Notícias

Exibições levam cultura e audiovisual para diversos públicos


O último mês foi de itinerância de exibições dos três últimos documentários produzidos por aqui: Palma, o 8º Distrito, Santa Flora e Cultura de Afetos – todos são projetos financiados pela Lei de Incentivo à Cultura.

O documentário Cultura de Afetos percorreu quatro escolas da cidade, levando aos jovens  histórias de vida, provocando discussões e reflexão, já que as histórias que abordamos são daqui, de Santa Maria. Neli Mombelli foi uma das integrantes da TV que acompanhou as exibições nas escolas, ela que assina a direção e montagem do Cultura de Afetos. Neli explica que o documentário é um produto político que trata questões importantes da nossa vida cotidiana como a diversidade de pessoas, culturas, etnias e gênero, além desses aspectos a produção discute políticas públicas relacionadas à economia solidária, questões ambientais, alimentação saudável e produção sustentável.

Cerca de 200 pessoas, entre alunos e professores, puderem acompanhar a narrativa do filme que apresenta a rede de vidas e histórias tecidas nos 25 anos da Feira Internacional do Cooperativismo (Feicoop). A produção foi até as escolas Pão dos Pobres, EMEF Reverendo Wilderlich, Escola Municipal de Aprendizagem Industrial- EMAI, e a Escola Irmão Quintino. Mas e qual é a motivação de levar todo esse material para a geração de jovens de hoje? Neli relata que apesar dos desafios vale a pena provocar essa experiência aos estudantes, “considero o documentário um filme difícil para ser trabalhado com adolescentes, porque a narrativa traz temas complexos, fala do rural e do urbano, e não tem um ritmo frenético comum das narrativas para jovens hoje em dia. Mesmo assim, levá-lo para as escolas foi surpreendente porque houve muito diálogo. Os temas do documentário são temas presentes nos debates promovidos pelas escolas, como na disciplina de Geografia, por exemplo.”

Pensar em exibir um documentário como o Cultura de Afetos para jovens do ensino fundamental é desafiador. Heitor Leal, que fez a captação de som do filme, também acompanhou as exibições e relata que foi surpreendido: “pensávamos que provavelmente os estudantes não teriam interesse, já que não acessam frequentemente esse tipo de produção, era de se esperar pouca receptividade. Foi aí que nos enganamos. Em todas as escolas pelas quais passamos o documentário foi bem recebido e em muitas teve um debate bastante proveitoso com os alunos”. Os 50 minutos de falas sobre pautas políticas e sociais cativou muitos dos jovens presentes nas exibições. Heitor ainda acrescenta: “o momento mais interessante foi na Escola Municipal Pão dos Pobres, lá os professores trabalham com os alunos, por meio de seminários as questões abordadas no documentário como agricultura familiar, orgânicos e uso de agrotóxicos. Desta forma o debate foi bem produtivo. Mas não dá para deixar de falar de todas as outras escolas. O EMAI é uma escola técnica que reúne alunos de diversas outras escolas e se mostraram bastante interessados pelo tema, assim como os estudantes da Reverendo Alfredo Winderlich. E finalizamos com o nosso maior público na Escola Irmão Quintino, onde o documentário despertou o interesse dos alunos em participar da feira”.

Outra produção que entrou em circulação foi o documentário Palma, o 8º Distrito, dirigido por Denise Copetti. O lançamento foi na Feira do Livro de Santa Maria, no espaço Livro Livre, e seguiu para exibição no Distrito de Palma – no local onde as histórias contadas afloraram. Cerca de 90 pessoas aguardavam a sessão de cinema organizada na Capela de Santa Terezinha.

Mesmo numa noite fria, o burburinho de vozes tomava o salão. Heitor, responsável por montar a tela para exibição, conta, entre risos, que é sempre uma “função”, “mesmo com esses meus quatro anos de TV OVO e todas as projeções que ajudei a montar, ainda sempre sinto um frio na barriga quando começo a preparar os equipamentos para exibir algo. Acho que esse momento é como se fosse o show, montamos tudo e lá está nós e o público, esperando para ver o que preparamos. E tudo tem que dar certo. Até terminar o filme eu fico pensando ‘e se faltar um cabo? E se o computador travar?’ Mas quase sempre dá tudo certo no final e quando ouço as palmas é só alegria.

A comunidade de Palma mostrou-se grata e contente com a produção, muitos moradores ainda relataram morar em Palma desde seu princípio e não terem conhecimento de muitos fatos apresentados no filme. Seu Rógerio Bolson, morador, deu nota 10 à equipe e ao documentário. Ele também diz ter planos futuros para o filme, quando tiver o DVD quer levar aos amigos e parentes: “A exibição do documentário foi ótima, fortalece a comunidade e o coletivo”, finaliza o morador de Palma. Além de Rogério, Noemi Ramiro Vedoin, professora de História, encantou-se com o filme e o define como um regaste da história de Palma que ainda tem muito o que construir.

Após os depoimentos, as conversas e os abraços, tivemos muitos aplausos e uma mesa partilhada para recarregar as energias. Helena Moura, que trabalhou na produção do documentário sempre se entusiasma com as exibições. “O processo de voltar ao distrito para mostrar a obra pronta é muito bom, é um sentimento de alegria, felicidade. A gente se sente preenchido. É muito prazeroso, porque o intervalo de tempo entre as gravações e a finalização do documentário é muito grande. Então, a gente fica muito tempo sem ir ao distrito e sem manter contato com eles. Quando a gente começa a telefonar, a entrar em contato novamente para dizer que o documentário está pronto, eles ficam muito felizes e nós também. Quando a exibição acaba, ainda rola um bate-papo para saber se o pessoal gostou ou não. E quando o retorno é positivo nós ficamos muito gratos. Voltamos para casa com o sentimento de dever cumprido”.

O Distrito de Santa Flora também registrou suas histórias pelas lentes da nossa câmera. A equipe que produziu o documentário Santa Flora, com direção de Paulo Tavares, finalmente pode retornar ao distrito no dia 28 de maio e então proporcionar a sessão de lançamento aos moradores, aos personagens, a quem se identifica com o local. Helena, que também se envolveu com a produção desse filme, conta que o documentário foi muito elogiado pelas pessoas que estavam presentes no salão comunitário de Santa Flora e destaca a participação de seu Amaury, um dos personagens do filme. “Seu Amaury agradeceu muito pelo registro, pois o distrito não possuía nenhuma obra audiovisual.  Esse produto vai ajudar os jovens do distrito a conhecerem melhor suas histórias. Quando estávamos preparando a sala para a exibição, o pessoal estava bem ansioso, pois queriam ver o documentário e saber quem deu os depoimentos, se era alguém que conheciam ou não, se identificavam algum amigo”.

Levar ao público as produções audiovisuais que nascem a partir do trabalho coletivo, da vontade de construir histórias e laços, da cultura e do audiovisual é uma das missões da TV. Heitor revela-se um entusiasta de exibições: “Sou fã de exibições, é um importante espaço para fazermos circular nossas produções – uma das coisas mais complicadas de se fazer. A difusão das nossas obras independentes serve muito para aproximar os produtores de conteúdo dos espectadores. Aí está o grande diferencial desse formato, poder compartilhar a experiência do fazer audiovisual. E não posso esquecer também que essa atividade é uma maneira de descentralizar e democratizar os espaços de assistir cinema, levar o audiovisual a lugares que são pouco utilizados pela sétima arte e de dar visibilidade para a TV OVO, pois muitas vezes é nessas atividades que as pessoas passam a conhecer quem somos”, acredita ele.

Por Tayná Lopes

Exibição do documentário Cultura de Afetos na Escola Municipal Pão dos Pobres. Foto de Neli Mombelli


Festival Assimetria exibiu mais de trinta filmes em dois dias


A primeira edição do Assimetria – Festival Universitário de Cinema e Audiovisual realizado entre os dias 14 e 16 de maio na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) foi sucesso de público e de produções. Foram exibidas 32 produções, de 56 inscritas, divididas nas categorias ficção, documentário e experimental. Além disso, circularam mais de 160 pessoas entre os dois pelas sessões que iniciavam às 14h30 e encerravam às 17h.

O festival premiou o melhor filme eleito pelo júri popular e os melhores filmes em cada uma das categorias, sendo o júri técnico composto pelos professores José Cláudio Castanheira (UFSC), Maria Cristina Tonetto (UFN), Gilvan Dockhorn (UFSM) e pelo professor aposentado Luiz Carlos Grassi.

Na categoria ficção, o vencedor foi o filme Sob o Signo de Escorpião (2017, 16’27”), dirigido por Nathan Luchina, produzido no curso de Cinema da UFSC. A narrativa traz características de suspense, já enunciados na sua sinopse: Virgínia levanta, faz um drinque, escreve. Um envelope sem remetente e de conteúdo misterioso perturba o seu dia.

Na categoria experimental, o vencedor foi Ansiedade (2017, 5’), dirigido por Bernardo Schmitt, também do curso de Cinema da UFSC. A sinopse descreve a obra como um documentário experimental que explora a ansiedade nas ramificações da sociedade moderna.

E nas categorias documentário e júri popular, o premiado foi Metamorfoses (2017, 15’), de Natália dos Santos Beck, produzido no curso de Produção Editorial da UFSM. Conforme a sinopse, o documentário trata a tatuagem como um mecanismo de expressão do indivíduo através do corpo, abordando os temas expressão visual, identidade e arte. Conduzida pela narração poética, a obra é composta por depoimentos de tatuados e tatuadores, performance artística, videoarte e trilha sonora autoral incitando um novo olhar sobre a tatuagem, a body art e a body modification.

Ainda, o curta A Bailarina (2017, 2’40”), inscrito na categoria experimental, de Lucas Argenta, produzido no curso de Desenho Industrial da UFSM usando a técnica de rotoscopia, recebeu menção honrosa. A Bailarina constrói-se na expectativa nostálgica de uma menina que ao rever objetos de seu passado, encontra uma caixinha de música que a envolve em um sonho de infância não realizado, o de se tornar uma bailarina.

Dos 32 filmes selecionados, 8 eram da categoria experimental, 6 documentários e 18 da categoria ficção. Cabe ressaltar ainda, dentro desse universo, os mais votados no júri popular. Dentre os cinco primeiros lugares, com exceção do primeiro, Metamorfoses, que é um documentário, os demais são todos da categoria ficção.

O segundo lugar mais votado foi i13.9 (2017, 1’), com direção de Matheus Fighera, acadêmico de Desenho Industrial da UFSM, que trata da reação do terceiro mundo à catástrofe nuclear. Já o terceiro lugar, Astronauta (2017, 11’), de Theo Tajes, do curso de Realização Audiovisual da Unisinos, conta a história de um menino e seu pai, que vivem em um enorme ferro velho. A mãe (e esposa) os abandonou há muitos anos. Um dia, o menino encontra um capacete de astronauta em meio aos destroços e decide se aventurar mundo afora atrás de sua mãe.

Empatados com o quarto lugar estão Drago e Karma. Drago (2018, 12’), dirigido por Alan Orlando, acadêmico de Produção Editorial da UFSM, trata do ser em colapso. Silva é só mais um transeunte em crise existencial. A sua relação com um edifício da cidade é o plano de fundo para sua briga interna. Já Karma (2016, 7’34”), produzido no curso de Jornalismo da UFN, com direção de Victor Mosttajo, traz o drama de um taxista aposentado, que sozinho em seu carro, se prepara para acabar com a própria vida. Pouco antes de dar o último suspiro, uma memória o faz relembrar da noite que o levou até aquele ponto. Aquela foi a noite de sua ruína, mas também o seu maior momento de altruísmo, seria isso o suficiente para o impedi-lo de desistir de tudo?

O festival integrou a programação do 6º Fórum Arte, Cinema e Audiovisual, que é realizado pelo Mestrado em Artes Visuais (PPGART), Centro de Artes e Letras (CAL) da UFSM, Laboratório de Pesquisa em Arte Contemporânea, Tecnologia e Mídias Digitais (LABART), Cineclube da Boca e da TV OVO, com parceria de professores do curso de Cinema da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Além do festival, o fórum contou, na segunda, 14, com uma mesa sobre Festivais Universitários, com a presença de Célia Mello (UFSC) e Kitta Tonetto da (UFN), e uma mesa sobre Produção de Festivais e Mostras com a Irit Batsry (FUSO/Portugal) e Ana Lígia (MIS/SC), além de uma oficina de documentário de 14 a 16, chamada de Poética da Realidade, que foi ministrada pelo cineasta uruguaio Gabriel Szollosy.

Por Fernanda Marques e Neli Mombelli

Dois dias com 32 filmes exibidos e mais de 160 espectadores. Foto de Roger Bonfanti Haeffner


Nem só de livro vive a Feira, também tem documentário


A praça Saldanha Marinho ganha um palco cheio de atrações culturais durante a Feira do Livro que inicia neste sábado, 28, e nós vamos estar nele dia 02/05, quarta-feira, às 19h, no Livro Livre, para exibir o documentário Palma, o 8° Distrito. O documentário, que foi produzido em 2017 e tem direção de Denise Copetti, faz um mosaico com quinze entrevistas de moradores do distrito, que através das lembranças que compartilham conosco, recontam a história das diversas localidades que compõem Palma. No filme, destaca-se a noção de comunidade, que se pauta pela união e alegria das pessoas em trabalhar pelo bem comum.

Após a exibição do documentário, haverá um debate sobre a produção e sobre a importância do registro da memória das comunidades do interior. Palma, o 8° Distrito faz parte do projeto Por onde passa a memória da cidade, que desenvolve produções sobre histórias, pessoas e lugares de Santa Maria com financiamento da Lei de Incentivo á Cultura.

Além de Palma, em 2017 também produzimos um documentário sobre o distrito de Santa Flora, a antiga colônia Vacacaí. Na voz de seus habitantes, o filme mostra a luta e a esperança de seu povo em manter viva a sua história. Em função do tempo de programação do Livro Livre, o filme Santa Flora não será exibido na praça, mas em breve haverá uma sessão no distrito.

Além da exibição do documentário sobre Palma, no dia 02 de maio, também teremos outras atividades durante a Feira do Livro. Confere a nossa programação:

02/05 – Quarta-feira, 19h
Exibição do documentário Palma, o 8° Distrito e debate.

05/05 – Sábado, 17h
Lançamento do livro Cronicaria com a presença de Manuela Fantinel e Marcelo Canellas na sessão de autógrafos

12/05 – Sábado, 19h
Lançamento do episódio piloto do projeto Rock do K7 e debate sobre a memória do rock de Santa Maria

Palma, o 8° Distrito

Sinopse: Uma equipe em busca de histórias. Uma comunidade e a construção de um distrito. Palma, o 8º distrito de Santa Maria, é um dos últimos a ser criado, porém, sua história remonta aos tempos antigos: dos imigrantes italianos, das grandes fazendas, dos escravos, e, antes desses, dos indígenas. São histórias de outras épocas que, às margens da RSC-287, dão forma aos tempos atuais, visíveis na sua gente, nos costumes, nas crenças, nas memórias e na esperança que alimenta o futuro.

Leia mais sobre o documentário

Por Larissa Essi
Foto de Renan Mattos

Seu João Lima, em entrevista para o documentário sobre o distrito de Palma.


Assimetria, festival de filmes universitários, está com inscrições abertas


O Assimetria –  Festival Universitário de Cinema e Audiovisual está com inscrições abertas, gratuitas e online, até às 23h59min do dia 16 de abril de 2018. As sessões dos filmes selecionados e premiação ocorrerão entre os dias 14 e 16 de maio de 2018, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), em Santa Maria/RS.

Essa primeira edição é experimental e abrangerá somente filmes de até 25 minutos realizados em Instituições de Ensino Superior (IES) da região Sul do Brasil. O intuito é difundir o curta-metragem universitário e promover a reflexão sobre as produções cinematográficas dos estudantes de graduação e pós-graduação, além de buscar contribuir para a promoção da cultura local, nacional e sul-americana.

Poderão concorrer curtas-metragens universitários nas categorias de ficção, documentário e experimental, finalizadas a partir de janeiro de 2016 e realizadas no período de graduação ou pós-graduação, vinculadas a uma IES. As equipes devem ter sido compostas por pelo menos um estudante universitário e/ou egresso que assina uma das principais funções da obra (veja o regulamento).

Esta é a primeira edição do festival Assimetria, que é um projeto de extensão do Centro de Artes e Letras (CAL) da UFSM, em parceria com a TV OVO, com o Cineclube da Boca e com professores do curso de Cinema da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Acompanhe o Assimetria pela página no Facebook, que também serve de canal de comunicação para dúvidas, além do e-mail assimetriacine@gmail.com.

Por Fernanda Marques


Colóquio Documentário, Direitos Humanos e Cidadania – um tema que veio a calhar


Um tema que nunca sai da pauta, ou, pelo menos, não deveria! Direitos Humanos e Cidadania foi o enfoque da primeira edição de 2018 do projeto Narrativas em Movimento, que contou com a participação Beth Formaggini e de Gilvan Dockhorn, realizado na Cesma. Beth é documentarista e historiadora pela Universidade Federal Fluminense, ela também é pesquisadora e fundou a produtora 4ventos. Dockhorn é historiador e professor da Universidade Federal de Santa Maria.

Antes do colóquio, exibimos o documentário Pastor Cláudio (2017, 75′), que tem direção de Beth Formaggini e que traz uma reveladora conversa entre o psicólogo Eduardo Passos e o Bispo evangélico Cláudio Guerra. Guerra é ex-chefe da polícia civil, e o mesmo assassinou e incinerou militantes que se opunham à ditadura civil militar do Brasil. O documentário, bastante impactante, trouxe diversos elementos para pensar a história  política do nosso país e os seus reflexos nos dias de hoje.

Durante o colóquio, o documentário foi bastante mencionado, sobretudo  a respeito da forma, bastante fria, como Guerra conta as histórias da época e também sobre a impunidade dele e de tantos outros, que cometeram esses mesmos crimes, decorrentes da maneira como se prosseguiu com a anistia no Brasil. Também foram abordadas questões como a morte da vereadora do PSOL, Marielle Franco. Beth comentou que “além da homofobia, que matou uma mulher lésbica, militante, negra, tem também outras forças que estavam atrás desse gatilho.”

Dockhorn comentou que leu o livro de Cláudio Guerra (Memórias de uma guerra suja) e afirmou: “Eu li o livro do Guerra, que é assustador também, mas, mais assustador, é ver o sujeito falando”, referindo-se à postura dele no documentário de Beth. O professor ressaltou ainda a importância de filmes como este,  pois “literatura, ficção, livros de história não dão a cara e a voz.”, como o cinema o faz. Para ele, documentários são essenciais para a preservação da memória e para um melhor entendimento de alguns assuntos espinhosos, como o da ditadura.

Durante o colóquio, o público, que lotou o auditório com espaço para mais de 200 pessoas, também trouxe questões relacionados à temática documentário, direitos humanos e cidadania. A programação teve financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Confira a conversa que tivemos com Beth Formaginni e Gilvan Dockhorn após o debate.

Por Larissa Essi
Fotografia de Renan Mattos

Colóquio direitos Humanos


Depois daquele dia ainda somos os mesmos?


“Este filme é uma história de amor. O amor que todos nós sentimos pelos nossos filhos”, disse o pai de uma das 242 vítimas do incêndio da Kiss, Paulo Carvalho, depois de assistir ao documentário Depois Daquele Dia, que teve pré-estreia na noite de ontem (26) na Praça Saldanha Marinho. Mais um 27 de janeiro que Santa Maria silencia, mesmo em uma praça lotada de espectadores, e busca nos abraços que acomodam a dor uma forma de refletir sobre os cinco anos da tragédia.

A diretora Luciane Treulieb – irmã de uma das vítimas, João Aloísio Treulieb – narra, do ponto de vista pessoal, como foi para ela encarar a morte do irmão e como a cidade reagiu. São 10 depoimentos – jornalista, engenheiro, psicólogo, sociológico, professor, jovem, sobrevivente, pai de vítima, entre outros – que trazem pontos de vista diversos sobre o tema. Em 51 minutos a dor que toda a cidade sente ao lembrar do incêndio é traduzida de alguma forma, com uma sutileza que emociona. A cidade que já foi dos ferroviários, dos universitários, da cultura, agora é a cidade da Kiss, inevitavelmente, e o documentário vem para mostrar que isso não precisa ser ruim.

“Sinto um misto de emoções. Não era um filme que eu gostaria de ter feito. Mesmo assim, estou orgulhosa”, declarou Luciane, ao fim da exibição. Ela também deixou claro que o documentário não é sobre a morte, mas, sim, de como Santa Maria vive e recomeça depois da tragédia.

Para a jornalista e pesquisadora da área audiovisual, Marilice Daronco, o filme traz perguntas aos entrevistados de inquietações que mexem com quem vive na cidade, questões que ficam “entaladas” na garganta em forma de nó. “O que considero como grande diferencial em Depois Daquele Dia é como a diretora consegue entregar a sua dor a quem a assiste. A narrativa em primeira pessoa tem uma razão de existir, tem uma carga de sentimento como se espera desse tipo de documentário, mas que nem sempre é alcançado, e ela conseguiu”, salienta Marilice.

O documentário, que tem a produção da TV OVO e é parte do trabalho de conclusão do mestrado em Periodismo Documental realizado pela diretora na Universidad Nacional de Tres de Febrero, da Argentina, ainda será licenciado para que seja exibido na televisão e deve participar de festivais de cinema nacionais e internacionais ao longo do ano.

Veja o trailer

Por Jaiana Garcia

Foto de Pedro Piegas

Depois Daquele Dia_pré-estreia_web