Notícias

Conectados com o passado


Desde a primeira semana de outubro, estão disponíveis no canal do YouTube da TV OVO os documentários sobre os distritos de São Valentim (dirigido por Jaiana Garcia) e Santo Antão (dirigido por Marcos Borba).

Ambas as produções foram gravadas no ano passado e o lançamento oficial foi na Feira do Livro 2017, além das exibições nas comunidades. Os documentários fazem parte do projeto  “Por Onde Passa a Memória da Cidade”, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura, e que retrata as histórias de lugares e pessoas de Santa Maria.

Os registros mais recentes que contam as histórias dos distritos de Santa Maria se juntam à Arroio do Só, Boca do Monte e Arroio Grande. Outro documentário inédito na rede é Silveira Martins, que retrata o município integrante da Quarta Colônia de Imigração Italiana.

No momento, a equipe da TV OVO segue sua jornada  com mais dois documentários dos distritos em andamento: Palma e Santa Flora. O primeiro está em fase de gravação enquanto Santa Flora se encontra em fase de pós-produção.

 

Sinopses

Santo Antão

O distrito de Santo Antão é um lugar, como disse um morador, onde cada curva de estrada tem uma história para contar. As curvas guardam um pedaço do passado do país, nos rastros do caminho dos tropeiros para a feira de Sorocaba/SP; conservam os vestígios jesuítas da “salgadeira”; podem ser tristes como o asfalto que até hoje não chegou. Elas também foram abrigo do peregrino João Maria de Agostini, responsável por mobilizar milhares de fiéis em busca de cura, cuja fé perdura até hoje com a romaria de Santo Antão. O distrito de Santo Antão é um espaço rico nas histórias, nas pessoas, no potencial turístico e em segredos que talvez nunca sejam descobertos.

 

São Valentim

Foi pelas rodas das carretas que passavam pela região que o desenvolvimento chegou a Santa Maria. Onde hoje se localiza a sede do distrito de São Valentim, carreteiros faziam paradas para descanso na sombra, davam água aos bois e seguiam viagem. Vindas principalmente de São Gabriel, Rosário do Sul e Alegrete, as carretas foram as responsáveis, durante muito tempo, pela manutenção do ciclo econômico do município. Este documentário traz recortes dessas histórias que começam por volta de 1900, com a construção da casa da “esquina dos Toniolo” – o famoso ponto de encontro dos carreteiros – e que até hoje são parte da memória dos moradores não querem perder suas raízes.

Por Valdemar Neto
Foto de Laura Lis Boessio

santo antão


Estamos registrando histórias de Palma, distrito santa-mariense


Entre as atividades que  temos desenvolvido ao longo do ano, uma deles ganha fôlego neste mês: o documentário sobre o distrito de Palma. Com direção de Denise Copetti, atriz e produtora cultural que integra a TV OVO desde 2007, o filme é uma das suas primeiras experiências na direção. Para contar a história de Palma, a equipe está percorrendo a localidade e registrando festas, depoimentos de moradores e as diferentes atividades lá desenvolvidas. A gravações se intensificam durante o mês de outubro. As histórias ainda estão sendo buscadas, então, se você tem algo que considere importante, entre em contato com com a gente por e-mailfacebook ou telefone (3026 3039).

Dentre o levantamento da pré-produção do documentário realizado até o momento, Denise destaca elementos da história que remonta ao século XIX, com a chegada de um guarda-mor que vem de Portugal e se instala na fazenda de Palma. Ainda, a narrativa do distrito é permeada pela formação do quilombo e pela imigração italiana e carrega na sua a identidade a união dos moradores, característica que fortaleceu a comunidade e permitiu melhorias na comunidade.

Já Helena Moura, recém egressa do curso de Jornalismo, que está responsável pela produção e pelo som direto, comenta sobre a receptividade e acolhimento dos moradores. “A interação com a comunidade sempre é bacana. As pessoas gostam de relembrar momentos e gostam de contar as histórias para alguém que esteja interessado em escutar, ainda mais quando essas histórias vão passar a fazer parte de um documentário”. Por estar na produção, o contato com as pessoas das localidades é mais frequente: “a gente se apega a algumas pessoas porque a gente cria um laço mais forte do que os outros da equipe. A gente liga, conversa, marca entrevista, liga de novo… Aí quando acabam as gravações tu sempre fica lembrando das pessoas… Elas sempre vêm na memória.”, relata Helena.

O documentário sobre o distrito de Palma integra o projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade 2017, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria. Além de Palma, neste ano também foi produzido o documentário sobre Santa Flora, que está em fase de pós-produção. Ambos fazem parte da série sobre os distritos. No canal do YouTube da TV OVO é possível assistir aos documentários sobre Arroio do SóBoca do MonteArroio Grande,São Valentim, disponibilizado nesta semana, e Santo Antão, que estará disponível nos próximos dias. Para fechar a série, faltam os distritos de Pains e Passo do Verde, que estão no planejamento para serem produzidos no ano que vem.

Abaixo, na foto, da esquerda para direita: Denise Copetti(direção), Belmira Righi Veduin (moradora da comunidade), Renan Mattos (direção de fotografa), Helena Moura (som direto e produção). Foto de Pedro Piegas, que também faz assistência de fotografia.

Por Neli Mombelli

palma


Para que não se repita


Na manhã do dia 21 de agosto,  segunda-feira, a Praça Saldanha Marinho foi o palco do lançamento da campanha de financiamento coletivo que pretende viabilizar a construção de um memorial em homenagem às 242 vítimas fatais do incêndio da boate Kiss, que aconteceu no dia 27 de janeiro de 2013. Idealizado pela Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), o memorial será erguido no local onde funcionava a casa noturna. O prédio foi desapropriado pela prefeitura no dia dez de julho deste ano.

Como destacado pelo presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-RS), Rafael Pavan dos Passos, o objetivo do financiamento é organizar um concurso público que vai selecionar o projeto arquitetônico do memorial. A quantia arrecadada servirá também para custear o pagamento à equipe vencedora, que vai desenvolver sua ideia até o projeto executivo. Sérgio da Silva, presidente da AVTSM, ressaltou, em seu discurso, que esse memorial trará de volta dignidade às famílias das vítimas da tragédia, pois como até hoje não se tem um responsável pelo ocorrido, o memorial servirá como uma forma indireta de se fazer justiça e de mostrar a situação de total abandono no qual os familiares se encontram em relação ao caso.

Para contribuir, basta acessar a página do projeto Campanha de Arrecadação para o Memorial às Vitimas da Kiss. A campanha tem término previsto para o mês de outubro. A meta inicial é de R$ 250 mil e a final de R$ 500 mil. O valor mínimo para doação é de R$ 50 e o pagamento pode ser feito online ou via boleto bancário. Existem feridas que nunca se fecham e dores que nunca se apagam. O memorial da Kiss não é apenas uma obra para relembrarmos do que aconteceu, e sim, para não permitirmos que algo assim se repita.

Por Valdemar Neto

canpanha-memorial-kiss


O audiovisual e a memória dos distritos: exibição dos documentários sobre Santo Antão e São Valentim


Após os lançamentos dos documentários sobre os distritos de São Valentim e Santo Antão na Feira do Livro, os distritos estão recebendo as sessões de exibição das obras.

Hoje, São Valentim vai poder acompanhar as histórias contadas pela nossa equipe no documentário sobre o distrito. A sessão será às 15 horas, na Escola Municipal José Paim de Oliveira.

Na última quarta-feira (31), foi apresentado o documentário na comunidade de Santo Antão. Cerca de 20 pessoas acompanharam as histórias sobre o monge heremita Giovanni Maria de Agostini, sobre a salgadeira na passagem dos jesuítas, os percalços com as condições estrada e o potencial turístico que o distrito possui para diversos esportes radicais. Após a sessão, os moradores puderam conversar com o diretor Marcos Borba sobre o processo de produção da obra.

A moradora de Santo Antão, Svami Palmeira Rezes, acompanhou atenta as imagens na tela e até se surpreendeu com algumas das histórias contadas sobre o distrito em que mora há mais de dez anos: “uma experiência muito boa, por que tem coisa que a gente nem sabia, tem coisas que foram novidade pra mim”, conta a professora aposentada.

Os dois documentários, produzidos durante 2016, integram o projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade, que iniciou em 2008, que registra e mantém viva as histórias que permeiam os distritos, bairros e ruas de Santa Maria. Além disso, é nosso compromisso levar o audiovisual até as comunidades para fomentar as produções e levar adiante o conhecimento sobre os locais por que passamos. O projeto tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria e recebeu, em 2013, o Prêmio Ponto de Memória, do Instituto Brasileiro de Museus em reconhecimento ao trabalho que desenvolvemos.

São Valentim - Sinopse

Foi pelas rodas das carretas que passavam pela região que o desenvolvimento chegou a Santa Maria. Onde hoje se localiza a sede do distrito de São Valentim, carreteiros faziam paradas para descanso na sombra, davam água aos bois e seguiam viagem. Vindas principalmente de São Gabriel, Rosário do Sul e Alegrete, as carretas foram as responsáveis, durante muito tempo, pela manutenção do ciclo econômico do município. Este documentário traz recortes dessas histórias que começam por volta de 1900, com a construção da casa da “esquina dos Toniolo” – o famoso ponto de encontro dos carreteiros – e que até hoje são parte da memória dos moradores não querem perder suas raízes.

Texto e foto por Renan Mattos

santo antao foto renan

Exibição na Capela de Santo Antão, num dia de muita chuva e frio.


Frequências do Interior será exibido na Mostra Sesc de Cinema, na capital


O documentário Frequências do Interior foi selecionado na Mostra de Cinema - Etapa Estadual e será exibido nesta sexta-feira, 09/06, às 19h, em Porto Alegre.

A mostra iniciou no dia 05 de junho e segue até sexta, na Sala Redenção, Cinema Universitário, Avenida Paulo Gama, 110. São 19 filmes gaúchos: 2 longas e 17 curtas, compreendendo animação, ficção e documentário. A mostra tem premiação para um contrato de licenciamento para exibição pública, além de certificar destaques em categorias como roteiro, filme, direção de fotografia, desenho de som, montagem, direção de arte, entre outros.

Na sexta, além do Frequências do Interior, serão exibidos os filmes às MargensDomésticasDiários Daltônicos Piska. Após a sessão terá bate-papo com os diretores Felipe Diniz (Domésticas), Neli Mombelli (Frequências do interior) e Nelson Brauwers (Piska). Confira a programação completa.

 

Arno Schwerz tem o rádio como companheiro de vida. Foi pela rádio que ele acompanhou a Campanha da Legalidade de Leonel Brizola. Foto: Paulo Tavares

 

 

Veja o trailer do nosso documentário.


TV OVO recebe oficina e exposição do projeto Fábulas Contínuas


A partir do dia 27 de junho o Sobrado Centro Cultural vai ser sede da Exposição Fábulas Contínuas. A mostra trabalha com documentos digitais retirados de HD’s encontrados no lixo e também de conhecidos do artista que o procuram para recuperação dos dados e é resultado de uma oficina.

O acervo é formado pelos mais variados arquivos digitais, como “fotografias e vídeos de férias, celebrações, nascimentos, ritos dos mais diversos, além de pornografia, músicas, textos, documentos, a vida digital do mundo contemporâneo”. A proposta é “dar algum sentido a esse mar de imagens antes perdidas”, explica o artista em seu blog.

A exposição será resultado de uma oficina ministrada por Caobelli em conjunto com Fernando Krum, chamada O arquivo como processo criativo, em que os participantes trabalharão com um determinado volume de arquivos fornecidos pelos oficineiros e criarão a a narrativa da exposição, que permanecerá aberta para visitação por um mês.

A oficina será em junho, na sede da TV OVO, nos dias 24 e 25, das 10h às 18h, e  a montagem da exposição será nos dias 26 e 27, das 14h às 18h. A visita é gratuita, sempre às tardes, das 14h às 17h, de segunda à sexta-feira, entre 27 de junho e 27 de julho (Floriano Peixoto, 267).  No dia 27 de junho, terça-feira, haverá coquetel de abertura, às 19h.  Os interessados na oficina podem realizar as inscrições de forma gratuita pelo e-mail vicente.carcuchinski@gmail.com, pelo telefone: (51) 3024-1183 ou pela página do projeto no Facebook.

Sobre os oficineiros

Leo Caobelli é artista visual com ênfase em produção documental nas áreas da fotografia, vídeo e instalação. Já trabalhou como repórter fotográfico no jornal Folha de S. Paulo entre os anos de 2006 e 2009. Ele fundou e fez parte do coletivo Garapa entre 2008 e 2015, espaço de criação dedicado a pesquisa da linguagem audiovisual documental. Atualmente é mestrando em artes visuais pelo Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e coordena as atividades da CalmaLab, espaço híbrido de ateliê e produtora visual. Já Fernando Krum é professor dos cursos de Comunicação Social e Comunicação Digital da Unisinos, em São Leopoldo.

 

Por Pedro Piegas

fabulas