Notícias

Cultura e luta indígena no Narrativas em Movimento


Vincent percorre aldeias do país há mais de 30 anos trabalhando com formação audiovisual. Foto Lívia Teixeira

A questão indígena voltou aos noticiários com força neste ano, no entanto, os espaços midiáticos mostram apenas um lado dessa questão e raramente é o lado mais vulnerável. Discutir sobre como o uso do audiovisual fortalece a luta e ajuda a preservar a cultura dos povos indígenas do Brasil foi o objetivo do Narrativas em Movimento  realizado no último dia 19. Com o tema “Memória e Territórios no Audiovisual”, o colóquio trouxe o documentarista e indigenista Vincent Carelli.

Ele é idealizador do Vídeo Nas Aldeias, projeto que está há mais de 30 anos ajudando na formação de cineastas e cinegrafistas indígenas. Além da formação, o projeto busca fortalecer a identidade dos povos indígenas, registrando seus costumes e tradições. Entre o público estavam representantes das aldeias Guarani e Kaingang de Santa Maria. Para eles, essa experiência também foi enriquecedora, pois puderam conhecer a realidade de outras comunidades indígenas pelo país, como relatou Luís da aldeia Kaingang em sua fala.

Durante o encontro, a questão do audiovisual como ferramenta de preservação da memória dos povos indígenas foi bastante abordada, já que segundo Vincent, as comunidades indígenas ficam bastante decepcionadas com a forma que são retratadas por terceiros, por isso estão sempre dispostos a colaborar nos projetos onde elas mesmas podem contar suas histórias, porque é outro olhar. “Acredito que a questão do audiovisual tem esse poder mais sensorial. A gente já tem essa sensibilidade, mas ao ver os vídeos que ele passou sentimos mais impacto”, afirma Anna Christina Pimenta, estudante de relações públicas da UFSM.

Sobre os aprendizados do colóquio, Maria Eduarda Righetto, estudante de Publicidade e Propaganda da UFSM diz que “olhamos para os problemas da nossa realidade sem nos darmos conta que a realidade do outro faz parte da nossa. […] Temos que nos preocupar com a sobrevivência dos povos indígenas que estão tentando manter vivo a si mesmos e a sua cultura”. Também estudante de Publicidade e Propaganda da UFSM, Amanda da Cas, comenta: “Acho que é uma oportunidade de levarmos esse conhecimento para as pessoas que não puderam estar aqui… a grande importância foi ter recebido todo o impacto dessa discussão e tentar levar para outros espaços, tanto para nossa família quanto para a área da comunicação, pois são poucos os veículos que trazem esse tipo de
informação”.

De todos os aprendizados que este colóquio trouxe, talvez o mais importante tenha sido o de que a questão indígena precisa ser debatida em todas as esferas da sociedade, pois a união dos brasileiros é a arma mais eficaz para assegurar a defesa e cumprimento dos direitos indígenas. E isso também significa preservar nossas florestas que têm importância fundamental na manutenção de um planeta habitável.

 

Em tempo: audiovisuais indígenas

 

Um dia antes do colóquio, houve a exibição de “Martírio”, documentário dirigido por Vincent Carelli junto com Ernesto de Carvalho e Tatiana Almeida, que retrata o genocídio dos índios guarani-kaiowás. O filme foi eleito o melhor longa-metragem nacional de 2017 pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) entre outros prêmios em diversos festivais. Sobre “Martírio”, William Boéssio, pós-graduando em jornalismo da UFSM, diz: “Vim para ver como os elementos técnicos da gravação seriam executados”. Outro ponto que o interessou foi sobre como o trabalho seria uma forma de os povos indígenas mostrassem a sua realidade para se defender. Apesar de já conhecer a causa indígena, ele não conhecia as especificidades desses povos. Para William, esse trabalho “conseguiu contar muito bem as diversas realidades, amarrá-las e fazer uma bela história”. Para quem quiser assistir, o documentário está disponível no canal do Vídeo das Aldeias no Vimeo para acesso on demand
Já na abertura do colóquio, foi exibido o vídeo “MBYA Arandu |Saber Guarani”, vídeo produzido pelos jovens guaranis da aldeia Tekoa Guaviraty Porã, de Santa Maria, durante oficina audiovisual da TV OVO. O vídeo fala sobre o respeito, cuidado e a relação sagrada que o povo guarani têm com a natureza.

Por Bernardo S. Silva

 


Documentário busca discutir presença indígena em Santa Maria


Gabriel faz exercícios de enquadramentos na aldeia Guarani. Foto de Tayná Lopes

Neste ano, o nosso projeto Por onde passa a memória da cidade trabalha na construção de um documentário que busca discutir a presença indígena em Santa Maria. A ideia inicial da produção é abordar a formação e origem de Santa Maria, intercalando a versão histórica e a lendária, ambas apresentando os indígenas como parte da história. Junto de entrevistas com membros de comunidades indígenas, antropólogos, sociólogos e historiadores iremos construir uma narrativa que busque documentar a memória destes povos, sempre tão invisibilizados.

Para o desenvolvimento do projeto estão sendo realizadas pesquisas históricas e conversas com diversas fontes, que conheçam a história e/ou tenham relação com ela. Está em curso um levantamento de dados, fontes, registros, documentos e imagens, para então iniciarmos as diárias de gravação.

Foi a partir da pesquisa que visitamos as aldeias indígenas Guarani e Kaingang de Santa Maria e, desde meados de agosto estamos realizando oficinas de formação audiovisual para os jovens da aldeia Guarani, que tem entre 13 e 20 anos.  Em outubro devemos ir fazer o mesmo na aldeia Kaingang. Embora o documentário tenha financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria, LIC/SM, as oficinas são uma atividade paralela que estamos fazendo, com nossos próprios recursos, porque não queremos falar da presença indígena pelo nosso olhar, queremos que eles falem de si a partir do seu próprio olhar. Por isso, aos poucos, buscamos trocar conhecimentos e instrumentalizá-los para que possam registrar suas próprias histórias e sua cultura.

Por Tayná Lopes


Inscrições abertas para workshop de documentário


 

Se você gosta de assistir, estudar e/ou produzir documentários você clicou em uma boa notícia. No fim do mês de agosto, nos dias 23 e 24, iremos promover um workshop de documentário com o cineasta, jornalista e professor Guilherme Castro.

O curso tem carga horária de 10 horas aula e disponibilizaremos somente 20 vagas. As atividades serão na nossa sede, Rua Floriano Peixoto, 267, sendo na sexta-feira, das 14h às 17h e das 18h30 às 20h30; e no sábado das 10h às 12h e das 13h30 às 16h30. O investimento é de R$ 60,00 inteira e R$ 30,00 meia (idosos, estudantes, pessoas com deficiência e jovens de baixa renda de 15 a 29 anos).

Para se inscrever é necessário preencher formulário e realizar o pagamento da inscrição na nossa sede, ou para algum de nossos integrantes, até o dia 20 de agosto, último dia de inscrições. Pedimos também, que você envie uma mensagem inbox em nosso facebook avisando o momento que irá realizar o pagamento para combinarmos o melhor horário. Atenção: a vaga só será confirmada mediante o pagamento. Já o certificado de participação será enviado por e-mail na semana seguinte ao workshop, mediante 75% de presença.

No conteúdo estão previstos elementos como roteiro, narrativa, método, liberdade criativa, conceitos, entre outros tópicos. O workshop será baseado em estudos teóricos e práticos. Junto de exemplos e exposições trabalharemos pontos essenciais à realização de documentários como:

  • Conceitos gerais, no contexto da discussão sobre o documentário, a realidade e a ficção;
  • Diferentes categorias, modos e estilos de documentário;
  • História do documentário: primeiro cinema, documentário clássico, cinema direto, cinema verdade, documentário contemporâneo;
  • Diferenças entre documentário de cinema e de televisão; e entre documentário e reportagem;
  • Tema do documentário (seleção, interesse, pesquisa);
  • Fontes e materiais diversos;
  • Estruturas narrativas;
  • O off e a narrativa sem off;
  • Entrevistas;
  • Argumento e sucessivos tratamentos de roteiro (montagem);
  • A direção e preparação ao documentário;
  • A reconstituição;
  • O método de aproximação;
  • Equipe e preparação da equipe para o documentário;
  • Captação do material: a fotografia e o áudio em documentário.

Sobre o Guilherme Castro

Guilherme Castro é cineasta, professor de audiovisual e jornalista. Dentre suas produções tem-se a direção dos documentários “Becos”, “Transversais”, “Saúde e Golpe”. Os curtas-metragens “Terra Prometida” e “Boa Ventura”. Entre os especiais para a RBSTV tem-se “Mariazinha”, “O Massacre dos Bugres e Garibaldi – Heroi de Dois Mundos”; na TVE RS, dirigiu programas de teledramaturgia, documentários e jornalismo, e foi diretor de programação. Foi presidente do Conselho Estadual de Cultura e da Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos do RS. É mestre e doutorando em cinema pela Universidade Anhembi Morumbi/SP.

O workshop integra a programação do projeto Narrativas em Movimento, que tem financiamento pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC/SM). Dúvidas podem ser enviadas para o e-mail tvovo@tvovo.org, via inbox no Facebook, Instagram e pelo telefone 3026-3039 ou ainda, entrar em contato com integrantes da TV OVO. Esperamos por você!

Por Tayná Lopes


Olhar a comunidade é também olhar para si


Grupo da escola José Paim de Oliveira registrou a história de um domador de cavalos.

Um dos pilares do nosso trabalho é a formação de jovens no universo audiovisual e a comunicação comunitária, buscando despertar olhares sensíveis aos detalhes e acontecimentos ao nosso redor, apresentando outras perspectivas de futuro e de trabalho aos estudantes. Além disso, buscamos criar público para o cinema local e assim fomentar a cultura na cidade.

O projeto Olhares da Comunidade é uma das iniciativas em que trabalhamos com a formação audiovisual de adolescentes que estão nos últimos anos do ensino fundamental de escolas públicas e periféricas. No fim do mês de abril, iniciamos o projeto na escola Reverendo Alfredo Winderlich, na Vila Santos/Urlândia. Em seguida, nosso destino foi a escola José Paim de Oliveira, localizada no Alto das Palmeiras no distrito de São Valentim. E, por fim, neste mês de junho desenvolvemos o projeto na escola Sérgio Lopes, na Vila Renascença. Em cada escola foram 12 horas de atividades que envolveram exercícios de som, fotografia, criação de roteiro, gravação e noções de edição.

Ao fim desta primeira etapa, trabalhamos com quase 60 alunos o que resultou em 8 vídeos que partem do formato de uma vídeo-carta, ou seja, que mandam um recado a alguém, a sociedade, ou, até mesmo, a si mesmo. Os estudantes produziram vídeos em formato de poesia, documentários, ficção e experimental. Em cada escola surgiram diferentes ideias, ressaltando sempre as particularidades de cada turma e de cada comunidade. Foram dias agitados em que nos aproximamos de diferentes realidades e procuramos despertar o pensar para quem somos, como vemos o mundo e como o retratamos. Talvez, enquanto oficineiros, aprendemos muito mais do que ensinamos.  Surgiram audiovisuais das mais variadas temáticas como, por exemplo, vida no campo, feminismo, descarte de lixo nos rios e preconceito. Todas as produções estarão disponíveis no nosso canal no YouTube depois que fizermos o circuito de exibição dos vídeos nas escolas, última etapa do Olhares da Comunidade.

Alice Coelho, estudante do 8º ano do ensino fundamental, tem 13 anos e foi uma das primeiras a se inscrever na oficina. Ela gosta de escrever histórias e acredita que o projeto pode auxiliá-la no processo de desenvolvimento da história que já tem escrita. Empolgada, ela ainda destaca: “eu gostei bastante de fazer as atividades, de botar na prática, de ir lá fora tirar as fotos. Eu aprendi coisas novas, por exemplo, eu não sabia sobre enquadramentos. Gostei também dos vídeos que vocês apresentaram”. A estudante demostrou muito interesse e atenção a todas as temáticas trabalhadas, inclusive ao material impresso que entregamos: um guia de produção audiovisual.

Alice conta que os aprendizados da oficina podem ser múltiplos. “A oficina pode ajudar na vida no geral. Depois dela a pessoa consegue prestar mais atenção nas coisas, ela tem um conhecimento maior, ela fica mais atenta e passa a olhar o mundo de outro jeito. A pessoa pode usar isso na vida, pode virar um trabalho, pode usar o que ela aprendeu pra criar uma história, ou fazer vídeos normais do dia a dia, mas aí ela pode fazer melhor”, finaliza Alice.

Luis Augusto Santos tem 14 anos e está no 9º ano do fundamental. Ele se inscreveu na oficina por curiosidade, é fã de ficção científica e tem interesse pela cultura POP e pelo universo cinematográfico. “No meu modo de criação sempre assisti filmes com meu pai. Desde pequeno ele sempre me puxava pra isso, acompanhar o cinema e a cultura, filme de ficção, documentário e coisas do gênero”. Luis ainda relata sobre a união das turmas: “a interação com o oitavo ano com o nono é bem rara. A conexão que tá tendo, essa energia de todos fazendo tudo junto é legal”. Ao fim da atividade, Luis comentou que estava animado para os próximos encontros e cheio de ideias na cabeça. Segundo ele, como não costuma ter projetos extraclasse na escola como este, para ele, a oficina superou as expectativas. “Achava que ia ser só a parte explicativa que a gente não ia botar tanto a mão. Tô um pouco ansioso com esse projeto novo, de todo mundo fazer histórias filmadas e editadas, a parte de áudio e a parte visual com as câmeras e ângulos, é desafiador”, relata o estudante.

Após a primeira etapa nas escolas, a segunda fase do Olhares da Comunidade reúne parte dos estudantes na nossa sede para aprofundar os conhecimentos. No último sábado, 22, iniciamos a integração dos estudantes e definimos três temas de documentários que serão gravados e editados no próximo sábado, 29. São eles: preconceito, lgtfobia e ser adolescente. Temas que surgem a partir das vivências e inquietações que eles compartilham durante o brainstorming de ideias.

Para finalizar o ciclo 2019 de oficinas do projeto, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (Lic/SM), voltaremos às escolas para uma sessão cineclubista em que exibiremos todos os vídeos produzidos, um total de 11. Isso valoriza o processo de aprendizado e compartilha com a comunidade escolar o resultado, gerando reflexão e socialização, e, por fim, cumpre-se uma das funções principais da produção audiovisual que é a de que todo filme deve chegar até o público.

Por Tayná Lopes
Foto Neli Mombelli

 


Workshop de roteiro reuniu público diverso


Para Félix, “escrever é guiar o olhar. Roteiro é movimento”.

No dia 15 de junho ocorreu, na sede da TV OVO, o Workshop de Roteiro, ministrado por Félix Rebolledo, que ressaltou o processo de desenvolvimento de um roteiro, passando pelo papel do roteirista, pela estrutura dramática e formatos de roteiro até a construção do personagem. O encontro iniciou  às 9 horas da manhã e se seguiu até as 18 horas de sábado, com intervalos curtos para lanche e almoço, totalizando 8 horas. O público de 25 participantes foi formado por pessoas de diferentes profissões, mas todos querendo escrever suas histórias.

O jornalista Luiz Gustavo Bordin, 47 anos, por exemplo, nos contou que sua paixão por cinema começou lá na infância. “Eu sempre adorei cinema desde criança. E sempre dava um jeito de transformar uma caixa de fósforo em câmera e os soldadinhos em atores ou repórteres.” Além disso, Luiz nos explica sua motivação para participar do workshop. “Eu vim aqui hoje pelo palestrante, uma pessoa experiente e que conhece muito cinema e roteiro. Achei uma excelente oportunidade, porque não é sempre que a gente tem uma pessoa desse calibre aqui em Santa Maria”, comenta Luiz.

Já João Eduardo Fogaça,  23 anos, veio de Cruz Alta para participar da atividade. ele contou que se apaixonou por audiovisual na faculdade após realizar uma disciplina de documentário e que pretende utilizar o ensinamento adquirido para produzir um documentário sobre os carroceiros de sua cidade. “A gente quer mostrar a relação dos carroceiros com o trânsito e as dificuldades que eles enfrentam, tanto de preconceito quanto de locomoção”, compartilha João Eduardo.

O workshop integra a programação do projeto Narrativas em Movimento e é financiado pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC/SM). A programação prevista para o ano de 2019 conta ainda com mais um workshop de documentário no segundo semestre e também a realização de dois colóquios.

Por Lívia Teixeira
Foto de Juliana Brittes


Assista aos documentários Pains e Passo do Verde


Parte da equipe durante as gravações em Pains. Foto de Alan Orlando

 

Disponibilizamos as duas últimas produções da série dos distritos santa-marienses, produzidas entre 2014 e 2018, para acesso no YouTube. Os documentários Pains e Passo do Verde foram produzidos ano passado, e junto com os filmes sobre Santa Flora, Arroio Grande, São Valentim, Palma, Santo Antão e Arroio do Só integram o projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade,  que registra a memória do município de Santa Maria.

O documentário Pains apresenta a história do distrito que surgiu em 1861, sediado em São Pedro do Sul. Localizado aos fundos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), a localidade tem crescido com o desenvolvimento de indústrias e especulação imobiliária, embora ainda com inflexão para a agricultura.

Passo do Verde é conhecido pelo seu balneário e fica no sentido Sul do município. O documentário traz diversos personagens que ajudam a compor o cotidiano do local que é marcado, para além do balneário, pela extração areeira.

Você pode assistir a playlist completa dos nosso documentários clicando aqui.

Por Thaisy Finamor