Notícias

De olho na programação do Narrativas em Movimento 2017


O Narrativas em Movimento (Nem) retorna em 2017 cheio de coisas novas. A programação inicia em abril e se estenderá até outubro. Assim como no ano passado, traremos convidados para compartilhar experiências e teremos workshops para complementar os debates e abordar a formação . No ano passado, o Nem contou com a presença de convidados especiais nos colóquios com nomes como os jornalistas Andrea Dip. Moisés Mendes e Mauri König, o montador Giba Assis Brasil e o pesquisador Alexandre Barbalho. Sempre trazendo assuntos fundamentais no debate na área do audiovisual, da cultura e do jornalismo. E neste ano as coisas não serão diferentes!

Para começar, teremos o workshop produção  audiovisual com tecnologia mobile nos dias 26 e 27 de abril, com Leo Roat, na TV OVO. Para informações a respeito de vagas e inscrições, clique aqui.

No início de maio ocorrerá o primeiro colóquio da programação. O Narrativas Audiovisuais e Informação será no Theatro Treze de Maio, a partir das 20h. O debate permeará questões acerca de como contar histórias e  a relação com o Outro, pensando nas linguagens audiovisuais que perpassam a reportagem televisiva, vídeos informativos para internet e o documentário. Entre os convidados está Marcelo Canellas. Os demais nomes serão confirmados nos próximos dias. Aguarde!

Ainda em maio, teremos um workshop de fotografia para documentário jornalístico. Em junho as atividades continuam com um workshop de desenho de som para audiovisual. Para encerrar a programação, setembro trará o segundo colóquio sobre  produção audiovisual em série voltado tanto para internet quanto para televisão, seguido do workshop de criação de websérie. Ainda em setembro faremos uma oficina de realização audiovisual para jovens estudantes de escolas públicas.

O Nem é um projeto desenvolvido pela TV OVO com apoio da Lei de Incentivo a Cultura de Santa Maria (LIC/SM). Mais informações sobre cada um dos eventos irão surgir daqui para frente. A TV OVO está trabalhando com dedicação e carinho na produção do Narrativas em Movimento para que o debate não pare. A única certeza é a de que não dá para perder!  Se você se interessou por alguma ou todas as atividades, acompanhe nossas postagens no site e na nossa página no Facebook.

 

Por Julia Machado

logo_narrativas_web

 


A aposta na grande reportagem em tempos de internet


Eram 19h de uma noite de quinta-feira. Mas sem dúvida, não uma quinta qualquer. Dia 12 de maio: aniversário da TV OVO e dia de discussão sobre jornalismo. O Theatro Treze de Maio estava lotado e a segunda mesa do Colóquio 100/20 estava pronta para se formar. Sentados sob as luzes do palco do Treze, ao lado do mediador Marcelo Canellas, estavam os jornalistas Andrea Dip, Mauri König e Humberto Trezzi.

Conhecidos por suas diferentes trajetórias, eles vieram à Santa Maria conversar com estudantes, professores, jornalistas, pesquisadores e interessados sobre o passado e o futuro do jornalismo. E por falar em futuro, o clima era de esperança. Trezzi, jornalista da Zero Hora, deu início à conversa e foi responsável pela primeira injeção de otimismo: “Eu acho que estamos vivenciando o melhor momento para fazer grandes reportagens no jornalismo, inclusive nos veículos impressos”, apostou ele.

O debate se deteve à produção de grandes reportagens investigativas na era da volatilidade da internet. Será tão quimérico a busca pela perenidade em uma época onde as notícias se tornam velhas tão rapidamente? König, jornalista independente, não acredita ser. Segundo ele, o jornalismo voltado para as grandes reportagens vem se fortalecendo no país e a internet é catalisadora dessa produção. “Precisamos pensar em todo o potencial que a internet nos proporciona e como ele vem sendo utilizado”, arrebatou o premiado jornalista.

Outra grande questão apontada por Mauri foi o financiamento dessas matérias. Quando matérias investigativas são desvinculadas de um meio de comunicação tradicional, abre-se portas para que os profissionais trabalhem em uma única reportagem durante um vasto período de tempo, contudo, é necessário recursos para a produção da reportagem. Já, quando uma ela está na pauta das grandes redações, a reportagem corre o risco de se misturar à demanda comum de trabalho e a maioria dos jornalistas acaba não tendo a possibilidade de dedicação integral à investigação.

Andrea abordou a experiência na Agência Pública de Jornalismo Investigativo e as possibilidades deste financiamento. A Agência é apoiada por fundações internacionais e também se utiliza de financiamentos coletivos, os crowdfunding. A Pública também age como moderadora de oportunidades e oferece bolsas para jovens jornalistas que podem inscrever suas pautas e ganharem o incentivo para executá-las. “Acho que o sonho de todo o jornalista é ser apoiado pelo público que lê as reportagens”, afirmou Andrea.

Para quem pensa que a internet deve trazer sempre notícias ínfimas e fragmentadas com a justificativa de que os internautas não lêem conteúdos extensos, Trezzi e Andrea refutaram essa teoria. “As pessoas lêem grandes reportagens, sim. Os leitores pedem por elas e quando elas saem, têm grande repercussão na maioria das vezes”, comentou Trezzi, que trabalha com o impresso. Cabe aos jornalistas então, entender a lógica dessa produção para diversos meios, como a internet que nos proporciona a utilização de uma linguagem rica, com possibilidades multimídias, e uma apropriação rápida. Sobre essa questão, Andrea salientou o poder de replicação que a internet possui – o copyleft que a Agência Pública procura disseminar em suas matérias que são em plataforma online.

A aposta foi unânime: o jornalismo independente vem se fortalecendo no Brasil, nos últimos anos, e muito dessa visibilidade se dá por meio da rede. A produção das chamadas grandes reportagens nos dá a possibilidade de deixar de nadar no raso das hard news. Nos possibilita estudo e compreensão de assuntos de interesse público que merecem um olhar mais apurado e cuidadoso. Um tipo de jornalismo engenhoso, perspicaz e corajoso. Corajoso para quem aposta. “É um jornalismo que nos permite amarrar todas as pontas da informação”, conclui Andrea Dip.

Por Julia Machado e Helena Moura 

Foto Renan Mattos
Colóquio grande reportagem


Streaming do Colóquio sobre jornalismo na era da internet


Não conseguiu senha para acompanhar os debates do Colóquio 100/20: jornalismo na era da internet ou está distante de Santa Maria?!

Acompanhe tudo pelo streaming na nossa página.

É só acessar a aba Ao vivo. Você também pode enviar perguntas pelo chat.

Participe desta discussão!

streaming