Notícias

Somos patrimônio tombado, somos patrimônio histórico e cultural de Santa Maria


Transformar o sobrado da TV OVO em um espaço cultural estruturado, símbolo histórico para a cidade e referência de produção audiovisual comunitária não é um sonho de hoje. Sonhamos com o Sobrado Centro Cultural há um bom tempo. O caminho para a realização vem sendo trilhado dia após dia, são pequenas ações, conversas, reuniões, troca de ideias e muita luta. Nossa primeira batalha foi concluída: desde o dia 30 de agosto de 2018 o sobrado é patrimônio histórico cultural de Santa Maria tombado por decreto executivo.

No dia 6 de julho, o poder executivo da cidade assinou o decreto provisório do tombamento do sobrado e, em fins de agosto, conseguimos o tombamento definitivo, após um ano de tramitação do processo. O tombamento valida e reconhece a importância do casarão que data de 1916, cuja volumetria, fachadas norte, leste e sul devem ser preservadas, que representam o estilo arquitetônico eclético, bem como adornos e recuperação de aberturas,  e a fachada do galpão anexo, de 1940, em estilo art déco, conforme recomendações do  Conselho Municipal de Patrimônio Histórico e Cultural de Santa Maria Comphic/SM.

Ter a assinatura do decreto aproxima de fato o sonho de restaurar o sobrado e transformá-lo no Sobrado Centro Cultural. Toda a equipe da TV OVO junto com Marcelo Canellas, Tita Pereira e Daniel Pereyron (representantes de um grupo de arquitetos), Lucas Just e Guilherme Angonese (equipe de engenheiros) trabalha para  fechar os últimos detalhes do projeto a ser submetido nas leis de incentivo à cultura do Estado e do governo federal (Lei Rouanet).

Memória e patrimônio são palavras um tanto quanto esquecidas nos dias de hoje. A valorização de espaços históricos e culturais cada vez mais é deixada de lado, ultimamente temos visto exemplos claros da situação, como o incêndio do Museu Nacional do Rio de Janeiro, e, por outro lado, segue a luta daqueles que entendem a importância desses elementos como constituidores do nosso futuro, como o Movimento em Defesa do Patrimônio de Santa Maria. Não há investimentos em espaços históricos e culturais por parte do poder público, como também há uma dificuldade de cuidado e apoio de segmentos da sociedade para o que já é parte de nós, do cenário em que vivemos, da nossa história.

Continuamos, sonhamos e lutamos pelas pequenas e grandes causas.

Por Tayná Lopes

Há 102 anos o sobrado da esquina Floriano Peixoto com Ernesto Becker compõe a história de Santa Maria. Foto de Neli Mombelli.


Sábado terá ato público em defesa do patrimônio cultural na Saldanha Marinho


Foi criado, hoje,  o coletivo de defesa do patrimônio cultural de Santa Maria. No próximo sábado,  04/08, haverá um ato público artístico às 10 horas da manhã na Praça Saldanha Marinho.

O coletivo é formado por diversas entidades como o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-RS), Conselho de Arquitetura e Urbanismo, Conselho Municipal de Patrimônio Histórico e Cultural (Comphic), Conselho de Políticas Culturais, União das Associações Comunitárias (UAC) e Associação da Vila Belga, além de integrar artistas, produtores culturais e pessoas de diversas áreas que defendem o patrimônio da cidade.

O movimento deve-se em função das alterações do Plano Diretor aprovado recentemente na Câmara de Vereadores que expõe as construções históricas e culturais da cidade à especulação imobiliária. Embora o prefeito Jorge Pozzobon tenha assinado um decreto de tombamento provisório que protege 135 prédios da cidade, o documento não dá garantias de que isso irá ocorrer.

Abaixo segue o manifesto na íntegra.

COLETIVO EM DEFESA DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL DE SANTA MARIA

SANTA MARIA, PATRIMÔNIO ART DÈCO DO BRASIL

Manifesto em defesa de um tesouro arquitetônico ameaçado

Preocupados com os riscos que corre o significativo acervo arquitetônico de nosso centro histórico, vimos a público anunciar nosso repúdio aos encaminhamentos que decorrem das mudanças no Plano Diretor da cidade. Ao mesmo tempo, tornamos manifesta nossa intenção de defender a proteção dos valores culturais de Santa Maria. ​

Uma cidade não se desenvolve apenas pela expansão em termos econômicos, pela abertura de novas ruas, implantação de novos empreendimentos, construção de novos prédios. Também vai-se tornando grande e promissora, pelo permanente progresso cultural de sua gente. Se os índices materiais dão a feição da cidade, a cultura é a sua alma. Não é eliminando os vestígios do passado que vamos dar uma cara nova a Santa Maria, simplesmente estaremos eliminando de sua essência o que a torna viva: a memória da construção de sua identidade.

Para que se possa ter efetividade na condução de políticas públicas, é preciso estimular nos santa-marienses a sua autoestima cidadã. Para cuidar da cidade, ajudar a manter sua beleza e fazê-la crescer, é preciso fomentar a ideia de pertencimento, de amor por este lugar de convívio. Amar implica conhecer: as pessoas não esquecem o que amam, e só amam de verdade o que conhecem.

Embora o efeito deletério das mudanças do Plano Diretor sobre o patrimônio arquitetônico do Centro Histórico de nossa cidade tenha sido amenizado pelo decreto do Prefeito Municipal, não há segurança de sua efetiva proteção. Diante da real possibilidade de que sejam postos abaixo não apenas o maior acervo arquitetônico em Art Déco, em via contínua, na América Latina, mas também inúmeros outros monumentos da história desta cidade, erguemos nossa voz, impregnada do afeto que temos por Santa Maria. Para tornar efetiva e consequente esta luta que começa aqui, hoje, propomos como eixos de ação:

1) Todo apoio ao Comphic.

2) Pela defesa da lista provisória dos 135 imóveis tombados.

3) Por um inventário técnico sobre o valor histórico-arquitetônico dos imóveis antigos da cidade com a possibilidade de ampliação da lista.

4) Pela imediata discussão ampla e democrática de uma nova lei municipal de proteção ao patrimônio histórico, arquitetônico e cultural

5) Pela criação de mecanismos de venda de potencial construtivo para que os proprietários sejam amparados pela prefeitura e tenham recursos para restaurar seus imóveis.

Apelamos para a consciência das autoridades para que não se deixem levar pelas urgências do presente. Convidamos a todos os santa-marienses para que se juntem a nós nessa luta em favor da nossa memória e a garantia de nossa identidade no futuro. Hoje construímos história, e a história que construímos coletivamente deve ter solidez, para não ser posta abaixo amanhã pela insensatez ou pela ganância de interesses particulares. Somos todos Santa Maria, hoje e sempre.

Sequência de Art Dèco na Avenida Rio Branco. Fotografia de Marcelo Canellas.


Decreto de tombamento do sobrado da TV OVO será assinado nesta sexta, 06/07


O decreto de tombamento do sobrado, sede da TV OVO, que fica na esquina da Rua Ernesto Becker com Floriano Peixoto, será assinado nesta sexta-feira, 06/07, às 11h30. A assinatura estava prevista para o último dia 28, mas foi transferida em função do falecimento de Seu Zacheu Canellas, pai de Marcelo Canellas, que foi quem doou o imóvel para a TV OVO e que defende a história e a memória da cidade. O ato será realizado no próprio imóvel, ond efica a sede da TV OVO (Rua Floriano Peixoto, 267). O documento resguarda o casarão como patrimônio histórico e cultural de Santa Maria. Além do sobrado, cuja construção data de 1916, também será tombada a fachada do galpão anexo, que é de 1940.

A fachada principal do casarão, que fica na Rua Floriano Peixoto, é de aparência eclética, possui um frontão triangular, relevos na fachada, medalhões e platibanda, ressaltando-se o frontão triangular do Neoclássico. Apesar da degradação, ainda é possível perceber a solidez construtiva e a elegância do imóvel. Já o galpão, com acesso pela rua Ernesto Becker, onde hoje está situada a sede da TV OVO, é uma construção mais recente, com a fachada em Art Déco, e faz referência a outro período histórico santa-mariense.

O tombamento justifica-se pelo legado cultural, arquitetônico, histórico e social que o sobrado e a fachada do galpão representam para Santa Maria. O tombamento trará consequências positivas para a cidade na medida em que amplia as possibilidades de captação de recursos para o restauro do imóvel, tanto pela lei de incentivo à cultura estadual quanto pela federal, a Lei Rouanet. A submissão de projetos e a captação deverão ocorrer nos próximos meses.

 

A autoria do desenho é desconhecida. Encontramos-o preso em uma das janelas do sobrado faz um tempo. Por entendermos como uma arte de rua, deixamos ele lá. E assim como apareceu, ele também desapareceu no dia seguinte.


Decreto tombará o sobrado da TV OVO como patrimônio histórico santa-mariense


Amanhã, 28/06, será assinado o decreto de tombamento do sobrado, sede da TV OVO, que fica na esquina da Rua Ernesto Becker com Floriano Peixoto, como patrimônio histórico e cultural de Santa Maria. A assinatura será às 12h45min no gabinete do prefeito municipal (Rua Venâncio Aires, 277, 7º andar). Além do sobrado, cuja construção data de 1916, também será tombada a fachada do galpão anexo, que é de 1940.

A fachada principal do casarão, que fica na Rua Floriano Peixoto, é de aparência eclética, possui um frontão triangular, relevos na fachada, medalhões e platibanda, ressaltando-se o frontão triangular do Neoclássico. Apesar da degradação, ainda é possível perceber a solidez construtiva e a elegância do imóvel. Já o galpão, com acesso pela rua Ernesto Becker, onde hoje está situada a sede da TV OVO, é uma construção mais recente, com a fachada em Art Déco, e faz referência a outro período histórico santa-mariense.

O tombamento justifica-se pelo legado cultural, arquitetônico, histórico e social que o sobrado e a fachada do galpão representam para Santa Maria. O tombamento trará consequências positivas para a cidade na medida em que amplia as possibilidades de captação de recursos para o restauro do imóvel, tanto pela lei de incentivo à cultura estadual quanto pela federal, a Lei Rouanet. A submissão de projetos e a captação deverão ocorrer nos próximos meses.

Antes da assinatura, às 12h30, haverá um ato de abraço em volta da SUCV (Sociedade União dos Caixeiros Viajantes), que integra as atividades do movimento o Rio Grande abraça o patrimônio cultural, organizado pelo Conselho Estadual de Cultura (CEC). No texto do evento no Facebook, o conselho diz estar “preocupado com o estado de abandono que vem ameaçando a preservação do patrimônio cultural no Estado do RS”.  Trata-se de “uma ação em rede, para denunciar o abandono e alertar autoridades, comunidades e proprietários sobre a importância da preservação do patrimônio para nossa memória e para a Cultura”. O abraço ocorrerá simultaneamente em diversas cidades gaúchas.

Foto de Neli Mombelli


Programa Cena Cultural terá exibições na TV Câmara


Neste sábado (26), os episódios dos programas Cena Cultural, produzidos pela TV OVO, vão começar a ser transmitidos na programação da TV Câmara de Santa Maria, no canal 16 da NET. O projeto tem como intuito valorizar as manifestações culturais da cidade e reconhecer a importância da organização dos diferentes agentes culturais do município, de forma a contribuir significativamente para preservar a memória histórica, cultural e patrimonial de Santa Maria.

São dez programas que abordam os segmentos culturais definidos pelo Plano Municipal de Cultura, que serão transmitidos na seguinte ordem: Audiovisual, Cinema e Vídeo; Culturas Populares; Livro e Literatura; Teatro e Circo; Tradição e Folclore; Artesanato; Música; Artes Visuais; Dança; Patrimônio Histórico Artístico e Cultural. Cada episódio traz uma entrevista com um integrante do segmento para expandir a discussão da área.

Em junho, no dia 5, às 20h, vai ter exibição dos episódios do Cena Cultural na Escola Municipal de Artes Eduardo Trevisan (EMAET). O projeto Cena Cultural têm financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC/SM).


Confira a programação na TV Câmara:
Programas inéditos –  Sábados, às 20h
Programas reprises – Domingo, às 20h; terças de noite, após a sessão plenária; quartas, às 11h30min
Sinopses dos episódios por ordem das exibições:


Audiovisual, Cinema e Vídeo

O sonho, a paixão, a dedicação e a batalha dos realizadores audiovisuais santa-marienses para fazer da cidade um polo audiovisual.
Culturas Populares
O viés de coletivos santa-marienses que mostra as expressões populares da cidade em atividades artísticas, educativas, culturais e sociais.
Livro e Literatura
O vídeo destaca a importância da Feira do Livro e conta com a presença de escritores que representam o cenário literário santa-mariense.
Teatro e Circo
A arte da representação acompanha Santa Maria desde que o primeiro apito do trem ecoou nos morros de seus arredores e hoje ela se reinventa em diversos grupos e atores teatrais da cidade.
Tradição e Folclore
Os costumes, os legados e as histórias que perduram entre as gerações. O episódio sobre tradição e folclore aborda a diversidade étnica e cultural em Santa Maria, onde os grupos seguem cultivando as suas raízes para manter viva a essência da cidade.
Artesanato
Seis personagens, que fazem do artesanato local parte importante de suas vidas, contam as diferentes relações que estabelecem com sua produção.
Música
A diversidade de sons e músicos compõe o cenário multifacetado da música em Santa Maria. Entre praças, escolas e ruas podemos ouvir algumas das expressões musicais características da cidade.
Artes Visuais
O processo de descoberta artística dentro da academia, a criatividade e expressão dos quadrinhos, a fotografia como forma de registro e a arte pulsante nas ruas. Esses são alguns pontos que foram abordados no episódio sobre artes visuais em Santa Maria.
Dança
O corpo em transformação, a elegância dos movimentos como uma forma de expressão e de contar uma história. O episódio de dança fala sobre os diferentes grupos e coletivos em Santa Maria que se unem nos ritmos e coreografias.
Patrimônio Histórico Artístico e Cultural
Santa Maria tem a sua história contada e guardada através dos prédios, dos documentos e de elementos culturais. O episódio nos leva a pensar sobre a memória e o patrimônio histórico, artístico e cultural da nossa cidade.

 

Por Pedro Piegas e Heitor Leal

CENA na camara


A construção do Sobrado Centro Cultural


“Quando Evandro Ribeiro mandou fazer esse casarão em 1916, exatos 100 anos, ele não sabia que estava ajudando a dar rosto, a dar fisionomia ao momento urbano da nossa cidade, ele não sabia que estava ajudando a imprimir a digital da nossa identidade e do nosso passado ferroviário. Em 1996, precisamente no dia 12 de maio, portanto há exatos 20 anos, quando Paulo Tavares reuniu um grupo de garotos lá na Vila Caramelo, ele provavelmente não sabia a extraordinária aventura que ele estava começando para retirar jovens da periferia do desalento e do desamparo e oferecendo caminhos e possibilidades para eles. Quando eu comprei essa casa aqui, eu só queria salvar um casarão da ruína. Eu não sabia que seria o ponto de conexão dessas duas histórias tão fabulosas.”

Foi com essas palavras que, em 12 de maio de 2016, o jornalista Marcelo Canellas fez da casa do poeta Evandro Ribeiro a casa oficial da TV OVO, nosso viveiro de sonhos, segundo Paulo Tavares.

Em solenidade, com a presença de  amigos, diversos produtores culturais e autoridades do município, Marcelo Canellas assinou o documento que transfere a posse do sobrado, localizado na esquina da rua Floriano Peixoto com a Ernesto Becker, para a TV OVO, que ocupava o casarão desde de 2011, quando foi acertada a parceria entre Canellas e a instituição.

Com a transferência do casarão, a TV OVO ganhou um espaço que agora pode chamar de seu, mas que também é de todo santa-mariense. Estavam presentes aproximadamente 80 pessoas para a apresentação do projeto de Restauro do Sobrado Centro Cultural,coordenado pelos arquitetos Clarissa Pereira e Daniel Pereyron que contaram com a ajuda de colaboradores que se somaram durante o período de elaboração.

O projeto apresentado prevê dois espaços. Um deles é a restauração do casarão que abrigará o museu da imagem e do som, cineclube, biblioteca do audiovisual, café cultural e espaço para exposições. O outro ambiente será um prédio, aos fundos, com salas de aulas, estúdios de TV, cinema e áudio e espaço para apresentações teatrais.

“O Sobrado Centro Cultural pode ser um espaço de reflexão e crítica ao jornalismo que é feito pelos meios tradicionais, e de novos caminhos para uma profissão que está mudando quanto à gestão de negócios, à plataformas e modos de fazer”, foram as palavras finais da fala de Marcelo Canellas.

Até o final de julho, as equipes do escritório de arquitetura Smarqs e Simultânea Engenharia trabalham nos projetos estrutural e complementares para, após esta etapa, a TV OVO iniciar a captação de recursos em leis de incentivo. Além do direcionamento de recursos por meio de mecanismos de fomento, pessoas físicas e jurídicas também pode fazer doações diretas para construção do Sobrado Centro Cultural de fato.

Por Helena Moura, Laura Boessio e William Boessio

Fotografia de Julia Machado

Assinatura da escritura de doação do imóvel.

Assinatura da escritura de doação do imóvel.