Notícias

Colóquio e sessão de cinema sobre direitos humanos e cidadania em março


O ano começa com todo o fôlego na TV OVO e, já no mês de março, retorna o colóquio Narrativas em Movimento. Com o tema Documentário, Direitos Humanos e Cidadania, o colóquio pretende expandir as ideias propostas anteriormente, unindo o audiovisual e um campo de discussão importante como o dos direitos humanos.

Para compartilhar conhecimentos, contaremos com a presença de César Guimarães, professor da Universidade Federal de Minas Gerais, doutor em Estudos Literários (Literatura Comparada) pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-doutor pela Universidade Paris 8. Guimarães tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Teorias da Imagem, atuando principalmente nos seguintes temas: cinema moderno (ficção e documentário) e experiência estética.

O colóquio contará também com a participação da cineasta e documentarista Beth Formaggini, que trabalhou com Eduardo Coutinho em produções renomadas como Edifício Master, documentário sobre um antigo e tradicional edifício situado em Copacabana, que em novembro de 2015 entrou na lista dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos, feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Entre as produções premiadas de Beth como diretora estão Xingu Cariri Caruaru Carioca, que recebeu o prêmio de melhor filme no Festival In-Edit Brasil, em 2016, Angeli 24 Horas, que venceu os prêmios de melhor documentário na Jornada da Bahia, em 2011, melhor direção de curta-metragem no Recine, em 2011, e o troféu HQ Mix, em 2012.

O colóquio Documentário, Direitos Humanos e Cidadania será no dia 16 de março de 2018, sexta-feira, na Cesma (Rua Professor Braga, nº 55,  centro), e terá a mediação do historiador e professor da UFSM, Gilvan Dockhorn. A lotação do espaço é de 200 pessoas. A pré-inscrição para para receber certificado deverá ser feita neste formulário.

Antes do colóquio, às 17h, também na Cesma, será exibido o documentário Pastor Cláudio, com direção de Beth Formaggini. A entrada é franca. O projeto Narrativas em Movimento, que está na sua terceira edição, tem o financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Por Valdemar Neto

Cartaz Narrativas Marçoface_2018


O site do Cronicaria já está no ar


Nesta quarta (16/08), iniciamos as publicações de crônicas inéditas produzidas por Manuela Fantinel, a Manu, e por Marcelo Canellas. As quartas-feiras são da Manu e os sábados de Marcelo.
 
Mas por que cronicar? Para Marcelo, “a potência da crônica está justamente em esgaçar o banal, para que o leitor, percebendo o despercebido, reconheça nele um significado universal”. Logo, se crônica é potência, para Manu ela tem força porque passa pela percepção da potência do ser humano. “Precisamos acreditar que podemos pensar no ‘algo a mais’. Crônica é isso: é a busca pelo ‘algo a mais’ da rotina e da vida”. 
 
O Cronicaria é mais um espaço que abre brechas para os sentimentos e subjetividades que partem do singular, mas que encontram respaldo no coletivo, porque carregam marcas de anseios, de medos, de crenças, de valores, de lugares, de tempos, de amores, de desilusões, enfim, de elementos que caracterizam o ser humano. Cronicaria é um espaço de reflexão e de expressão. “Para mim, é uma honra escrever ao lado de Marcelo e mostrar que nós, jovens e mulheres, temos muito para dizer!”, complementa Manu. 
 
“Cronicaria é uma cesta de impressões sobre o mundo onde eu e Manu, cronistas de gerações tão diferentes, vamos deixando nosso olhares distintos”, comenta Marcelo, que também faz o convite: “Quem quiser, que apanhe as frutas miúdas do cotidiano que vamos colher pela cidade”.
O site do Cronicaria já está abastecido com as duas crônicas que publicamos durante a campanha de financiamento coletivo. Memória, é uma crônica de Marcelo publicada no seu livro Províncias: crônicas de uma alma interiorana. Já Sobre mim,sobre você e sobre ela é uma crônica que Manu escreveu especialmente para a campanha. E o Cronicaria continua com sua campanha de financiamento coletivo aberta até início de setembro. A meta é captar R$ 12 mil para que sejam publicadas 40 crônicas entre 16 de agosto a 30 de dezembro deste ano. Até o momento, captamos 65% do valor pretendido, o que financia as publicações até meados de outubro, totalizando 20 crônicas.
 
O projeto é capitaneado pela TV OVO. Somos um coletivo santa-mariense que trabalha com formação audiovisual e com o registro da memória da cidade. Para além do audiovisual, atuamos nas discussões a respeito das políticas culturais locais e desenvolvemos diversos projetos na área. Cronicaria é mais um deles que busca engajar e envolver as pessoas nos liames da escrita, da leitura, do cotidiano, do encontro e da reflexão.
 
Doações para a campanha podem ser feitas em catarse.me/cronicariatvovo

cronistas
Confira os vídeos que produzimos para a campanha do Cronicaria.


Sobre mim, sobre você e sobre ela


Para comemorar os 26% atingidos até o momento do financiamento coletivo para o Cronicaria (Acesse e doe em: catarse.me/cronicariatvovo), a Manuela escreveu uma crônica. Uma crônica sobre a crônica, para dar gostinho do que será o Cronicaria. A gente agradece de coração as contribuições e seguimos em campanha até o dia 08 de agosto. Em tempo, Cronicaria é um projeto que depende de você e é para você: são crônicas de Manuela Fantinel e Marcelo Canellas que serão publicadas entre agosto e dezembro, nas quartas-feiras e sábados. 

Sobre mim, sobre você e sobre ela

Eu queria tocar a campainha do céu. Você, na ponta dos pés, abriria a porta. Talvez estivesse só de fraldas e pés descalços. Uma possível meleca no nariz. Eu tentaria pegar você no colo. Assustada, fugiria de mim. Arriscaria uma brincadeira – ou cócegas, no auge do meu desespero – e você ia achar graça. Porque as crianças acham graça! Ou não. Você já passou por tantas coisas que talvez não ache o mundo um lugar engraçado ou gracioso. E a verdade é que ele costuma não ser – o que me entristece é que você, tão nova, já tenha descoberto isso. Na última terça-feira, 11 de julho, uma criança de três anos perdeu a vida em Santa Maria. Ela foi vítima de violência doméstica. Os agressores? A mãe e o padrasto.

Algumas histórias não são boas de serem contadas ou agradáveis de serem ouvidas. A televisão nos mostra e, na hora do almoço, ninguém quer falar sobre o assunto. O único comentário que costuma rolar é um “têm coisas que não dá para acreditar, né?”. Não dá para acreditar e, então, não acreditamos… E seguimos como se isso não fosse real – a vida precisa seguir, afinal. Escolhemos nos proteger (por covardia) e praticar a aceitação (e o egoísmo). Vira banalidade. Mas aí eu me lembro da minha afilhada de quatro anos, tão inteligente, incrível e “cheia de graça”, e entendo que a humanidade não falhou em sua capacidade de amar, mas na má distribuição do amor. E do dinheiro. E da educação. E da comida. E de tudo que se propôs a fazer.

Nós não temos o dom da empatia, o dom do amor ou o da compaixão. O que temos, na verdade, é o dom de desenvolvermos os melhores e os piores sentimentos do mundo – o que é tão encantador quanto, mas exige um pouco mais de nós. A crônica, como uma mágica, chega ao mundo para nos despertar e nos educar para essas emoções. Porque eu não escrevo fantasias, roteiros hollywoodianos ou histórias para dormir. Eu escrevo sobre mim, sobre você e sobre ela. As histórias que ninguém quer ler, mas que todos torcem para que sejam escritas. Se a crônica é sobre nós, ela não é apenas sobre a vida. Ela também é sobre a morte. É sobre tudo, ou sobretudo, no que está entre. Crônica é sobre o choro e o riso – às vezes, no mesmo texto -, como a vida é – às vezes, na mesma hora.

Se a crônica fosse alguma parte do ser humano, seria a pele. Não adianta ignorar – fechar os olhos ou os ouvidos -, quando algo te corta, vai doer. Quando algo te arrepia, é impossível evitar: vai arrepiar. A crônica não é a televisão e os seus olhos, não é o rádio e os seus ouvidos – e não é melhor que nenhuma delas -, é apenas o que há de mais animal em nós. É a reflexão marginal. A consideração sobre os nossos acertos e fracassos – esses que grande parte da humanidade evita pensar. É. Talvez cronicar seja um respiro de autoconhecimento e, por isso, de esperança. Alguém precisa deixar registrado que, apesar dos romances encomendados e das ficções que enchem as salas de cinema, a realidade continua extraordinária!

Dessa Terra, no fim, a gente só leva a meleca do nariz – uma semelhante a que a criança a qual foi tirada a graça teria se abrisse a porta para mim, e essa mesma que a minha afilhada, tão amada, também tem. E isso é importante que a gente nunca esqueça: o mundo gosta muito de apontar as nossas diferenças (religiosas, culturais, ideológicas). É o que dá ibope. Mas contar as histórias do cotidiano é uma oportunidade de mostrar que as nossas semelhanças são muito maiores que as discordâncias. Porque se você olha para o lado e não consegue ver o outro, aqui você vai ver o outro olhando para você – e isso vai te cortar a pele, se for preciso; ou arrepiar, se nós tivermos alguma sorte. Quem lê sobre a realidade de quem está distante não corre o risco de achar que a vida é pequena. Ela é grande – nem sempre longa, nem sempre graciosa, mas sempre grande, como só um amontoado de palavras poderia ser.

nuvem