Notícias

Cinema e educação – oficinas na escola Cícero Barreto


A escola sempre foi o primeiro contato de aprendizagem de crianças e adolescentes, lugar onde as primeiras ideias e imaginações surgem. Dentro dessa perspectiva, diversos meios tecnológicos e de comunicação surgem como uma forma pedagógica para esses alunos. É nesse contexto que se dá a união entre o cinema e a educação.

Seja na história da educação escolar ou em casa, o cinema sempre está presente como uma forma de ilustrar nossa vida ou nossos sonhos através de histórias e imagens. Novas formas de construir o processo de ensino aprendizagem, por meio da produção audiovisual, contribuem para a formação de competências, habilidades e conhecimentos, gerando um espaço interdisciplinar. Com o propósito de semear e fomentar a produção audiovisual entre os jovens, a TV OVO realiza nos meses de maio e junho de 2015 oficinas de audiovisual com os alunos da Escola Básica Estadual Cícero Barreto e alunos do distrito de Arroio Grande.

Os encontros ocorrem semanalmente no colégio Cícero Barreto e abrangem desde o básico da teoria da linguagem audiovisual até a produção final. A oficina objetiva mexer com a sensibilidade dos alunos para aguçar seu olhar e criticidade. Redação de roteiro, linguagem cinematográfica, edição, fotografia e som fazem parte dos conhecimentos técnicos trabalhados ao longo da oficina. Para a estudante do ensino fundamental, Maiele Rosa, 13 anos, a experiência tem muito o que contribuir para as atividades que ela faz na escola. “A gente não costuma fazer muito isso. Está sendo legal, a gente aprende várias coisas novas”, ressalta ela.

 

Texto por Camila Severo e Heitor Leal

Oficina Escola Cícero Barreto


Memórias sobre a TV OVO: Flávio


Na última sexta-feira (24/04), houve um momento de registro da memória da TV OVO. O funcionário público, Flávio Odair do Carmo Flávio Rodrigues (1)Rodrigues, contou suas lembranças de quando integrou a equipe da TV. A entrevista faz parte de uma série de depoimentos das pessoas que fizeram ou fazem parte da entidade desde o seu surgimento, em 1996, até hoje. Os depoimentos farão parte do livro sobre os 20 anos da TV OVO que deverá ser lançado em 2016.

Flávio era ainda menino quando começou a frequentar as oficinas de vídeo  da região Oeste, nome que deu origem à sigla da TV OVO. Na época, lembra que as atividades eram realizadas na garagem da casa de Paulo Tavares, idealizador do projeto, que ficava na Vila Caramelo. “A gente ia ao mesmo tempo conhecendo a técnica de produção de vídeos e a sociedade. Era um mundo novo pra nós tu poder produzir algo e ver a repercussão”, diz Flávio.

Para o funcionário público, as oficinas eram uma expectativa para os adolescentes, de terem uma profissão, de dar oportunidade de conhecimento a jovens sem perspectivas. O fato mais marcante de sua participação na TV OVO (que foi de 1996 até 2001), foi a sua primeira produção realizada fora da garagem da casa de Paulo. O trabalho consistia na produção de um vídeo praticado com os estudantes de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), e, segundo ele, “era um momento novo, e sobre um assunto desconhecido” (veja o vídeo no final do texto).

Flávio Rodrigues (2)Além disso, outro aspecto que Flávio ressalta é a influência que as oficinas tiveram na sua vida, ao fomentar o interesse de participar de movimentos culturais e sociais. Exemplo disso foi o gosto que criou pelos debates realizados no Otelo Cineclube, momento em que tinha a oportunidade de discutir e trazer observações sobre o cinema junto com outras pessoas que possuíam o mesmo encanto.

Poder dialogar com pessoas que vivem numa realidade distinta da sua e enxergar que na sociedade há situações que chocam, mas, em contrapartida, ver que existem pessoas comprometidas com o desenvolvimento da sociedade foram questões que levaram Flávio do Carmo Rodrigues a seguir nas oficinas. “Você fazia trabalhos que te complementam como cidadão e as portas que foram abertas pra mim no mercado de trabalho tem muito a ver com a minha participação na TV OVO”, afirma ele.

 

Texto: Cibele Zardo


Em ação: oficina de produção audiovisual na Ruschi


Ouvidos e olhos atentos para a primeiras noções de audiovisual

Desde o início desta semana,  16 jovens da comunidade de Santa Maria deixaram de lado seus papéis de estudantes para se transformarem em atores, roteiristas e produtores audiovisuais.

A TV OVO, em parceria com a escola estadual Augusto Ruschi, situada na Cohab Santa Marta, realiza uma oficina de audiovisual, cujo objetivo, além de ensinar noções básicas de roteiro, produção, direção e fotografia, é democratizar o acesso à cultura e dar novas possibilidades de formação profissional aos jovens.
As atividades são realizadas no turno da noite. Ao final do projeto, que se encerra amanhã, os jovens irão finalizar uma vídeo-ficção autoral, que será apresentado para a escola e para a comunidade.

A iniciativa é contrapartida do projeto Quadros Culturais – TV OVO no Ônibus, que é financiado pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC-SM).

Criando a história audiovisual


Resultado da seleção de voluntários


Os voluntários selecionados para integrar a equipe da TV OVO são:

Ariéli Ziegler – Jornalismo – UNIFRA

Bianca Pereira Moreira – Jornalismo – UFSM

Taianne Pinheiro Teixeira – Publicidade e Propaganda – UFSM

Thomas Lehnhart de Moraes – Publicidade e Propaganda – UNIFRA

Agradecemos a todos que participaram da seleção.