Notícias

Pode chover que agora estamos protegidos


Perrengue é uma palavra frequente no vocabulário dos integrantes da TV OVO quando se fala em infraestrutura.  Principalmente quando havia previsão de chuva, aí  que surgiam as rugas na testa: corre para buscar lona, transfere equipamentos para outros lugares, consegue galocha emprestada. Foram muitas ventanias, tempestades, salas alagadas, planos A, B, C e D, muita contabilidade, pesquisa de preços e contatos para o serviço. Finalmente estamos livres das goteiras no galpão, pelo menos é o que se espera.

O telhado feito de tesouras de madeira e telha francesa estava com a estrutura comprometida em função de cupins, da porosidade das telhas antigas e também por já ser um ancião (datava de 1940). Já havíamos realizado uma reforma que não deu conta (em 2012, quando nos mudamos para o galpão, chegamos a fazer uma campanha de financiamento coletivo para consertar o telhado) e a única solução encontrada foi trocar a estrutura. Agora a madeira foi substituída por treliças de aço e as telhas por ligas de alumínio e zinco.

Durante os dias de troca do telhado recebemos a visita dela, claro, a chuva! Porém, como diz a legenda de uma de nossas fotos no Instagram: “Ficar sem telhado por uns dias também tem sua poesia”. Era um tanto artístico poder ver um pedacinho do céu entre as tesouras de madeira e o reflexo que se formava da água empossada no piso: resultava num desenho bonito. Aproveitamos o momento para rechear nossa timeline de imagens inspiradoras e conceituais, porque, afinal, não temos nada contra a chuva.  Ela é necessária para que não amarguemos na secura.

Após cerca de 20 dias, estamos de “chapéu novo”, embora um pouco mais barulhento quando as gotas de água beijam a sua superfície, e com um pouco de menos conforto térmico, quando os raios do sol incidem sobre ele, e não tão bonito e histórico como costumava ser, mas, afinal, protegidos.

Por enquanto as salas da TV OVO têm caixas de documentos, materiais de construção e poeira para todo lado e é nessa desordem das coisas que vivemos o caos criativo de nossas ideias, projetos e conversas. Felizes com um novo teto, inspirados pelo caos e torcendo por novas obras: a construção do tão sonhado Sobrado Centro Cultural.

Por Tayná Lopes

Dias de chuva sem telhado produziram alagamentos de imagens poéticas. Foto de Denise Copetti