Notícias

TV OVO aprova projeto para restauração do Sobrado na LIC RS


O projeto que prevê a primeira fase de restauração da casa onde está a sede da TV OVO foi aprovado, na última terça-feira, 04, pela Lei de Incentivo à Cultura do estado do Rio Grande do Sul. Cadastrado no sistema em 16 de janeiro deste ano, o projeto intitulado Sobrado Centro Cultural – Fase 1 foi analisado pelo Conselho Estadual de Cultura (CEC) no dia 30/05 e considerado prioritário.

O projeto prevê a recuperação do casarão eclético datado de 1916, situado em Santa Maria, que será transformado em um centro cultural com ênfase para o audiovisual e projetos sociais ligados à área da cultura, comunicação e memória. Nesta primeira fase, o foco é a recuperação do imóvel histórico que se encontra atualmente em avançada degradação e sem cobertura. Para isso, prevê a estrutura necessária que deverá abrigar, no primeiro andar, uma biblioteca audiovisual, sala de leitura, museu da imagem e som e um café, e, no segundo andar, uma sala multiuso em que funcionará cineclube entre outras atividades culturais como exposições, encontros e oficinas. Após esta etapa, a casa abrigará a sede da TV OVO provisoriamente para que seja possível dar seguimento às próximas duas fases, que contemplarão a construção de um prédio anexo de 4 andares, onde será instalada a sede definitiva, com reabilitação da fachada art déco de 1940 do galpão, e a restauração das fachadas leste, sul e norte do casarão.

Conforme o documento publicado no Diário Oficial do estado, o valor aprovado para captação via Sistema Pró-Cultura RS  é de R$ 896.105,77 . Pela Lei, para que o projeto possa iniciar a execução, a equipe tem 6 meses para captar 20% do valor total, entendido como sinal de potencial para tirar a ideia do papel. Empresas que pagam ICMS (imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços) no estado, desde que não tenham aderido ao Simples Nacional e estejam em situação de regularidade, podem destinar percentual do seu imposto para o projeto. A contrapartida, no caso do Sobrado Centro Cultural, é de apenas 5%, em função de ser bem tombado. Esse valor é destinado ao Fundo de Apoio à cultura (FAC/RS) e a empresa terá sua marca divulgada como patrocinadora do projeto. Porém, a partir do novo convênio realizado pelo estado do Rio Grande do Sul com o CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária do governo federal), os incentivos fiscais foram prorrogados até 30 de setembro deste ano. Para garantir a obra, é necessário conseguir os patrocínios com urgência.

A relevância da proposta engloba ampla dimensão cultural, seja pelo ato de tombamento municipal, pelas atividades que a TV OVO desenvolve, seja pelo legado arquitetônico, histórico, social e cultural que carrega. O casarão foi construído por Evandro Ribeiro (1882 – 1960), engenheiro civil formado pela Escola de Engenharia de Porto Alegre. Nascido em Caçapava do Sul, ele veio para Santa Maria com o desejo de viver como poeta, integrando a Academia Literária Sul-rio-grandense e a Academia de Letras do Rio Grande do Sul, motivo pelo qual a casa foi espaço de saraus literários e intensa movimentação cultural. Depois de ter sido residência da família Danesi, de 1940 a 1980, o imóvel foi adquirido por Marcelo Canellas em 2010, e fez a doação para a TV OVO em 2016, quando a associação completou 20 anos.”Esta história faz parte da essência que se articula com as forças vivas da cultura do município de Santa Maria, constituindo um projeto voltado para a cidade e suas demandas, e potencializando as ações de cunho artístico e social já desenvolvidas pela TV OVO no setor audiovisual”, salienta o parecer do conselheiro relator no CEC, Jorge Luís Stocker Júnior, entendendo o projeto como “importante iniciativa de resgate do patrimônio cultural arquitetônico e paisagístico”.

O projeto que começa a sair do papel é gestado de forma coletiva desde 2012. Um chamado público de Marcelo para arquitetos da cidade, em 2012, deu início às discussões. A equipe da proposta  aprovada é formada pelos arquitetos Tita Pereira, Daniel Pereyron e Anelis Flôres; os engenheiros Lucas Jost e Guilherme Angonese; e os produtores culturais Neli Mombelli, Denise Copetti e Marcos Borba.


Lelé João-de-barro e o seu grande dia


No dia 1º de maio ocorreu o lançamento do livro infantil Lelé João-de-barro: arquiteto de histórias na 46º Feira do Livro de Santa Maria. De autoria dos arquitetos Clarissa Pereira (Tita) e Daniel Pereyron, e da jornalista e integrante da TV OVO, Neli Mombelli, o livro tem como personagem principal o Lelé, um passarinho da espécie joão-de-barro, que conduz o leitor pelas brincadeiras e pela história do livro, buscando estimular as crianças a reconhecerem e a preservarem o patrimônio histórico de Santa Maria. Há diversas atividades nas 32 páginas que compõe o exemplar, como origami, jogo de tabuleiro, peças para recortar e desenhos para colorir.

O livro fala sobre patrimônio, memória e arquitetura, principalmente, para o público infantil, mas que também envolve os familiares. Neli  explica que a ideia é mais uma ação, dentre tantas outras, para defender, conscientizar e preservar o patrimônio histórico de Santa Maria. “Como conscientizar?! Às vezes, falar com adultos, talvez, não seja tão fácil quanto falar com crianças. Porque elas vão crescer pensando e olhando para a cidade de uma forma diferente”, explica Neli ao ser questionada sobre a escolha do público-alvo do livro. Daniel completa: “É importante criar essa discussão, essa cultura de olhar para um prédio que é antigo, que tem um valor, que representa uma memória muito antes da própria existência dela”.

A feira pelo olhar de Lelé

Lelé estava super ansioso para encontrar seus novos amigos e aproveitou que a quarta feira, dia do lançamento, estava linda, com o céu azul, para ir voando até a Feira do Livro. A gata Pitanga, por sua natureza mais reclusa, preferiu ficar pelo Sobrado, mas pediu para que seu amigo joão-de-barro lhe contasse cada detalhe do evento. Jasmin e o Sobrado, os outros dois personagens, bem, eles não tinha como estar por lá a não ser pelas páginas do livro. Ao chegar na praça Saldanha Marinho, o passarinho encontrou-se com seus autores e ficou de olho no intenso movimento para a sessão de autógrafos, que iniciou às 14h e seguiu até às 17h30.

Enquanto esperava o início das atividades, Lelé aproveitou para conversar um pouco com seus leitores e público. Conheceu a Maria Nunes, de 8 anos, que havia acabado de comprar seu exemplar e estava ansiosa para lê-lo. Sua mãe Lirane Nunes, 43 anos, disse que a filha já havia estudado sobre o estilo dos prédios e sobre o patrimônio histórico de Santa Maria na escola, o que a fez se interessar pelo livro.

Encontrou por lá, também, a Fernanda Bianchin, de 39 anos, que foi prestigiar sua grande amiga, e uma das autoras do livro, Clarissa Pereira (Tita). “Eu vim aqui prestigiar porque eu adoro pintar. Eu tenho vários livros de pintar porque é forma que eu tenho de espairecer”, comentou ela. Ao ser questionada sobre o que havia achado do livro,  foi só elogios: “Eu adorei o livro, a ideia deles está muito legal. Inclusive eu acho que eles tinham que expandir isso para todo o Brasil, para todas as crianças…”. Ou seja, Lelé faz sucesso também entre os adultos.

O movimento foi intenso durante toda a tarde e, para entreter as crianças, Annelise Weber, arquiteta e urbanista que colaborou com a publicação, ajudou os pequenos a fazer o origami do Lelé. Uma das crianças que tirou de letra fazer a dobradura do joão-de-barro foi o Benjamin, de 9 anos, que adorou fazer a atividade e achou o livro bem legal e com cores vibrantes. Outro que também destacou as cores do livro foi o Benjamin Reinehr, de 8 anos: “Eu acho que amarelo combina com roxo”. Já a Joana, de 7 anos, achou o origami difícil, mas achou o livro muito bonito.

O Lelé também quis saber a opinião dos pais sobre seu livro. “Achei muito interessante, especialmente nesse período que Santa Maria luta para manter seu patrimônio intacto em função da especulação imobiliária. Acho legal trabalhar com as crianças essa consciência em relação ao patrimônio”, refletiu Janaina Garcia, de 36 anos, mãe de Clara. A arquiteta Lídia Rodrigues complementou: “Achei muito bom, uma proposta diferente e muito boa pela facilidade de manuseio, porque ele é curtinho, é para criança, mas ele traz informações bem necessárias. Tem informação de arquitetura, de escala e até o mapinha da cidade ”, elogiou.

Devido ao crescente sucesso e público, o evento teve sua duração estendida em uma hora, mas o joão-de-barro não podia ir embora sem conversar com  seus autores e colaboradores. Seu primeiro bate-papo foi com a Annelise Weber. Ela relatou como foi participar do projeto.

“Foi muito legal porque a gente discutiu conjuntamente. Eles fizeram a parte de criação, das atividades e eu participei ajudando com a ilustração dos desenhos, na parte de arte gráfica mesmo, e também com a dobradura do Lelé. ” E ainda completou dizendo que o lançamento superou as expectativas: “Pensamos que ia ter público, mas não tão grande assim e com fila imensa. Esgotou os nossos chaveiros, esgotou as dobraduras…. Está sendo muito legal,  uma experiência incrível, principalmente por participar do livro com eles. ”

Já Tita confessou ao Lelé sua sensação ao ter seu trabalho em mãos. “É fantástico, eu acho que qualquer projeto que a gente faça, que seja de arquitetura, que seja um livro como esse, que é um projeto mais curto, sempre a gente quer ver pronto e eu agradeço muito a Neli. Se não fosse por ela esse trabalho não teria saído do papel. Realmente ela tem um grande mérito em ter abraçado a ideia e colocá-la em prática. ”

Já passava das 18h da tarde quando o joão-de-barro ficou sabendo da estimativa de vendas do seu livro. Foram vendidos, somente no dia do lançamento, cerca de 180 exemplares e, ao final do dia, Lelé se sentia realizado por ter conhecido tantas pessoas incríveis. Ele voltou feliz e animado para compartilhar com a Pitanga, o Sobrado e a Jasmin tudo sobre seu dia.

Por Lívia Teixeira

O livro está entre os cinco mais vendidos desta edição da Feira do Livro. Foto de Juliana Brites


Lelé João-de-barro: livro infantil aborda arquitetura e patrimônio cultural de Santa Maria


Lelé João-de-Barro: arquiteto de histórias é o novo livro que leva o selo do Sobrado Centro Cultural, projeto de restauração do imóvel centenário que abriga a sede da TV OVO. O lançamento será dia 01/05 na 46ª Feira do Livro de Santa Maria, das 14h às 16h30, na Praça Saldanha Marinho. Os autores são os arquitetos Clarissa Pereira (Tita) e Daniel Pereyron, responsáveis pelo projeto arquitetônico do Sobrado, e a jornalista Neli Mombelli, integrante da TV OVO.

Lelé é o personagem que conduz a história do livro infantil. Ele mora na Jasmin, uma linda árvore que fica ao lado do Sobrado. A obra busca interagir com as crianças que encontrarão nas suas páginas jogos, desenhos para colorir, origami, peças para recortar, procurando trabalhar o reconhecimento do patrimônio da cidade e também ensinando sobre o ecletismo, estilo arquitetônico do Sobrado.

Tita, que também é professora universitária e mãe da Martina, defende que “somente o despertar da consciência do público infantil pode contribuir para a preservação da nossa história”. Foi com esse entendimento que Daniel, também professor universitário, atual presidente do Instituto do Planejamento de Santa Maria (Iplan) e pai do Theo e da Bibiana, também abraçou a proposta do livro ao questionar sobre qual legado se está deixando na cidade. “Como as crianças de hoje entenderão o que é patrimônio no futuro?”, propõe ele.

Boa parte do material produzido para o livro foi a partir das plantas que integram o projeto de restauração do Sobrado, que neste momento está com a primeira fase em avaliação na Lei de Incentivo à Cultura do Estado (LIC/RS). Neli, que é professora universitária e trabalha com oficinas de audiovisual para adolescentes, vê no livro a potência para o fortalecimento dos laços de pertencimento dos santa-marienses com a paisagem urbana. “O livro é para os pequenos e para seus familiares também. É uma maneira lúdica de olhar ao redor, reconhecer a identidade de Santa Maria e preservar seu legado histórico e cultural”.

E Tita complementa: “O livro também serve como resposta às transformações da imagem da cidade que estamos vivenciando nos últimos tempos. As construções de interesse histórico vêm sofrendo com o processo de verticalização do centro, que modifica e, por vezes, desconfigura parte da paisagem e da identidade de Santa Maria”.

Para que o livro fosse possível, formou-se uma rede de parceiros que patrocinaram a sua diagramação e impressão. São eles: L’abac Empreendimentos, Lineastudio Arquiteturas, Eny Calçados, AW Eventos, Zacon Zanini Construções, Simultânea Engenharia, MKümel Arquitetura, Criançando em SM, Q_arts Arquitetura e Box Studio Arquitetura.

Quem participar da sessão de autógrafos dia 01/05, receberá um chaveiro do Lelé. Além disso, Annelise Weber, colaboradora do livro, fará uma oficina de origami para as crianças já saírem com a dobradura do personagem principal em mãos. Ainda, serão sorteados 4 kits do livro, um total de 100 exemplares, para escolas públicas da cidade que participarem da feira. O livro estará disponível nas bancas da Cesma e da Athena Livraria pelo valor de R$ 15,00

Para mais informações, acompanhe a TV OVO no facebook/tvovosm e no instagram/tvovosm

Sinopse

Lelé João-de-Barro: arquiteto de histórias

Que tal voar, colorir, recortar, colar, brincar e aprender um pouco sobre arquitetura com Lelé? Ele é um joão-de-barro que mora numa árvore chamada Jasmin, ao lado de uma linda casa de estilo eclético em Santa Maria. Aventure-se nessa história.


Cronicaria na versão livro falado


Um dos livros mais vendidos na Feira do Livro 2018 de Santa Maria agora tem versão em áudio. O livro falado Cronicaria foi publicado na plataforma que originou o livro impresso. Ele pode ser acessado na íntegra ou ouvido em faixas em tvovo.org/cronicaria/livrofalado/, além de estar disponível para download.

O livro falado é uma proposta de tornar a literatura acessível a todos, sobretudo para as pessoas com deficiência visual. A ideia de produzir o Cronicaria no suporte de livro falado veio de uma provocação que Daverlan Dalla Lana, um jovem cego, fez à Marcelo Canellas, em maio, no dia de sessão de autógrafos do livro impresso na Feira do Livro.

A partir de então, iniciamos a produção desse desafio. Com suporte do laboratório do curso de Jornalismo da Universidade Franciscana, realizamos as gravações da locução das crônicas, que foram feitas nas vozes dos próprios cronistas: Manuela Fantinel e Marcelo Canellas. A apresentação e as crônicas produzidas em um workshop do projeto do Cronicaria, que integraram a publicação impressa, foram narradas pela voz de Neli Mombelli, que assina a organização do livro e a coordenação do livro falado. O desafio maior foi realizar as audiodescrições das fotocrônicas. Manuela e Julia Machado precisaram estudar sobre o assunto, além de contar com o apoio do Núcleo de Acessibilidade da Universidade Federal de Santa Maria, sobretudo de Cristian Evandro Sehnem.

Julia comenta que há uma ordem de narração das fotos e das ilustrações para compor o enquadramento e possibilitar a compreensão da imagem. Há também a subjetividade que permeia a leitura de determinadas imagens pelo grau de abstração e interpretação que elas podem conter. “Para esse universo de audiodescrições das imagens, tivemos que fazer muita pesquisa e entrar em contato com quem é deficiente visual, para então conseguirmos compreender e realizar da melhor forma. Nunca tínhamos trabalhado com esse tipo de processo. A consultoria do Daverlan e o apoio do Núcleo de Acessibilidade foi essencial”, afirma Julia, que, além das fotocrônicas, narrou outros elementos do livro como capa e ficha técnica. 

Esta é a primeira produção neste suporte que a TV OVO realiza, assim como o Cronicaria foi o primeiro livro impresso. Essas produções levam o selo do Sobrado Centro Cultural, projeto que prevê a integração de múltiplas artes no espaço onde fica a nossa sede. No que se refere a acessibilidade de obras culturais, temos trabalhado com a legendagem de nossas produções audiovisuais e, em 2015, lançamos nosso primeiro curta de ficção, o Poeira, com audiodescrição. Ainda temos muito o que avançar para naturalizarmos a questão da acessibilidade em nossa rotina produtiva, mas temos incorporado essas iniciativas conforme nossas possibilidades e também a partir de parcerias que vamos estabelecendo pelo caminho.

Sobre o Cronicaria

O Cronicaria é resultado de um processo coletivo que integra cronistas e leitores desde sua concepção. Ele nasce da proposição da TV OVO em conjunto com Marcelo, Manuela e mais 126 pessoas que, por meio de um financiamento coletivo via internet, contribuíram para a publicação de crônicas semanais, às quartas e aos sábados, no site do projeto, entre agosto e novembro de 2017.

A partir das publicações, produzimos uma coletânea reunindo crônicas e fotocrônicas que se transformaram em um livro, lançado na Feira do Livro de Santa Maria em maio deste ano. Em um mês, foram vendidos quase 200 exemplares, além da distribuição gratuita de mais de 800 exemplares para as bibliotecas das escolas da rede municipal, que receberam dez exemplares da obra. O livro impresso pode ser adquirido na Cesma, na Athena ou em nossa sede (Floriano Peixoto, 267).

Por Tayná Lopes e Neli Mombelli

 

Manuela e Marcelo gravaram a locução de suas crônicas no estúdio do laboratório de rádio do curso de Jornalismo da UFN. Fotografia de Neli Mombelli

 


Pode chover que agora estamos protegidos


Perrengue é uma palavra frequente no vocabulário dos integrantes da TV OVO quando se fala em infraestrutura.  Principalmente quando havia previsão de chuva, aí  que surgiam as rugas na testa: corre para buscar lona, transfere equipamentos para outros lugares, consegue galocha emprestada. Foram muitas ventanias, tempestades, salas alagadas, planos A, B, C e D, muita contabilidade, pesquisa de preços e contatos para o serviço. Finalmente estamos livres das goteiras no galpão, pelo menos é o que se espera.

O telhado feito de tesouras de madeira e telha francesa estava com a estrutura comprometida em função de cupins, da porosidade das telhas antigas e também por já ser um ancião (datava de 1940). Já havíamos realizado uma reforma que não deu conta (em 2012, quando nos mudamos para o galpão, chegamos a fazer uma campanha de financiamento coletivo para consertar o telhado) e a única solução encontrada foi trocar a estrutura. Agora a madeira foi substituída por treliças de aço e as telhas por ligas de alumínio e zinco.

Durante os dias de troca do telhado recebemos a visita dela, claro, a chuva! Porém, como diz a legenda de uma de nossas fotos no Instagram: “Ficar sem telhado por uns dias também tem sua poesia”. Era um tanto artístico poder ver um pedacinho do céu entre as tesouras de madeira e o reflexo que se formava da água empossada no piso: resultava num desenho bonito. Aproveitamos o momento para rechear nossa timeline de imagens inspiradoras e conceituais, porque, afinal, não temos nada contra a chuva.  Ela é necessária para que não amarguemos na secura.

Após cerca de 20 dias, estamos de “chapéu novo”, embora um pouco mais barulhento quando as gotas de água beijam a sua superfície, e com um pouco de menos conforto térmico, quando os raios do sol incidem sobre ele, e não tão bonito e histórico como costumava ser, mas, afinal, protegidos.

Por enquanto as salas da TV OVO têm caixas de documentos, materiais de construção e poeira para todo lado e é nessa desordem das coisas que vivemos o caos criativo de nossas ideias, projetos e conversas. Felizes com um novo teto, inspirados pelo caos e torcendo por novas obras: a construção do tão sonhado Sobrado Centro Cultural.

Por Tayná Lopes

Dias de chuva sem telhado produziram alagamentos de imagens poéticas. Foto de Denise Copetti


Sobrado da TV OVO é tombado como patrimônio histórico


Na última sexta-feira, 06/07, foi assinado o decreto de tombamento do nosso sobrado como patrimônio histórico e cultural de Santa Maria, um reconhecimento que vem com 102 anos de idade. Este documento é um gesto que deixa o nosso objetivo, junto com Marcelo Canellas, Tita Pereira e Daniel Pereyron (representantes de um grupo de arquitetos), e Lucas Just e Guilherme Angonese (equipe de engenheiros) mais próximo. Restaurar o casarão, construir e dar vida ao Sobrado Centro Cultural irá fazer a cidade pulsar com mais um espaço de fruição de cultura e formação na área do audiovisual.
Na última sexta, demos mais um passo, porque já enfrentamos muito entulho para reformar as salas; já recolocamos telhas depois de um vendaval; já juntamos uma multidão para celebrar os 20 anos da TV OVO, em 2016. A partir de agora, seguimos com mais possibilidades de arrecadar os recursos necessários para restaurar e construir o espaço.
A assinatura do decreto de tombamento também marca a valorização do patrimônio histórico e cultural da cidade justamente em tempos de pressão das construtoras para afrouxar a lei que protege os edifícios do centro histórico de Santa Maria.
Seguimos, passo a passo, com a certeza de que não podemos parar.