Notícias

Exposição e oficinas movimentam o Sobrado Centro Cultural


Nos meses de junho e julho, nossa sede foi espaço para dois projetos culturais que incluem exposições de imagens, com o Fábulas Contínuas, e de oficinas, com atividades propostas pelo projeto Mês do Rock.

A edição deste ano do Fábulas Contínuas,  do artista e fotógrafo Leo Caobelli, é uma exposição itinerante que percorre cidades do interior do Rio Grande do Sul. Já passou por Bagé, Santa Maria, e, agora em julho passa por Pelotas. Em Santa Maria, a exposição, chamada Algum pequeno oásis de fatalidade perdido num deserto de erros, teve como propósito trabalhar com imagens a partir da recuperação de arquivos em HD’s comprados em galpões de reciclagem de alumínio.

A partir da escolha destas fotos, a exposição é criada com o desenvolvimento de pequenos jogos, como o Solitaire, mais conhecido como Paciência, e o Palamedes. O Solitaire é a “sobreposição de imagens, que uma imagem vai passando para outra formando pares e trios com o objetivo de criar uma narrativa”, explica Caobelli. Já o Palamedes é como se fosse um jogo de dados interativos em que o jogador precisa acertar fotografias iguais a partir da combinação de um acervo de três mil imagens. Essas fotos são retiradas dos HD’s e catalogadas de acordo com o conteúdo como festas, estradas, bebês e aniversários. O jogo foi desenvolvido em conjunto com Fernando Krum,  professor dos cursos de Comunicação Social e Comunicação Digital da Unisinos, em São Leopoldo.

A mostra do projeto Fábulas Contínuas faz refletir sobre o o crescente acúmulo de lixo eletrônico. As pessoas não se dão conta quando computadores são jogados no lixo, também vão para a lixeira importantes documentos de preservação de nossa própria memória como fotografias, vídeos, documentos em texto e entre outros arquivos pessoais. O projeto conta com recusros do Fundo de Apoio à Cultura (Fac) do Estado.

Mês do Rock

O outro projeto para quem o Sobrado Centro Cultural abriu as portas é o Mês do Rock. Por três semanas no mês de julho, a sede da TV OVO recebe oficinas relacionadas ao gênero, como a de Rockcustomização, onde os integrantes tiveram a oportunidade customizar roupas. Também teve a oficina de atuação artística com o músico Pylla Kroth, em que ele explicou aspectos importantes da carreira de músicos, como por exemplo, as leis de direitos autorais.

Ainda teve oficina de Produção Gráfica, com Diego de Grandi; Produção musical, com Léo Mayer; Audiovisual, com Fabiano Foggiato. Nesta semana terá de Roadagem, com Mauro Di Giácomo; Assessoria de Imprensa, com Ana Bittencourt; Produção de palco/tour, com Sandor Mello; Cobertura de shows (repórter e fotógrafo), com Márcio Grings e Fabiano Dallmeyer. E também terá um workshop de bateria com o músico Cezar Nogueira, na Musiartes.

Além das oficinas, o projeto, organizado pelo produtor Márcio Grings, terá shows na Praça Saldanha Marinho e em bares de Santa Maria. Também há uma exposição de fotografias com imagens de músicos da cidade captadas por fotógrafos santa-marienses. As fotos estão expostas no Salão de Atos da SUCV (Rua Venâncio Aires, 2035)  até o dia 31 de julho. O horário de visitação é de segunda a sexta-feira, das 7h30min às 13h, e das 14h às 16h30min. O Mês do Rock teve captação de recursos via Lei de Incentivo à Cultura.

Por Pedro Piegas

Montagem da exposição Fábulas Contínuas no Sobrado Centro Cultural.

Montagem da exposição Fábulas Contínuas no Sobrado Centro Cultural. Na foto Leo Caobelli e Fernando Krum, organizadores da mostra.


TV OVO recebe oficina e exposição do projeto Fábulas Contínuas


A partir do dia 27 de junho o Sobrado Centro Cultural vai ser sede da Exposição Fábulas Contínuas. A mostra trabalha com documentos digitais retirados de HD’s encontrados no lixo e também de conhecidos do artista que o procuram para recuperação dos dados e é resultado de uma oficina.

O acervo é formado pelos mais variados arquivos digitais, como “fotografias e vídeos de férias, celebrações, nascimentos, ritos dos mais diversos, além de pornografia, músicas, textos, documentos, a vida digital do mundo contemporâneo”. A proposta é “dar algum sentido a esse mar de imagens antes perdidas”, explica o artista em seu blog.

A exposição será resultado de uma oficina ministrada por Caobelli em conjunto com Fernando Krum, chamada O arquivo como processo criativo, em que os participantes trabalharão com um determinado volume de arquivos fornecidos pelos oficineiros e criarão a a narrativa da exposição, que permanecerá aberta para visitação por um mês.

A oficina será em junho, na sede da TV OVO, nos dias 24 e 25, das 10h às 18h, e  a montagem da exposição será nos dias 26 e 27, das 14h às 18h. A visita é gratuita, sempre às tardes, das 14h às 17h, de segunda à sexta-feira, entre 27 de junho e 27 de julho (Floriano Peixoto, 267).  No dia 27 de junho, terça-feira, haverá coquetel de abertura, às 19h.  Os interessados na oficina podem realizar as inscrições de forma gratuita pelo e-mail vicente.carcuchinski@gmail.com, pelo telefone: (51) 3024-1183 ou pela página do projeto no Facebook.

Sobre os oficineiros

Leo Caobelli é artista visual com ênfase em produção documental nas áreas da fotografia, vídeo e instalação. Já trabalhou como repórter fotográfico no jornal Folha de S. Paulo entre os anos de 2006 e 2009. Ele fundou e fez parte do coletivo Garapa entre 2008 e 2015, espaço de criação dedicado a pesquisa da linguagem audiovisual documental. Atualmente é mestrando em artes visuais pelo Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e coordena as atividades da CalmaLab, espaço híbrido de ateliê e produtora visual. Já Fernando Krum é professor dos cursos de Comunicação Social e Comunicação Digital da Unisinos, em São Leopoldo.

 

Por Pedro Piegas

fabulas

 


O Haiti é aqui


Caetano e Gil já diziam que ”o Haiti é e não é aqui”. Com esta bela canção, lançada em 1993, eles estavam fazendo uma crítica à desigualdade social e ao preconceito racial existentes no Brasil. É com esse diálogo de povos latino-americanos que a exposição Haiti: arte e resistência chega à Santa Maria. As peças mostram um país com cor, música e crenças religiosas.

Em 1794, o Haiti tornou-se o primeiro país da América Latina a abolir a escravidão. O ex-escravo Louverture tornou-se governador do país, mas foi morto pelos franceses, que passaram a dominar a ilha.

O QUE: Exposição itinerante HAITI: arte e resistência

QUANDO: de 13 de maio a 15 de junho de 2012

ONDE: Museu Comunitário Treze de Maio – Silva Jardim, 1407 Bairro Rosário.

HORÁRIO DE VISITAÇÃO: todas as terças-feiras pela manhã, das 8h30min às 12h, ou mediante prévio agendamento.

CONTATO: 55-9906 8255, com Nei d’Ogum

e-mail: museutrezedemaiosm.nucom@gmail.com

[youtube ApqXyzRcIXk]