Notícias

Uma outra economia acontece na Páscoa


Neste sábado, 23 de abril, ocorre pela manhã, das 7h às 11h30min, o Feirão Especial da Páscoa. Estarão à venda alimentos coloniais e elaborados pela agricultura e agroindústria familiar, além de lanches, artesanatos, plantas ornamentais e uma grande variedade de produtos para Páscoa.

LOCAL: Centro  de  Referência  de  Economia Solidária – Rua  Heitor Campos/snº – Santa Maria/RS

PROMOÇÃO: Projeto  Esperança/Cooesperança  e Grupos Associados


Notícias da Ecosol


Venda de produtos orgânicos diretamente com o produtor rural é uma das realidades

das feiras de economia solidária. Foto: Júlia Schnorr – 17ª Feicoop


Santa Maria continua sendo uma cidade polo para a Economia Solidária na América Latina. Prova disso está no cotidiano da cidade, que conta com feiras de agricultura familiar que trabalham com uma forma solidária de vender alimentos e artesanatos. Uma das características principais da Economia Solidária é a venda direta do produto, sem a utilização do famoso ”atravessador”. Assim, o consumidor pode conhecer o agricultor/artesão e estabelecer outros laços além do consumo. É o que chamamos de consumo consciente.

Segue abaixo a agenda do Projeto Esperança/Coopesperança para os próximos meses:

-> 19 anos do Feirão Colonial – Dia 02 de abril de 2011 – O Feirão ocorre no Centro de Referencia de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, na Rua Heitor Campos, s/nº, todos os sábados, sendo que a partir do dia 6 de abril, o Feirão ocorrerá também nas quartas-feiras. Em breve será colocado também no Feirão Colonial um Telecentro em parceria com os Maristas e o Governo Federal, através das Políticas dos Telecentros.

Todos os sábados: 7h às 11h30min.

Todas as quartas-feiras: 7h às 11h30min. a partir de 06/04/2011

-> FEIRÃO NA PRAÇA SATURNINO DE BRITO – De 04 a 08 de abril de 2011, das 8h às 18 horas.

-> 7ª FEIRA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA DO MERCOSUL e 18ª FEICOOP – De 08 a 10 de julho de 2011

Informações e inscrições pelo site: www.esperancacooesperanca.org.br.


Com informações da Assessoria de Imprensa

Telefone para contato: 55 3222 6152 / 3219 4599


Colectivo Arbol: a televisão como ferramenta


Encontramos Lourdes Nunez junto à delegação da Cordinadoria de Economia Solidaria de Uruguay, entretanto, ela não era artesã ou pequena empreendedora. Lourdes pertence ao Colectivo Arbol, que surgiu em 2003 na capital uruguaia. Focado na capacitação de jovens da capital e do interior do país em audiovisual, a uruguaia nos conta que o que coletivo que ela faz parte também busca fomentar o debate da utilização do audiovisual como uma ferramenta de transformação social. Confira abaixo o vídeo e visite o site do Colectivo Arbol clicando aqui.

[youtube Q3thbk7WLT0 nolink]

Texto: Júlia Schnorr


Uruguaios envolvidos com Ecosol buscam reconhecimento


A artesã Chela Ruso viajou 850km para chegar ao coração do Rio Grande do Sul. Envolvida com Economia Solidária há 5 anos, participa do grupo ”Abrindo puertas”, em Montevideo, assim como pertence à Coordenadoria da Economia Solidária de seu país. Na entrevista abaixo, Chela fala sobre a Ecosol no Uruguai e quais são os principais problemas enfrentados, além dos maiores desafios.

[youtube r1_KC5OKi_c nolink]

Texto: Júlia Schnorr


Artesanato é atração da 17ª Feicoop


Na 17ª Feira do Cooperativismo é possível admirar o artesanato, como sabonetes artesanais com formato de animais.

Denice Rheinheimer Pinto, artista dessa técnica artesanal, utiliza glicerina transparente, corante de água e essência oleosa, e muita criatividade para fazer suas peças.

Os sabonetes possuem formas de animais como jacaré, ovelha, vaquinha e flores, com aromas de chocolate e de rosas, entre outros.

A criatividade acaba se tornando um atrativo que chama a atenção e atrai os visitantes da feira.

Denice começou a atividade depois que saiu do hospital onde trabalhava como Técnica de Laboratório, e com os conhecimentos e contatos que possuía começou a realizar essa técnica com aromas diferenciados e formas encantadoras.

Texto e foto: Luciana de Aguilar Belizio


A CUICA com novos estilos musicais


Na tarde de domingo, último dia da 17ª Feicoop, grupos musicais integrados a CUICA (Cultura Inclusão Cidadania e arte) subiram ao palco e agitaram os presentes na praça de alimentação. Empolgados com o ritmo da música algumas pessoas até começaram a dançar.

Segundo Zé Everton, os grupos começaram porque a CUICA trabalha com percussão e os alunos não estavam se sentindo satisfeitos só com esta opção, por isso decidiram iniciar um grupo de pagode e outro de música gaucha. 

A 17ª Feicoop foi a oportunidade dos grupos subirem ao palco pela primeira vez, pelo que percebemos foram bem recebidos pelo público da feira.

 

Texto: Luriane Fraga de Melo

Foto: Fernando Saldanha