Notícias

Narrativas em Movimento – edição 2021


A pandemia impôs transformações para todos. Para seguirmos com nossas atividades, que sempre foram presenciais e de muito contato, precisamos rever nossas metodologias e trazer novos formatos para continuar nos movimentando no audiovisual. Além disso, editais e leis de incentivo à cultura têm sido fundamentais para que possamos continuar produzindo. Entre os aprovados pela lei municipal está o Narrativas em Movimento, que já vai para a 6ª edição.

O Narrativas é um projeto pensado e elaborado para promover diálogo e formações no campo do audiovisual, buscando interface com diferentes áreas de conhecimento, envolvendo cultura, artes, comunicação, educação e, para este ano, meio ambiente. Desde 2016, realiza colóquios com entrada gratuita, trazendo nomes de referência no cenário nacional para compartilhar suas experiências e leituras sobre o mundo. Além dos colóquios, também são oferecidos workshops de formação, para fomentar de forma continuada a capacitação de profissionais e estudantes da região e, principalmente, a produção santa-mariense.

A edição de 2021,mcom valor total aprovado para captação de R$ 40 mil, prevê  um colóquio e três workshops em formato virtual, a princípio. O colóquio terá temática voltada para o audiovisual e questões socioambientais, por meio de live realizada no canal de YouTube da TV OVO e em nossa página do Facebook, permitindo interação com o público em tempo real e o debate com base em questionamentos dos participantes. O evento será gravado e posteriormente disponibilizado no canal de YouTube. Mesmo que de forma remota, devido às restrições impostas pelo momento em que vivemos, estamos confiantes quanto ao sucesso da ação, já que a última edição do projeto (2020) foi realizada de maneira virtual e observamos o potencial do projeto diante desta nova versão. A partir da tecnologia e da tendência das lives, é possível contatar e fechar a participação no evento de profissionais pertencentes a regiões muito distantes em nosso Brasil e atingir outros públicos além das fronteiras de Santa Maria. Assim levamos e difundimos o trabalho audiovisual da cidade a essas pessoas e vice-versa.

Já os workshops serão voltados para direção de fotografia em documentários, montagem cinematográfica e desenho de som. Os ministrantes são nomes de relevância profissional, que irão compartilhar das suas experiências. A troca deverá ser realizada por plataforma online também.

E, para completar a programação, temos previstas duas sessões de cinema em locais públicos, com a exibição de filmes brasileiros de grande circulação, mas que não chegam a entrar na programação das salas de cinema da cidade. Gerar este movimento de exibir filmes na rua é uma alternativa de formação de público, entretenimento e cultura de qualidade para a comunidade de Santa Maria, levando cinema gratuito e acessível. Ressaltamos aqui que as sessões só ocorrerão com a devida autorização dos órgãos cabíveis e de acordo com a cor da bandeira permitida na cidade. Esperamos que até o final do ano isso seja possível.

Santa Maria é um reconhecido polo de produção audiovisual, com uma história consolidada tanto na exibição e discussão, quanto na realização. Independentemente das identidades atribuídas para Santa Maria, como por exemplo, cidade cultura, cidade universitária ou cidade ferroviária, é indiscutível o lugar de destaque da produção cinematográfica e audiovisual. Desde o movimento super-oitista dos anos de 1970, passando pela tradição cineclubista com o Lanterninha Aurélio, Otelo Cineclube e outros, chegando nos contemporâneos Festivais Cinest e SMVC, dialogando com a produção acadêmica da UFSM, UFN e com os projetos nas escolas, com a Estação Cinema, produtoras, produtores e também com a TV OVO, a cidade tem na produção audiovisual uma forte marca.

Compartilhe esse texto com seus amigos aqui nas redes sociais, participe das nossas atividades ou, se você possui condições financeiras, nos apoie. Colabore para um mundo com mais oportunidades, com produção de conhecimento, arte e cultura!

Para contato: e-mail: tvovo@tvovo.org/ Facebook: TV OVO/ Instagram: @tvovosm

Confira o histórico completo do NEM:

Em 2016, o projeto realizou três colóquios que discutiram o cenário atual do audiovisual no Estado, o jornalismo na era da internet e as políticas culturais pelo viés do desentendimento. Além dos colóquios, oficinas de produção executiva, de storyboard para ficção e um grande show ao ar livre, na frente do Sobrado, completaram as atividades do projeto e marcaram os 20 anos da TV OVO. 

Em 2017, foram dois colóquios, um com aporte da LIC, e o outro em parceria com a Chilli Produções, Feira do Livro e com o patrono da Feira, Marcelo Canellas, realizados em maio, no Theatro Treze de Maio, lotando o espaço mais uma vez, para discutir audiovisual e jornalismo, além do lançamento de um documentário inédito no país – Resistência, de Eliza Capai. O outro, em parceria com o Fórum Arte, Cinema e Audiovisual, promovido pelo curso de Artes Visuais da UFSM, e em parceria com o curso de Jornalismo da UFN, abordou a produção audiovisual de séries e seriado, para TV e web. Nesta edição também foram realizados quatro workshops na área do audiovisual e uma oficina de produção audiovisual para alunos de escolas públicas.

Em 2018, um dos colóquios trouxe para debate a questão do documentário, direitos humanos e cidadania, lançando um filme inédito na cidade, premiado em diversos festivais, em sessão gratuita antes do debate – Pastor Claudio, de Beth Formagini; e o segundo abordou narrativas audiovisuais de resistência, trazendo a roteirista Inês Figueró, do filme Era o Hotel Cambridge, e o realizador audiovisual argentino, Axel Monsú, além dos workshops de produção audiovisual com tecnologia mobile e de direção de arte. 

Em 2019, trouxemos Guilherme Castro para o workshop de documentário, e Félix Reboledo, para o workshop de roteiro para curta-metragem de ficção. O primeiro colóquio do ano debateu Memória e Territórios no audiovisual com a presença do indigenista e idealizador do Vídeo nas Aldeias, Vincent Carelli, com exibição do filme Martírio, e o segundo abordou o tema Identidades no Audiovisual, com a documentarista, roteirista e diretora Marcia Paraiso, com exibição do filme Lua em Sagitário, ambos inéditos na cidade. 

Em sua edição mais recente, em 2020, o Narrativas em Movimento promoveu um debate sobre Audiovisual e Representatividade Negra, de maneira online devido às limitações impostas pela pandemia do novo Coronavírus, o que não diminuiu a qualidade e importância da discussão, da qual participaram o ator e cantor Flavio Bauraqui e a roteirista, diretora e produtora Mariani Ferreira, do coletivo Macumba Lab. O debate foi mediado pelo ator, diretor, professor e roteirista Gelton Quadros, em transmissão ao vivo pelas redes sociais da TV OVO. Além disso, o projeto também proporcionou a realização do workshop Dirigindo a imagem: expressão e técnica na cinematografia, ministrado pelo diretor de fotografia Pedro Rocha, em formato de videoconferência.

Por Tayná Lopes


Workshops, documentário e colóquio para 2021


 

Iniciamos 2021 com notícia boa! Os projetos Narrativas em Movimento e Por Onde Passa a Memória da Cidade, já conhecidos por muitos de vocês, terão mais uma edição neste ano. Os dois foram contemplados pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria, LIC/SM.

A captação de recursos está em processo e é realizada por meio da destinação de impostos que pode ser feita por pessoas físicas e jurídicas. Você pode doar 30% do seu IPTU, ITBI e ISSQN e transformá-los em cultura. É a partir da doação desses incentivadores que conseguimos colocar em prática nossos projetos e fazer parte do grupo que movimenta a cultura da cidade.

Saiba mais sobre os projetos aprovados

  • Narrativas em Movimento – 2021

Valor aprovado: R$ 40.000,00

O projeto completará sua sexta edição e para este ano planejamos a realização de um colóquio online, para discutir sobre o audiovisual e questões socioambientais, além de três workshops e duas sessões de cinema local. Os temas dos workshops serão: direção de fotografia em documentários, montagem cinematográfica e desenho de som. E nas sessões serão exibidos dois filmes brasileiros, que não chegam a entrar na programação das salas de cinema da cidade.

  • Por Onde Passa a Memória da Cidade – 2021

Valor aprovado: R$ 50.000,00

Para a 12º edição deste projeto, iremos realizar um documentário de curta-metragem chamado Tempos de Peste. O foco é a relação entre o presente e o passado, retratando a peste que assolou Santa Maria em 1910 e a pandemia do novo coronavírus vivida hoje.

 

Lívia Maria Teixeira de Oliveira


Apoie nossos projetos de 2020


Dezembro chega e com ele já iniciamos o planejamento para o ano novo que se aproxima. Com a aprovação de três projetos culturais para 2020, pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC/SM), estamos busca do teu apoio. Que tal transformar seu IPTU em cultura?

Como? É simples, fácil e não precisa gastar nada a mais com isso. Você pode doar até 30% do  IPTU (se pago em cota única), ITBI (aquisição de imóvel), ou ISSQN. A doação deve ser feita antes do pagamento dos impostos, pois assim geramos um novo boleto com o desconto dos 30% do valor destinado para nossas propostas.

Se quiser contribuir com a realização das nossas produções, nos contate. Você pode inserir seus dados nesta planilha que vamos entrar em contato, nos ligar ou enviar uma mensagem para o nosso WhatsApp (55 3026 3039).

 

Conheça os projetos aprovados para 2020

  • Por Onde Passa a Memória da Cidade – 2020

Valor aprovado: R$ 39.000,00

Para 2020 propomos retomar histórias da cultura popular. Serão 02 documentários de curta-metragem sobre saberes tradicionais que têm se extinguido com o tempo. Entre os objetivos está revisitar a memória da cidade por meio da história oral, ou seja, construir a história de Santa Maria através de seus moradores, valorizando distintas culturas e histórias de vida. O diferencial deste projeto está em registrar esses saberes e disponibilizá-los para o acesso de qualquer pessoa.

  • Olhares da Comunidade – 2020

Valor aprovado: R$ 33.000,00

Prevê oficinas de realização audiovisual para adolescentes estudantes do ensino fundamental de duas escolas públicas e uma escola indígena de Santa Maria. Além do ensino e da prática audiovisual, a proposta foca na difusão e formação de público para a produção e consumo de curtas santa-marienses por meio de exibições cineclubistas nas escolas onde as oficinas serão realizadas. O resultado das oficinas serão produtos audiovisuais, produzidos pelos próprios estudantes e que retrate a sua comunidade ou temas que dizem respeito ao universo dos participantes, a partir dos exercícios e atividades realizados durante as oficinas.

  • Narrativas em movimento – 2020

Valor aprovado: R$ 25.000,00

O projeto Narrativas em Movimento busca colaborar com os espaços de discussão e reflexão sobre o fazer audiovisual e sobre a sua importância enquanto produto cultural.  O projeto propõe debates, geração de conhecimento e formação a partir de um colóquio sobre audiovisual e representatividade negra e de dois workshops: direção de fotografia audiovisual e captação de som direto.

Por Lívia Maria, Tayná Lopes e Thaisy Finamor

 


Colóquio e sessão de cinema sobre direitos humanos e cidadania em março


O ano começa com todo o fôlego na TV OVO e, já no mês de março, retorna o colóquio Narrativas em Movimento. Com o tema Documentário, Direitos Humanos e Cidadania, o colóquio pretende expandir as ideias propostas anteriormente, unindo o audiovisual e um campo de discussão importante como o dos direitos humanos.

Para compartilhar conhecimentos, contaremos com a presença de César Guimarães, professor da Universidade Federal de Minas Gerais, doutor em Estudos Literários (Literatura Comparada) pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-doutor pela Universidade Paris 8. Guimarães tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Teorias da Imagem, atuando principalmente nos seguintes temas: cinema moderno (ficção e documentário) e experiência estética.

O colóquio contará também com a participação da cineasta e documentarista Beth Formaggini, que trabalhou com Eduardo Coutinho em produções renomadas como Edifício Master, documentário sobre um antigo e tradicional edifício situado em Copacabana, que em novembro de 2015 entrou na lista dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos, feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Entre as produções premiadas de Beth como diretora estão Xingu Cariri Caruaru Carioca, que recebeu o prêmio de melhor filme no Festival In-Edit Brasil, em 2016, Angeli 24 Horas, que venceu os prêmios de melhor documentário na Jornada da Bahia, em 2011, melhor direção de curta-metragem no Recine, em 2011, e o troféu HQ Mix, em 2012.

O colóquio Documentário, Direitos Humanos e Cidadania será no dia 16 de março de 2018, sexta-feira, na Cesma (Rua Professor Braga, nº 55,  centro), e terá a mediação do historiador e professor da UFSM, Gilvan Dockhorn. A lotação do espaço é de 200 pessoas. A pré-inscrição para para receber certificado deverá ser feita neste formulário.

Antes do colóquio, às 17h, também na Cesma, será exibido o documentário Pastor Cláudio, com direção de Beth Formaggini. A entrada é franca. O projeto Narrativas em Movimento, que está na sua terceira edição, tem o financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Por Valdemar Neto

Cartaz Narrativas Marçoface_2018


Produção audiovisual em série é tema de colóquio em novembro


Ao evidenciarmos o importante papel da Lei da TV Paga, que cria demanda de conteúdos audiovisuais independentes brasileiros, além do avanço de plataformas de streaming (dispositivos esses que abrem perspectivas para a produção descentralizada e para a comercialização de audiovisuais), notamos a importância de discutirmos a produção audiovisual voltada para séries tanto para internet quanto para televisão. Por isso, organizamos o Colóquio Produção audiovisual em série, que será realizado no dia 17 de novembro.

Para abordarmos o tema em questão, o Colóquio propõe um debate com  Ana Luiza Azevedo, diretora, roteirista, produtora executiva e integrante da Casa de Cinema de Porto Alegre, e com Leonardo Garcia, roteirista, produtor, sócio da Coelho Voador e um dos idealizadores do Frapa (Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre). O colóquio, realizado em parceria com o curso de Jornalismo da Unifra, será na sexta-feira, 17 de novembro, às 19h, no Salão de Atos de Conjunto I da Unifra, Prédio I (4° andar), entrada pela Rua dos Andradas, 1614.  A entrada é gratuita e a pré-inscrição (para a emissão de certificado) pode ser realizado até o dia 16/11, neste formulário.

Além do colóquio, também teremos um workshop de Criação de webséries com Leonardo Garcia, nos dias 17 e 18 de novembro (sexta e sábado), das 9h30 às 12h e das 14h às 17h30, na nossa sede.  A atividade abordará gêneros e formatos, construção de personagens, conflitos, tom e ritmo para propostas seriadas.

Para quem se interessa pelo tema e quer aprender ou aprofundar seus conhecimentos, pode fazer sua inscrição até o dia 16/11 neste link. O pagamento da taxa, R$ 60,00 (R$ 30,00 meia) deve ser feito na sede da TV OVO, rua Floriano Peixoto, 267, das 14h30min às 18h ou com um de nossos integrantes. A vaga será confirmada mediante o pagamento até dia 16 de novembro.

O colóquio e o workshop integram o projeto Narrativas em Movimento, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

 

Resumo da programação

Sexta-feira,17/11- 19h

Colóquio Produção audiovisual em série

Debate com Leo Garcia e  Ana Luiza Azevedo

Salão de Atos de Conjunto I da Unifra, Prédio I (4° andar) – Rua dos Andradas, 1614.

Entrada Gratuita.

 

Sexta-feira (17/11) e sábado (18/11)

Workshop Criação de webséries

Com Leonardo Garcia (30 vagas)

Das 9h às 12h e das 14h às 17h

Sobrado Centro Cultural, Rua Floriano Peixoto, 267.

Quanto: R$ 60,00 (inteira). R$ 30,00 – meia (estudantes, idosos, pessoas com deficiência e jovens de 15 a 29 anos carentes – mediante apresentação de documento comprobatório).

 

Conteúdo Programático:

Afinal o que é uma websérie? Onde vive? Do que se alimenta?

– Introdução

– Formatos

– Gêneros

– Como construir uma ideia. Fundamentos básicos. Criando o Mundo da história.

– Exercício

Personagens: a alma do negócio

– Construção de Personagens. Caracterização. Arquétipos. Conflitos. Motivações. Antagonismo.

– Premissa – Storyline. Plot. Sinopse Geral.

– Estrutura – Duração. Conflito. Tramas e Subtramas.

– Tom e ritmo – As diferentes possibilidades e variantes a serem adotadas.

Por Camila Lourenci

cartaz

 


Ferramentas tecnológicas para um novo jornalismo


No último dia oito de maio, o Theatro Treze de Maio recebeu o primeiro debate deste ano em comemoração aos 21 anos da TV OVO, o Colóquio Novas Formas de Fazer Jornalismo que apontou a pluralidade das maneiras de se fazer jornalismo atualmente, além das transformações mais evidentes na profissão.

 
Como midiativista, Claudia Schulz, da Mídia Ninja, enfatizou o pensamento de que o coletivo não se enquadra no conceito de mídia alternativa nem mídia de massa, mas sim se posicionam como “massas de mídia” – que seriam as pessoas atuando como a mídia – pois trabalham coletivamente, e não necessariamente de forma jornalística, dando visibilidade às lutas que os grandes veículos normalmente ignoram, o nomeado “Brasil Profundo”. Alem de dar voz às minorias, o coletivo mesmo abertamente com posições de esquerda, visa o equilíbrio das coberturas.

 
Além de falar um pouco sobre o mercado editorial, Sergio Lüdtke, jornalista fundador da Interatores que é especializada em mídias digitais, comentou sobre a desinformação gerada pelas notícias falsas que circulam nas redes sociais e como a chegada das empresas de fact checking no Brasil podem ajudar a controlar esse problema, apesar das barreiras de privacidade impostas pelas grandes corporações como o Facebook ou o Whatsapp. Com foco nas redações, Lüdtke enfatizou a maneira como o jornalismo muda suas exigências, mas nas bases se mantêm a mesma, deixando clara a forma como os jornalistas são avessos a testes.

 
Com a experiência de uma grande emissora, como a Rede Globo, Caio Cavechini, que também integra a Ong Repórter Brasil, compartilha da necessidade de se fazer um jornalismo com equidade e transformador para a população, e demonstrou, a partir das suas produções, como a inserção do jornalista no meio das ações populares ajuda nessa construção. Mesmo com a variedade de novas ferramentas e plataformas digitais, Cavechini foi questionado sobre a precarização e o acúmulo de funções nas redações. Apesar de concordar, ele acredita que há falta de mão de obra e que também há jornalistas  a forma como o jornalistas que preferem executar mais de uma função, e que isso deve ser levado em consideração.

 
Seja a mídia independente (embora esse tema tenha sido questionado, sem um resposta) ou de massa; jornal, agência de notícia, blog, sites especializados, canais de TV ou YouTube, emissoras ou radiosweb o jornalismo passa por mudanças estruturais claras, porém, suas bases (forma de apuração, checagem dos fatos, trabalho de campo) ainda devem se manter, independentemente das ferramentas tecnológicas.

 

Por Valdemar Neto

Foto por Pedro Piegas

Colóquio_novas formas de fazer jornalismo