Notícias

Sobrado da TV OVO é tombado como patrimônio histórico


Na última sexta-feira, 06/07, foi assinado o decreto de tombamento do nosso sobrado como patrimônio histórico e cultural de Santa Maria, um reconhecimento que vem com 102 anos de idade. Este documento é um gesto que deixa o nosso objetivo, junto com Marcelo Canellas, Tita Pereira e Daniel Pereyron (representantes de um grupo de arquitetos), e Lucas Just e Guilherme Angonese (equipe de engenheiros) mais próximo. Restaurar o casarão, construir e dar vida ao Sobrado Centro Cultural irá fazer a cidade pulsar com mais um espaço de fruição de cultura e formação na área do audiovisual.
Na última sexta, demos mais um passo, porque já enfrentamos muito entulho para reformar as salas; já recolocamos telhas depois de um vendaval; já juntamos uma multidão para celebrar os 20 anos da TV OVO, em 2016. A partir de agora, seguimos com mais possibilidades de arrecadar os recursos necessários para restaurar e construir o espaço.
A assinatura do decreto de tombamento também marca a valorização do patrimônio histórico e cultural da cidade justamente em tempos de pressão das construtoras para afrouxar a lei que protege os edifícios do centro histórico de Santa Maria.
Seguimos, passo a passo, com a certeza de que não podemos parar.


Decreto de tombamento do sobrado da TV OVO será assinado nesta sexta, 06/07


O decreto de tombamento do sobrado, sede da TV OVO, que fica na esquina da Rua Ernesto Becker com Floriano Peixoto, será assinado nesta sexta-feira, 06/07, às 11h30. A assinatura estava prevista para o último dia 28, mas foi transferida em função do falecimento de Seu Zacheu Canellas, pai de Marcelo Canellas, que foi quem doou o imóvel para a TV OVO e que defende a história e a memória da cidade. O ato será realizado no próprio imóvel, ond efica a sede da TV OVO (Rua Floriano Peixoto, 267). O documento resguarda o casarão como patrimônio histórico e cultural de Santa Maria. Além do sobrado, cuja construção data de 1916, também será tombada a fachada do galpão anexo, que é de 1940.

A fachada principal do casarão, que fica na Rua Floriano Peixoto, é de aparência eclética, possui um frontão triangular, relevos na fachada, medalhões e platibanda, ressaltando-se o frontão triangular do Neoclássico. Apesar da degradação, ainda é possível perceber a solidez construtiva e a elegância do imóvel. Já o galpão, com acesso pela rua Ernesto Becker, onde hoje está situada a sede da TV OVO, é uma construção mais recente, com a fachada em Art Déco, e faz referência a outro período histórico santa-mariense.

O tombamento justifica-se pelo legado cultural, arquitetônico, histórico e social que o sobrado e a fachada do galpão representam para Santa Maria. O tombamento trará consequências positivas para a cidade na medida em que amplia as possibilidades de captação de recursos para o restauro do imóvel, tanto pela lei de incentivo à cultura estadual quanto pela federal, a Lei Rouanet. A submissão de projetos e a captação deverão ocorrer nos próximos meses.

 

A autoria do desenho é desconhecida. Encontramos-o preso em uma das janelas do sobrado faz um tempo. Por entendermos como uma arte de rua, deixamos ele lá. E assim como apareceu, ele também desapareceu no dia seguinte.


Decreto tombará o sobrado da TV OVO como patrimônio histórico santa-mariense


Amanhã, 28/06, será assinado o decreto de tombamento do sobrado, sede da TV OVO, que fica na esquina da Rua Ernesto Becker com Floriano Peixoto, como patrimônio histórico e cultural de Santa Maria. A assinatura será às 12h45min no gabinete do prefeito municipal (Rua Venâncio Aires, 277, 7º andar). Além do sobrado, cuja construção data de 1916, também será tombada a fachada do galpão anexo, que é de 1940.

A fachada principal do casarão, que fica na Rua Floriano Peixoto, é de aparência eclética, possui um frontão triangular, relevos na fachada, medalhões e platibanda, ressaltando-se o frontão triangular do Neoclássico. Apesar da degradação, ainda é possível perceber a solidez construtiva e a elegância do imóvel. Já o galpão, com acesso pela rua Ernesto Becker, onde hoje está situada a sede da TV OVO, é uma construção mais recente, com a fachada em Art Déco, e faz referência a outro período histórico santa-mariense.

O tombamento justifica-se pelo legado cultural, arquitetônico, histórico e social que o sobrado e a fachada do galpão representam para Santa Maria. O tombamento trará consequências positivas para a cidade na medida em que amplia as possibilidades de captação de recursos para o restauro do imóvel, tanto pela lei de incentivo à cultura estadual quanto pela federal, a Lei Rouanet. A submissão de projetos e a captação deverão ocorrer nos próximos meses.

Antes da assinatura, às 12h30, haverá um ato de abraço em volta da SUCV (Sociedade União dos Caixeiros Viajantes), que integra as atividades do movimento o Rio Grande abraça o patrimônio cultural, organizado pelo Conselho Estadual de Cultura (CEC). No texto do evento no Facebook, o conselho diz estar “preocupado com o estado de abandono que vem ameaçando a preservação do patrimônio cultural no Estado do RS”.  Trata-se de “uma ação em rede, para denunciar o abandono e alertar autoridades, comunidades e proprietários sobre a importância da preservação do patrimônio para nossa memória e para a Cultura”. O abraço ocorrerá simultaneamente em diversas cidades gaúchas.

Foto de Neli Mombelli


Produção do documentário no distrito do Passo do Verde amplia a visão sobre a localidade


O mês de maio foi muito movimentado. Além do nosso aniversário, de exibições em escolas, de debates na Feira do
Livro e lançamento do livro Cronicaria, nos dedicamos à produção de mais um documentário: sobre o distrito de Passo do Verde.

Se aventurar por Passo do Verde foi um desafio para Alan Orlando e Helena Moura, pois é a primeira grande produção na posição de diretores, além de ser uma grande responsabilidade. Essa é a equipe mais jovem a fazer um documentário da série dos distritos do projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade.

A motivação e o envolvimento tem dado um toque especial ao trabalho coletivo de pensar e discutir as sugestões de cada membro da equipe. Antes do início das gravações, a equipe fez a pré-produção, etapa onde os responsáveis
foram até o distrito conversar com os moradores para conhecer mais sobre o lugar e buscar os personagens. Com esse primeiro olhar sobre a história de Passo do Verde, as diárias de gravação são marcadas.

Desde a primeira gravação, em fevereiro, na procissão de Nossa Senhora dos Navegantes, algumas ideias mudaram e outras se expandiram. Embora Passo do Verde seja mais conhecido pelo balneário e pela extração de areia, há muitas outras localidades e histórias para serem exploradas, como destaca o diretor Alan Orlando: “A pesquisa sobre o distrito e as conversas com os moradores nos fizeram enxergar muitas coisas que não podemos deixar de lado, descobrimos um outro distrito através da busca e fala das pessoas.”

Ao conhecer mais sobre o distrito, ficou definido que a produção seria a partir de um olhar voltado para a observação, como destaca Alan: “Pensamos em um documentário onde não será utilizada narração, tudo é dito pelos moradores do distrito. Vamos deixar os personagens livres para contarem suas histórias e do local onde vivem.”

Para além dos depoimentos, as imagens, também em tom mais observativo, ajudarão a compor a narrativa e o registro da paisagem do distrito. Este é o penúltimo documentário da série que iniciou a incursão pelo interior de Santa Maria em 2014. No segundo semestre produziremos o último, sobre o distrito de Pains. O projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Por Fernanda Marques

Os netos de Dona Raquel, que mudou-se para o balneário de Passo Verde em busca de tranquilidade, moram com a avó e frequentam a escola do distrito. Foto de Francine Nunes.


Exibições de documentários em Palma e Santa Flora: enxergar-se pelo olhar do outro


Em 2017, a TV OVO realizou produções de documentários que contam a história dos distritos de Palma e de Santa Flora, e agora chegou o momento de apresentar os filmes em suas respectivas comunidades. As exibições permitem que as comunidades conheçam o trabalho que contou com a colaboração delas para ser realizado como também é uma possibilidade de enxergar-se pelo olhar do outro.

A exibição em Palma será hoje, 23/05, quarta-feira, às 19h,  no salão da Capela de Santa Terezinha. Já em Santa Flora, será no dia 28/05, segunda-feira, às 18h30, no salão da capela de Santa Flora.

O filme sobre Palma traz quinze entrevistas concedidas pelos moradores da comunidade, que relatam histórias de infância na região, a construção da Escola Major Tancredo Penna de Moraes, a imigração italiana e algumas lendas. Já o documentário sobre o distrito de Santa Flora, a antiga colônia Vacacaí, mostra a luta e a esperança de seu povo em manter viva a sua história. Ambos os documentários fazem parte do projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade, que conta histórias de lugares e pessoas de Santa Maria, e tem financiamento pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC/SM).

Sinopses

Palma
Uma equipe em busca de histórias. Uma comunidade e a construção de um distrito. Palma, o 8º distrito de Santa Maria, é um dos últimos a ser criado, porém, sua história remonta aos tempos antigos: dos imigrantes italianos, das grandes fazendas, dos escravos, e, antes desses, dos indígenas. São histórias de outras épocas que, às margens da RSC-287, dão forma aos tempos atuais, visíveis na sua gente, nos costumes, nas crenças, nas memórias e na esperança que alimenta o futuro.

Santa Flora
Marcada pela antiga e esquecida presença indígena, pelas sesmarias que garantiram a posse do Brasil Colônia à Portugal na disputa do território com a Espanha e pela recolonização italiana, a antiga Colônia Vacacaí, hoje distrito de Santa Flora, é a principal economia rural do município de Santa Maria. Nem o forte tripé soja-arroz-gado garante um acesso digno de seus moradores ao principal centro urbano do estado do Rio Grande do Sul. O documentário Santa Flora traz, na voz de seus habitantes, a luta, a obstinação e a esperança de manter viva a história do lugar e de seu povo.

Por Larissa Essi

 

Histórias são ouvidas no distrito de Palma.


Para ler e refletir: Cronicaria é uma obra de Santa Maria para e sobre o mundo


“[…] Foi então que resolvi ser eu mesmo, e aí a crônica foi cabendo em mim e ficando mais confortável como um sapato novo que me causou bolhas e calos nos primeiros dias, mas que foi laceando com o uso, moldando-se ao formato do meu pé. […] Foi o poeta João Cabral de Mello Neto que fez a reflexão mais importante sobre o ato de escrever. Ele disse que um escritor escreve por dois motivos: ou por “excesso de ser”, como fazem os escritores prolixos e transbordantes, ou por “falta de ser”. E que ele, João Cabral, fazia parte desse último grupo: “eu sinto que me falta alguma coisa. Então, escrever é uma maneira que eu tenho de me completar. Sou como aquele sujeito que não tem perna e usa uma perna de pau, uma muleta. A poesia preenche o vazio existencial.””

Este trecho de Marcello Canellas, na crônica Para que um cronista escreve?, do livro recém lançado Cronicaria, traduz o sentimento de um, ou de vários escritores, inclusive o da jovem Manuela Fantinel. Apaixonada pela escrita e pela literatura, Manu que está prestes a se formar em Jornalismo, deu vida às páginas do Cronicaria junto de Marcelo, com organização da também jornalista Neli Mombelli. Tudo começou com um projeto do Sobrado Centro Cultural e da TV OVO – o sonho de publicar uma obra impressa recheada de crônicas que provocassem sentimentos, reflexão e identificação aos santa-marienses e ao mundo, a partir de olhares nativos daqui.

O sonho ganhou forma a partir de uma campanha de financiamento coletivo que circulou pelas redes, e engajou 126 pessoas das mais variadas: ilustradores, leitores assíduos, fotógrafos, jornalistas, publicitários, amigos, admiradores, familiares da Manu, fãs do Marcelo, professores e estudantes. Na plataforma online, toda quarta e todo sábado era dia de crônica, nas quartas Manuela escrevia sobre amor, sobre dor, sobre feminismo, emocionava e encantava; no sábado, Marcelo recordava o passado, trazia poesia aos fatos cotidianos, envolvia quem passasse os olhos pelo texto. Qualquer pessoa poderia passar uns minutos por ali, viajando entre as narrativas, as lembranças, e as aspirações dos nossos cronistas.

A partir de todo carinho, confiança e trabalho dos muitos parceiros, o Cronicaria nasceu em versão impressa, com lançamento na Feira do Livro de Santa Maria no início do mês de maio. A sessão de autógrafos lotou e, em um mês, foram vendidos quase 200 exemplares, além dos 800 que estão sendo distribuídos gratuitamente nas escolas públicas municipais de Santa Maria. O Cronicaria, inclusive, figurou entre os cinco livros mais vendidos da Feira.

Os pais de Manuela, Marlova e Giovani Fantinel, compartilharam a sensação de felicidade por mais uma conquista da filha no dia do lançamento: “Estamos muito felizes, muito orgulhosos. A Manu está fazendo aquilo que ela gosta, aquilo que ela ama, então ela se realizando, eu e a mãe dela nos realizamos juntos. E temos certeza que é o primeiro livro de muitos outros, porque ela gosta de escrever e faz isso com o coração, além de que ela tem as competências para fazer, a escrita faz parte dela, é um talento”, relata o pai de Manu. A mãe Marlova ainda acrescenta: “ela escreve muito o que ela sente, a opinião dela, é ela nos textos, quem conhece sabe que é a escrita da Manu. Ela sempre gostou de escrever e sempre escreveu. Eu só desejo sorte para que continue e não desista. Sempre digo para ela que sonhar é livre, tem que sonhar, mas também tem que buscar, se esforçar e acho que isso ela tem feito”.

Mas os dois escritores não são só inspiração para Marlova e Giovani. Luiza Rorato, estudante de Jornalismo de 21 anos, se espelha em Marcelo e conta que não perdia a leitura de nenhuma crônica quando eram publicadas na internet. “Eu acompanhava as crônicas todos os dias que elas saiam, tanto da Manu como do Marcelo, e eu era apaixonada lendo, nas quartas e no sábado. O meu foco no trabalho final de graduação vai ser pesquisar sobre o Marcelo Canellas, a partir de algumas produções dele, eu o adoro, tanto como pessoa quanto como jornalista. O trabalho dele é uma coisa que eu amo, eu me identifico porque a narrativa do Marcelo me toca e ele é muito presente em Santa Maria. Ele é muito santa-mariense, isso faz eu me sentir representada. Já a Manu eu vejo que ela é mais um jeito “mundo nas nuvens”, tem um estilo mais puxado para o literário, enquanto o Marcelo é mais voltado para a veracidade, para os fatos do dia a dia”.

Não importa o estilo de escrita, a linguagem ou as formas de construção das ideias, o que impressiona e diferencia é o sentimento que existe em meio as vírgulas, parágrafos e reticências. As páginas do Cronicaria são puro sentimento. Orlando Fonseca, professor de Letras e escritor, afirma que para ser um escritor é preciso ser verdadeiro consigo mesmo e a Manu nos conta que o ato escrever é uma troca, “espero que não me faltem histórias inspiradoras nesta vida. Seguirei escrevendo, como eu sempre fiz. Se eu tiver a sorte de contar com alguns leitores, melhor ainda, melhor que escrever é escrever e ser lida. A troca é o que deixa a vida completa”. Orlando Fonseca ressalta que, hoje em dia, para se colocar no mercado editorial é muito difícil, então se tu tens um “padrinho” como o Marcelo podes alçar grandes voos. Para ele, o texto vai ter facilidade de circular, se claro, tiveres uma escrita de qualidade.

Assim como o nome Cronicaria foi uma junção de palavras, uma mistura de: cotidiano, crônicas e Santa Maria, o gênero textual crônica também se faz a partir de uma fusão de estilos. Orlando explica que a crônica não tem especificidades, que ela importa técnicas e atitudes de escritores de outras categorias. “A crônica nasce junto com o jornal e com isso tem muito da cotidianidade de quem busca os fatos mas logo também se distancia do jornalismo porque o jornalista busca a veracidade dos fatos ou pelo menos a historicidade do fato, enquanto, o cronista vai buscar no mesmo fato, no mesmo cotidiano, o que foge da realidade, aquilo que é fantasioso, o que é possível produzir uma reflexão lírica. Uma dimensão poética para o cotidiano, o que o jornalista evidentemente não costuma fazer”, explica o professor. Assim, o Cronicaria é a brecha para dois jornalistas suspirarem nos intervalos do texto jornalístico. Segundo Orlando, a crônica é um gênero típico brasileiro, e que não olha o aspecto trágico da existência, mas direciona o olhar às possibilidades do pitoresco e do fantasioso, ainda que trate de fatos contundentes.

Em meio as 95 páginas do livro e 31 crônicas, o Cronicaria, na visão daqueles que o criaram é mais que um livro, é um sonho já realizado de pessoas que acreditam que é preciso olhar as delicadezas do mundo e refletir sobre as indelicadezas da sociedade. Renan Mattos, Marcos Borba, Neli Mombelli, Alexsandro Pedrollo, Elias Monteiro, Denise Copetti, Paulo Tavares, Isabela Grotto, Maria Luiza Milbradt colaboraram de diferentes formas com a proposta e idealização, com “fotocrônicas”, ilustrações sensíveis, texto de apresentação, projeto gráfico, coordenação editorial, web design entre outras funções que então se transformaram em uma obra de 1200 exemplares.

Pessoas de diferentes idades mostraram-se interessadas nas histórias do livro. Luisa, Victor, Maria Luiza e Dion estavam na fila de autógrafos com o livro nas mãos e muitas expectativas em mente. Victor Thiago Reis, de 28 anos, estudante de Arquitetura e Urbanismo adiantou-se e comprou o livro antes do lançamento para garantir a leitura. “Eu comprei o Cronicaria porque conheço a Manuela desde sempre, porque eu curto Jornalismo e porque eu gosto de ler crônicas.  Estou aqui pelo carinho, para prestigiar ela, porque daqui um tempo ela vai longe”. Victor já iniciou a leitura e espera encontrar mais tempo durante a rotina universitária para ficar na companhia do Cronicaria. Já Luiza Mezomo, de 15 anos, estudante e prima da Manu, adquiriu o livro poucos minutos antes de entrar na fila e disse estar ansiosa para ler. “Estou nessa fila agora porque a Manu escreve textos muito bons sobre as coisas que acontecem no nosso dia a dia. Ela consegue expressar o que a gente sente pelas palavras e de uma forma que ajuda as outras pessoas”. A designer gráfica Maria Luiza Milbradt, de 23 anos, que criou a marca do livro e também estava na fila de autógrafos, ressalta a importância de trazer dois autores diferentes em um mesmo livro: “Eu gosto muito do texto do Canellas, e com a escrita da Manu rola bastante identificação por ela ser jovem. Eu não conhecia o texto da Manu, mas por meio do projeto Cronicaria eu conheci e adorei a visão dos textos dela. Eles trazem questões para se pensar sobre a cidade. É legal esse contraponto do mais velho com o mais jovem, de um cara que está fora da cidade, que mora em Brasília, mas que também é de Santa Maria, e da Manu, que vivencia aqui, que está direto aqui”.

Dion Nunes, professor de inglês de 31 anos, ali mesmo na fila já começou sua leitura e demostrou interesse para além da narrativa escrita. Ele ressaltou a beleza das fotografias presentes no livro. “Há muitos anos conheço o trabalho do Marcelo e eu também gostei bastante das fotos que eu estou vendo aqui, inclusive um desses prédios da fotografia foi o primeiro que eu morei em Santa Maria. Essa janela aqui era do meu quarto, então meu quarto está eternizado no livro, já consegui encontrar identificação fora do texto”, comenta Dion apontando uma das imagens do livro.

O Cronicaria foi bem recebido por todos na Praça Saldanha Marinho, nas bancas de livros e no coração de quem o tinha nas mãos. Manu relata que o momento do lançamento foi muito especial. “Eu me senti sendo reconhecida por fazer algo que eu amo e acredito. Estive cercada de pessoas que generosamente torcem por mim e que a admiração é recíproca. Existe sensação melhor que essa? Foi emocionante ver um projeto realizado com tanto amor, sendo amado”. Um livro que nasceu por várias mãos, vários olhares e busca estar na estante de várias pessoas. São “doses homeopáticas de reflexões narrativas cotidianas”, como descreve o título do texto de apresentação do livro. E é complementado por Manu: “As crônicas são leves, mas não são bobas – são reflexões inteligentes e necessárias sobre a vida. É o nosso olhar – crítico, mas generoso – sobre o que já é notícia, sobre o que deveria ser notícia e sobre os detalhes do cotidiano que as câmeras não alcançam. O Cronicaria é para treinar o nosso olhar para o outro”. Quem tiver interesse em adquirir a obra, ela está disponível na Cesma, na Livraria Athena e na loja online da TV OVO.

Por Tayná Lopes

Manuela e Marcelo na sessão de autógrafos do Cronicaria na Feira do Livro de Santa Maria. Foto de Jaiana Garcia