Notícias

TV OVO recebe a Medalha da 55ª Legislatura da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul


No dia 22/06, terça-feira, recebemos a Medalha da 55ª Legislatura da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, uma honraria proposta pelo deputado estadual Valdeci Oliveira (PT) e aprovada pela Mesa Diretora do parlamento gaúcho, integrada por deputadas e deputados de diferentes partidos.

Acreditamos que a cultura é um dos pilares do desenvolvimento humano e cidadão. Por isso, receber uma homenagem como esta significa que ainda temos muitos projetos e ações para realizar. Esta medalha é um reconhecimento que nos dá energia, potencializa o nosso trabalho e nos dá mais certeza de que a cultura é fundamental para a construção de uma sociedade justa e humana.

A homenagem foi feita sob o teto da nossa casa, que está em vias de transformação no sonhado Sobrado Centro Cultural, um lugar de arte, história e movimento. Totalmente dedicado às diversas manifestações culturais, com ênfase para o audiovisual e projetos sociais ligados à área da cultura, comunicação e memória.

De forma singela, com poucos presentes fisicamente, devido à pandemia da COVID-19, mas muitos conectados virtualmente demos início ao ato solene. Alexsandro Pedrollo, Denise Copetti, Marcos Borba e Paulo Tavares, integrantes da nossa equipe, estiverem em frente às câmeras celebrando a entrega da medalha, junto ao deputado Valdeci Oliveira, por meio de uma live guiada pelo Heitor Leal, Alan Orlando e Victor Mascarenhas (equipe técnica).

Mas o que seria da TV OVO sem Santa Maria?! Sem o povo da cultura, sem nossas instituições e comunidades parceiras?! Temos 25 anos de trajetória que não foi trilhada sozinha. Além das lágrimas, do suor, das lutas, dos respiros e sorrisos, temos muitas pessoas que caminham lado a lado e elas não poderiam ficar de fora deste momento, por isso, recebemos mensagens em áudio e vídeo de Marcelo Canellas – jornalista, Marilice Daronco – representante da Fundação Eny, Rose Carneiro – Secretária Municipal de Cultura, Antônio Gringo – Músico, Aline Zuse – Presidente do Conselho Municipal de Política Cultural de Santa Maria, Vera Lúcia Silva – Comissão Estadual dos Pontos de Cultura, Paulo Burmann – Reitor da UFSM, Jorge Pozzobom – prefeito de Santa Maria, Flavi Ferreira Lisboa Filho – Pró-reitor de Extensão da UFSM, Irani Rúpulo – Reitora da UFN e Irmã Lourdes Dill – Coordenadora do Projeto Esperança/Cooesperança.

Quem acompanhou de casa também enviou seu recado. Recebemos muitas mensagens de apoio e felicitações, como a de Paulo Conceição​, que disse: “como Diretor da Associação dos Moradores da Vila Belga, parabenizo a TV OVO pelo reconhecimento do Parlamento Gaúcho”. Luiz Alberto Cassol​ escreveu: “Parabéns TV OVO! Homenagem mais do que merecida! Aplausos.” Camila Tavares vibrou: “​Quanto trabalho lindo! Parabéns, TV OVO!”. Cada palavra nos enche de orgulho e nos reenergiza para irmos cada vez mais longe junto de nossos ideais e das bases que nos solidificam: a cultura, a memória, o audiovisual e a comunicação comunitária.

O ato foi transmitido ao vivo pelo Facebook/tvovosm e valdeci13rs e pelo Youtube/tvovo e valdeciOliveira13. Para assistir à cerimônia na íntegra acesse o nosso canal no YouTube. Assista, conheça o nosso trabalho e compartilhe a nossa história com algum amigo ou familiar para que continuemos a mobilizar ideias, registrar memórias e abrigar pessoas e suas mentes criativas, potentes de transformação para um mundo que queremos e do qual somos sujeitos construtores. Assim é ser TV OVO, assim é sonhar e viver por dias melhores!

 

Por Tayná Lopes


A corretagem fake e o casarão de verdade – A mentira corre mais que o sonho?


Hoje recebemos a notícia de que a imagem do sobrado, sede da TV OVO, estava ilustrando erroneamente um terreno à venda em um classificado online de uma imobiliária.

Queremos esclarecer publicamente que foi um engano da empresa em questão que está agenciando um terreno próximo. Já entramos em contato e ela está providenciado a retirada da imagem. O link do classificado percorreu diversos grupos de Whats App e gerou os mais variados rumores.

Nosso Sobrado, nosso sonho, Patrimônio Histórico e Cultural de Santa Maria, tombado por decreto municipal, não está à venda e tampouco criamos esse disparate para causar qualquer tipo de “rebuliço cultural”.

A restauração das fachadas e a construção dos prédios que integram o Sobrado Centro Cultural seguem em captação de recursos via ICMS no Estado. Que o projeto de restauração do imóvel tenho o mesmo vigor do engano de hoje para circular nas redes e mobilizar opiniões. Já temos o apoio das lojas Eny Calçados, empreendimento tradicional na cidade, exemplo de que, sim, se apoiarmos uns aos outros podemos tornar Santa Maria cada vez mais uma cidade de oportunidades, de cultura e de sonhos realizados.

Fica aqui nosso contato para investimentos: tvovo@tvovo.org e 9 8413 4435


Seguimos em captação de ICMS para restauração da sede da TV OVO


Aprovado em junho do ano passado, a primeira fase do Sobrado Centro Cultural irá reformar o casarão onde está a sede da TV OVO,  na rua Floriano Peixoto esquina com Ernesto Becker, para ser mais um espaço dedicado à arte, cultura, comunicação e educação. A casa centenária, tombada a nível municipal, foi doada pelo jornalista Marcelo Canellas (Fantástico/Rede Globo) para a TV OVO, uma associação sem fins lucrativos que há 23 anos trabalha com formação audiovisual em escolas públicas, bairros periféricos e comunidades do interior e também produz documentários voltados para o registro da memória de localidades e manifestações culturais do RS, tendo recebido diversos prêmios a nível estadual e federal pela sua atuação.
O Sobrado Centro Cultural – Fase 1 foi aprovado para captar recursos via LIC/RS. Empresas que pagam ICMS podem destinar percentual do seu imposto para o projeto. A contrapartida é de apenas 5% e a empresa terá sua marca divulgada como patrocinadora do projeto. Entre os patrocinadores confirmados está Eny Calçados. O valor para captação é de R$ 896.105,70.
Toda ajuda é bem-vinda. Se você não paga ICMS, mas conhece alguém que recolhe o imposto, pode indicar nosso projeto para que a empresa apoie este projeto. Nossos contatos são tvovo@tvovo.org, 55 3026 3039 e 55 98413 4435 (Marcos Borba).
Por que apostar em nossa proposta?
Pelo engajamento da marca com um projeto de ampla relevância cultural, voltado para a preservação da memória, da identidade gaúcha e da valorização do patrimônio arquitetônico materializada no edifício, além da relevância social das ações desenvolvidas pela TV OVO há mais de duas décadas que serão potencializadas com este novo espaço.
Como contrapartida do patrocínio, prevemos a divulgação dos patrocinadores em diferentes mídias (outdoors, jornal, audiovisual, redes sociais e folders sobre o projeto). Além da obra, também iremos realizar o “Estação Santa Maria”, um espetáculo de contação de histórias para 200 crianças de escolas públicas com um passeio pela Avenida Rio Branco, saindo da Gare (centro histórico da cidade), em um trenzinho, com o objetivo de rememorar a história de formação da cidade e de identificar nosso patrimônio histórico-cultural.
O que está previsto para esta 1ª fase:
  • Estrutura para abrigar biblioteca do audiovisual, café cultural, cineclube, exposições, espaço para museu da imagem e som;
  • Infraestrutura e superestrutura;
  • Cobertura e forro;
  • Instalação elétrica e hidráulica;
  • PPCI;
  • Acessibilidade;
  • Energia fotovoltaica.

Estamos captando recursos para a construção de centro cultural


 

Estamos em busca de captação de recursos para realizar a primeira fase de implantação do Sobrado Centro Cultural, aprovado na Lei de Incentivo à Cultura do Estado, LIC-RS. Empresas com sede no Rio Grande do Sul e que pagam ICMS podem destinar uma parte do imposto ao projeto. Como retorno de divulgação pelo patrocínio, a marca da empresa será veiculada em audiovisuais produzidos em diversas etapas da obra, além de outdoors pela cidade, placa na obra, impulsionamento em mídias digitais, folders de divulgação do projeto e do espetáculo Estação Santa Maria.

Temos até dezembro para captar no mínimo 20% do valor total do projeto, para que a Secretaria de Cultura do Estado conceda a autorização para o início do projeto. O valor aprovado para captação é R$ 896.105,77. A época do ano não é favorável para a equipe, já que a maioria das empresas que costumam patrocinar projetos culturais por meio da LIC-RS já destinaram seu imposto no início do ano. Por isso, estamos buscando empresas que acreditam na proposta e que ainda podem patrocinar a iniciativa neste ano, ou que tenham interesse para colaborar em 2020.

O projeto prevê a recuperação de uma construção centenária na região do centro histórico de Santa Maria. O casarão foi construído por Evandro Ribeiro e 1916. Natural de Caçapava do Sul, engenheiro civil formado pela Escola de Engenharia de Porto Alegre, mudou-se para Santa Maria com o sonho de ser poeta. Ribeiro integrou a Academia Literária Sul-rio-grandense e a Academia de Letras do Rio Grande do Sul. O primeiro dono do sobrado promovia saraus literários no espaço até o começo dos anos de 1920. Em 2010, o jornalista e nosso parceiro, Marcelo Canellas, comprou o espaço e nos doou, no ano de 2016, em comemoração aos nossos 20 anos da associação e centenário do prédio. A ação foi um gesto de apoio ao trabalho social e cultural desenvolvido pela TV OVO.

Além da restauração do edifício, o espaço irá abrigar mais um centro de cultura em uma das regiões mais importantes da cidade. A obra está prevista para ser executada em três fases. A primeira delas, para a qual buscamos recursos no momento, é para a recuperação do imóvel histórico que se encontra atualmente em avançada degradação e sem cobertura. Para isso, prevê a estrutura necessária que deverá abrigar, no primeiro andar, uma biblioteca audiovisual, sala de leitura, museu da imagem e som e um café, e, no segundo andar, uma sala multiuso em que funcionará cineclube entre outras atividades culturais como exposições, encontros e oficinas.

Sobre o espetáculo Estação Santa Maria

O projeto em captação prevê uma contrapartida social que é um espetáculo de contação de histórias para 200 crianças do 5º ano de escolas públicas. Voltado para a educação patrimonial, as atrizes Denise Copetti e Camila Borges encenam personagens do passado e partem da Gare num trenzinho (dimdinho) com a criançada, percorrendo a Avenida Rio Branco, principal rua dos tempos áureos da ferrovia, para reconhecer a história e traços culturais e arquitetônicos de formação de Santa Maria. Das malas elas tiram recordações, relembram o passado, a construção da ferrovia e da Vila Belga, do que o trem trouxe e o que ficou de patrimônio para a cidade. Falam sobre um passado ainda presente em construções, símbolos e memórias. Um patrimônio vivo e que precisa ser reconhecido e preservado.

Sobre a TV OVO

Nossa trajetória iniciou na Vila Caramelo, região Oeste de Santa Maria, a partir de oficinas de vídeo para adolescentes em 1996. São 23 anos de trabalho coletivo como uma associação sem fins lucrativos, o que nos tornou reconhecidos nacionalmente com projetos de Ponto e Pontão de Cultura. Também produzimos filmes premiados e desde o princípio trabalhamos com oficinas de formação audiovisual para jovens, ultrapassando 1,2 mil oficinandos.

Somos peça importante para o cenário cultural da cidade, atuando principalmente no registro da memória santa-mariense a partir da narrativa documental, seja ela material ou imaterial, do campo ou da cidade. Histórico esse que já nos rendeu prêmio como Cultura Viva e Prêmio de Mídia Livre pelo Ministério da Cultura,e  Prêmio Ponto de Memória pelo Instituto Brasileiro de Museus. Também somos tidos como Utilidade Pública pela Câmara Municipal de Vereadores.

Muitas pessoas das mais variadas áreas de estudo e localidades já passaram por aqui. Para que a nossa história continue a crescer e a se consolidar, investimos  na construção do Sobrado Centro Cultural, cujo prédio é tombado como patrimônio histórico do município. A obra como um todo, além de contemplar os espaços previstos na primeira fase (biblioteca audiovisual, sala de leitura, museu da imagem e som, café cultural, sala multiuso para cineclube, exposições e oficinas), pretende restaurar as fachadas leste, sul e norte do prédio eclético de 1916, e reabilitar a fachada do galpão ao fundo de estilo art déco, de 1940. No galpão será construído um prédio de 4 andares com estúdio de cinema/TV, que também se transforma em teatro de arena. Haverá estúdio de áudio e salas destinadas para formações e encontros. Toda a estrutura e trabalho vai girar em torno das diferentes manifestações artísticas, tendo como ênfase projetos sociais voltados para a formação audiovisual, nosso motivo de existir.

 

Nos contate!

Telefone 3026-3039

E-mail sobrado@tvovo.org

Whats 55 9 8413 4435 (Marcos Borba)

facebook.com/tvovosm

instagram.com/tvovosm

Foto de Neli Mombelli


TV OVO aprova projeto para restauração do Sobrado na LIC RS


O projeto que prevê a primeira fase de restauração da casa onde está a sede da TV OVO foi aprovado, na última terça-feira, 04, pela Lei de Incentivo à Cultura do estado do Rio Grande do Sul. Cadastrado no sistema em 16 de janeiro deste ano, o projeto intitulado Sobrado Centro Cultural – Fase 1 foi analisado pelo Conselho Estadual de Cultura (CEC) no dia 30/05 e considerado prioritário.

O projeto prevê a recuperação do casarão eclético datado de 1916, situado em Santa Maria, que será transformado em um centro cultural com ênfase para o audiovisual e projetos sociais ligados à área da cultura, comunicação e memória. Nesta primeira fase, o foco é a recuperação do imóvel histórico que se encontra atualmente em avançada degradação e sem cobertura. Para isso, prevê a estrutura necessária que deverá abrigar, no primeiro andar, uma biblioteca audiovisual, sala de leitura, museu da imagem e som e um café, e, no segundo andar, uma sala multiuso em que funcionará cineclube entre outras atividades culturais como exposições, encontros e oficinas. Após esta etapa, a casa abrigará a sede da TV OVO provisoriamente para que seja possível dar seguimento às próximas duas fases, que contemplarão a construção de um prédio anexo de 4 andares, onde será instalada a sede definitiva, com reabilitação da fachada art déco de 1940 do galpão, e a restauração das fachadas leste, sul e norte do casarão.

Conforme o documento publicado no Diário Oficial do estado, o valor aprovado para captação via Sistema Pró-Cultura RS  é de R$ 896.105,77 . Pela Lei, para que o projeto possa iniciar a execução, a equipe tem 6 meses para captar 20% do valor total, entendido como sinal de potencial para tirar a ideia do papel. Empresas que pagam ICMS (imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços) no estado, desde que não tenham aderido ao Simples Nacional e estejam em situação de regularidade, podem destinar percentual do seu imposto para o projeto. A contrapartida, no caso do Sobrado Centro Cultural, é de apenas 5%, em função de ser bem tombado. Esse valor é destinado ao Fundo de Apoio à cultura (FAC/RS) e a empresa terá sua marca divulgada como patrocinadora do projeto. Porém, a partir do novo convênio realizado pelo estado do Rio Grande do Sul com o CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária do governo federal), os incentivos fiscais foram prorrogados até 30 de setembro deste ano. Para garantir a obra, é necessário conseguir os patrocínios com urgência.

A relevância da proposta engloba ampla dimensão cultural, seja pelo ato de tombamento municipal, pelas atividades que a TV OVO desenvolve, seja pelo legado arquitetônico, histórico, social e cultural que carrega. O casarão foi construído por Evandro Ribeiro (1882 – 1960), engenheiro civil formado pela Escola de Engenharia de Porto Alegre. Nascido em Caçapava do Sul, ele veio para Santa Maria com o desejo de viver como poeta, integrando a Academia Literária Sul-rio-grandense e a Academia de Letras do Rio Grande do Sul, motivo pelo qual a casa foi espaço de saraus literários e intensa movimentação cultural. Depois de ter sido residência da família Danesi, de 1940 a 1980, o imóvel foi adquirido por Marcelo Canellas em 2010, e fez a doação para a TV OVO em 2016, quando a associação completou 20 anos.”Esta história faz parte da essência que se articula com as forças vivas da cultura do município de Santa Maria, constituindo um projeto voltado para a cidade e suas demandas, e potencializando as ações de cunho artístico e social já desenvolvidas pela TV OVO no setor audiovisual”, salienta o parecer do conselheiro relator no CEC, Jorge Luís Stocker Júnior, entendendo o projeto como “importante iniciativa de resgate do patrimônio cultural arquitetônico e paisagístico”.

O projeto que começa a sair do papel é gestado de forma coletiva desde 2012. Um chamado público de Marcelo para arquitetos da cidade, em 2012, deu início às discussões. A equipe da proposta  aprovada é formada pelos arquitetos Tita Pereira, Daniel Pereyron e Anelis Flôres; os engenheiros Lucas Jost e Guilherme Angonese; e os produtores culturais Neli Mombelli, Denise Copetti e Marcos Borba.


Lelé João-de-barro e o seu grande dia


No dia 1º de maio ocorreu o lançamento do livro infantil Lelé João-de-barro: arquiteto de histórias na 46º Feira do Livro de Santa Maria. De autoria dos arquitetos Clarissa Pereira (Tita) e Daniel Pereyron, e da jornalista e integrante da TV OVO, Neli Mombelli, o livro tem como personagem principal o Lelé, um passarinho da espécie joão-de-barro, que conduz o leitor pelas brincadeiras e pela história do livro, buscando estimular as crianças a reconhecerem e a preservarem o patrimônio histórico de Santa Maria. Há diversas atividades nas 32 páginas que compõe o exemplar, como origami, jogo de tabuleiro, peças para recortar e desenhos para colorir.

O livro fala sobre patrimônio, memória e arquitetura, principalmente, para o público infantil, mas que também envolve os familiares. Neli  explica que a ideia é mais uma ação, dentre tantas outras, para defender, conscientizar e preservar o patrimônio histórico de Santa Maria. “Como conscientizar?! Às vezes, falar com adultos, talvez, não seja tão fácil quanto falar com crianças. Porque elas vão crescer pensando e olhando para a cidade de uma forma diferente”, explica Neli ao ser questionada sobre a escolha do público-alvo do livro. Daniel completa: “É importante criar essa discussão, essa cultura de olhar para um prédio que é antigo, que tem um valor, que representa uma memória muito antes da própria existência dela”.

A feira pelo olhar de Lelé

Lelé estava super ansioso para encontrar seus novos amigos e aproveitou que a quarta feira, dia do lançamento, estava linda, com o céu azul, para ir voando até a Feira do Livro. A gata Pitanga, por sua natureza mais reclusa, preferiu ficar pelo Sobrado, mas pediu para que seu amigo joão-de-barro lhe contasse cada detalhe do evento. Jasmin e o Sobrado, os outros dois personagens, bem, eles não tinha como estar por lá a não ser pelas páginas do livro. Ao chegar na praça Saldanha Marinho, o passarinho encontrou-se com seus autores e ficou de olho no intenso movimento para a sessão de autógrafos, que iniciou às 14h e seguiu até às 17h30.

Enquanto esperava o início das atividades, Lelé aproveitou para conversar um pouco com seus leitores e público. Conheceu a Maria Nunes, de 8 anos, que havia acabado de comprar seu exemplar e estava ansiosa para lê-lo. Sua mãe Lirane Nunes, 43 anos, disse que a filha já havia estudado sobre o estilo dos prédios e sobre o patrimônio histórico de Santa Maria na escola, o que a fez se interessar pelo livro.

Encontrou por lá, também, a Fernanda Bianchin, de 39 anos, que foi prestigiar sua grande amiga, e uma das autoras do livro, Clarissa Pereira (Tita). “Eu vim aqui prestigiar porque eu adoro pintar. Eu tenho vários livros de pintar porque é forma que eu tenho de espairecer”, comentou ela. Ao ser questionada sobre o que havia achado do livro,  foi só elogios: “Eu adorei o livro, a ideia deles está muito legal. Inclusive eu acho que eles tinham que expandir isso para todo o Brasil, para todas as crianças…”. Ou seja, Lelé faz sucesso também entre os adultos.

O movimento foi intenso durante toda a tarde e, para entreter as crianças, Annelise Weber, arquiteta e urbanista que colaborou com a publicação, ajudou os pequenos a fazer o origami do Lelé. Uma das crianças que tirou de letra fazer a dobradura do joão-de-barro foi o Benjamin, de 9 anos, que adorou fazer a atividade e achou o livro bem legal e com cores vibrantes. Outro que também destacou as cores do livro foi o Benjamin Reinehr, de 8 anos: “Eu acho que amarelo combina com roxo”. Já a Joana, de 7 anos, achou o origami difícil, mas achou o livro muito bonito.

O Lelé também quis saber a opinião dos pais sobre seu livro. “Achei muito interessante, especialmente nesse período que Santa Maria luta para manter seu patrimônio intacto em função da especulação imobiliária. Acho legal trabalhar com as crianças essa consciência em relação ao patrimônio”, refletiu Janaina Garcia, de 36 anos, mãe de Clara. A arquiteta Lídia Rodrigues complementou: “Achei muito bom, uma proposta diferente e muito boa pela facilidade de manuseio, porque ele é curtinho, é para criança, mas ele traz informações bem necessárias. Tem informação de arquitetura, de escala e até o mapinha da cidade ”, elogiou.

Devido ao crescente sucesso e público, o evento teve sua duração estendida em uma hora, mas o joão-de-barro não podia ir embora sem conversar com  seus autores e colaboradores. Seu primeiro bate-papo foi com a Annelise Weber. Ela relatou como foi participar do projeto.

“Foi muito legal porque a gente discutiu conjuntamente. Eles fizeram a parte de criação, das atividades e eu participei ajudando com a ilustração dos desenhos, na parte de arte gráfica mesmo, e também com a dobradura do Lelé. ” E ainda completou dizendo que o lançamento superou as expectativas: “Pensamos que ia ter público, mas não tão grande assim e com fila imensa. Esgotou os nossos chaveiros, esgotou as dobraduras…. Está sendo muito legal,  uma experiência incrível, principalmente por participar do livro com eles. ”

Já Tita confessou ao Lelé sua sensação ao ter seu trabalho em mãos. “É fantástico, eu acho que qualquer projeto que a gente faça, que seja de arquitetura, que seja um livro como esse, que é um projeto mais curto, sempre a gente quer ver pronto e eu agradeço muito a Neli. Se não fosse por ela esse trabalho não teria saído do papel. Realmente ela tem um grande mérito em ter abraçado a ideia e colocá-la em prática. ”

Já passava das 18h da tarde quando o joão-de-barro ficou sabendo da estimativa de vendas do seu livro. Foram vendidos, somente no dia do lançamento, cerca de 180 exemplares e, ao final do dia, Lelé se sentia realizado por ter conhecido tantas pessoas incríveis. Ele voltou feliz e animado para compartilhar com a Pitanga, o Sobrado e a Jasmin tudo sobre seu dia.

Por Lívia Teixeira

O livro está entre os cinco mais vendidos desta edição da Feira do Livro. Foto de Juliana Brites