das 9h às 12h e das 14h às 17h

Sobrado Centro Cultural, Rua Floriano Peixoto, 267.

Quanto: R$ 60,00 (inteira). R$ 30,00 – meia (estudantes, idosos, pessoas com deficiência e jovens de 15 a 29 anos carentes – mediante apresentação de documento comprobatório).

 

Conteúdo Programático:

Afinal o que é uma websérie? Onde vive? Do que se alimenta?

– Introdução

– Formatos

– Gêneros

– Como construir uma ideia. Fundamentos básicos. Criando o Mundo da história.

– Exercício

Personagens: a alma do negócio

– Construção de Personagens. Caracterização. Arquétipos. Conflitos. Motivações. Antagonismo.

– Premissa – Storyline. Plot. Sinopse Geral.

– Estrutura – Duração. Conflito. Tramas e Subtramas.

– Tom e ritmo – As diferentes possibilidades e variantes a serem adotadas.

Por Camila Lourenci

cartaz

 


Capacitando os produtores culturais santamarienses


Ser empreendedor no Brasil não é tarefa fácil, e as dificuldades são ainda mais evidentes quando falamos dos empreendedores culturais. Com essas dificuldades em mente, a TV OVO realizou, no dia 11 de outubro, um Workshop de Capacitação para a Lic/SM, contrapartida do projeto Por Onde Passa a memória da Cidade,  incentivado pela lei. A oficina foi ministrada pela atriz, produtora cultural e colaboradora da TV OVO, Denise Copetti, e contou com a presença de pessoas de diversos segmentos culturais da cidade.

Com mais de 10 anos de experiência como empreendedora cultura, Denise respondeu as dúvidas dos presentes e explicou passo a passo como preencher cada um dos
documentos obrigatórios. Dentro das quatro horas de duração da oficina, todas as etapas para a submissão de um projeto foram destrinchadas, desde o processo de elaboração; inscrição; aprovação; captação de recursos; gestão e prestação de contas. Leila Gomes de Moura, cocriadora do blog Mulheres Donas de Si, estava presente e falou sobre como a burocracia imposta pelos órgãos públicos e a falta de orientação dificulta a formulação de um projeto. Ela destacou, também, a importância de iniciativas como essa, que se prontifica a instruir e esclarecer tudo sobre a complexa Lei de Incentivo à Cultura. Por mais que existam barreiras e complicações com a Lic/SM, Leila acredita que não é difícil conseguir apoio na cidade. “Para a produção do nosso documentário nós conseguimos o apoio de 35 empresas indo diretamente nos locais”, comenta. O documentário Mulheres Donas de Si: Celebrando a Vida foi produzido em parceria com a TV OVO e lançado em 2015.

Para Luiz Genro, diretor geral da Associação de Veículos Antigos de Santa Maria (AVASM), as dificuldades não se resumem a parte burocrática da Lic. “O difícil mesmo é encontrar doadores, a maioria já apoia outros projetos”, relata ele. Outro problema apontado pelo diretor geral da AVASM é o baixo retorno financeiro que o empreendedor cultural recebe, já que a maior parte dos recursos captados vão exclusivamente para a produção ou investimentos no projeto. A burocracia e a dificuldade em se explicar a Lei de Incentivo à Cultura de forma clara e simplificada para a população acaba por fazer o caminho inverso, distanciando as pessoas ao invés de incentivá-las à doar. Ações como essa talvez sejam a ponte para reverter a situação e ajudar a cidade cultura a reaver o título.

Por Valdemar Neto

oficina lic


Conectados com o passado


Desde a primeira semana de outubro, estão disponíveis no canal do YouTube da TV OVO os documentários sobre os distritos de São Valentim (dirigido por Jaiana Garcia) e Santo Antão (dirigido por Marcos Borba).

Ambas as produções foram gravadas no ano passado e o lançamento oficial foi na Feira do Livro 2017, além das exibições nas comunidades. Os documentários fazem parte do projeto  “Por Onde Passa a Memória da Cidade”, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura, e que retrata as histórias de lugares e pessoas de Santa Maria.

Os registros mais recentes que contam as histórias dos distritos de Santa Maria se juntam à Arroio do Só, Boca do Monte e Arroio Grande. Outro documentário inédito na rede é Silveira Martins, que retrata o município integrante da Quarta Colônia de Imigração Italiana.

No momento, a equipe da TV OVO segue sua jornada  com mais dois documentários dos distritos em andamento: Palma e Santa Flora. O primeiro está em fase de gravação enquanto Santa Flora se encontra em fase de pós-produção.

 

Sinopses

Santo Antão

O distrito de Santo Antão é um lugar, como disse um morador, onde cada curva de estrada tem uma história para contar. As curvas guardam um pedaço do passado do país, nos rastros do caminho dos tropeiros para a feira de Sorocaba/SP; conservam os vestígios jesuítas da “salgadeira”; podem ser tristes como o asfalto que até hoje não chegou. Elas também foram abrigo do peregrino João Maria de Agostini, responsável por mobilizar milhares de fiéis em busca de cura, cuja fé perdura até hoje com a romaria de Santo Antão. O distrito de Santo Antão é um espaço rico nas histórias, nas pessoas, no potencial turístico e em segredos que talvez nunca sejam descobertos.

 

São Valentim

Foi pelas rodas das carretas que passavam pela região que o desenvolvimento chegou a Santa Maria. Onde hoje se localiza a sede do distrito de São Valentim, carreteiros faziam paradas para descanso na sombra, davam água aos bois e seguiam viagem. Vindas principalmente de São Gabriel, Rosário do Sul e Alegrete, as carretas foram as responsáveis, durante muito tempo, pela manutenção do ciclo econômico do município. Este documentário traz recortes dessas histórias que começam por volta de 1900, com a construção da casa da “esquina dos Toniolo” – o famoso ponto de encontro dos carreteiros – e que até hoje são parte da memória dos moradores não querem perder suas raízes.

Por Valdemar Neto
Foto de Laura Lis Boessio

santo antão


Portão Fechado, um roteiro escrito por várias mãos


Em setembro, foi dada a largada das gravações do média-metragem Portão Fechado. O filme surgiu através do projeto Cinema Frankenstein, criado por Paulo Tavares, integrante da TV OVO e acadêmico do curso de Licenciatura em Teatro da UFSM.

Tavares começou a aplicar o projeto na Escola Municipal de Ensino Fundamental Prof.ª Francisca Weinmann em dezembro de 2014, quando foi convidado pela professora Cláudia Nunes, coordenadora do projeto Cinema na Escola, para ministrar uma oficina de criação para alunos do 6º ao 9º ano. Voltou à escola em 2015 como voluntário, quando desenvolveu a ideia e a escrita de um roteiro com a participação de mais de 20 alunos.

Com o tempo, a iniciativa tomou maiores proporções, agregou mais integrantes para a equipe e tornou-se um projeto de iniciação científica na Universidade Federal de Santa Maria. Agora, o filme conta com apoio técnico de diversos colaboradores das mais variadas áreas, todos apaixonados pelo estranho mundo dos seres audiovisuais.

Portão Fechado conta a história de Helena, uma jovem da periferia que sonha em ser jogadora de futebol. Além de todos os desafios da adolescência, ela ainda enfrenta os problemas causados pelo alcoolismo do pai. A conduta de Dirceu desencadeia uma série de acontecimentos que irão tensionar as relações de Helena com a família, com a escola e com os amigos.

O elenco infanto-juvenil é formado pelos próprios alunos da escola. O filme também conta com a participação dos atores Laédio Martins, Débora Matiuzzi, Cândice Lorenzoni, Diego di Medeiros, Dani Moises, Joel Cambraia, Tiago Teles, Rose Almeida, Elton Maia, Guilherme Mello, Luiz Carlos Grassi, Rogério Lobato e Rossano Martins. A direção é por conta de Gelton Quadros, graduado em Artes Cênicas pela UFSM, e de Paulo Tavares. Ainda, parte da equipe de gravação é composta por membros da TV OVO. As gravações têm término previsto para o final deste mês.

O que é Cinema Frankenstein?

O dispositivo Cinema Frankenstein dedica-se a criação, desenvolvimento e escrita criativa de roteiros audiovisuais, entendendo o cinema como uma forma artística de expressão coletiva. A elaboração do roteiro do Portão Fechado partiu da definição dos seis elementos necessários para narrar uma história: tempo, espaço, personagem, objetivo, conflito e ação. De forma coletiva, os alunos contribuíram com ideias para cada um destes elementos que resultou no enredo do filme. O nome do projeto (Cinema Frankenstein) faz alusão ao personagem Victor Frankenstein do clássico romance de terror gótico, escrito pela inglesa Mary Shelley, que cria um monstro a partir da junção de partes de diferentes corpos.

Por Valdemar Neto

portão fechado poster