Notícias

A gravação se dá no caminho


Um dia a máxima foi “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”. Mas quando a tarefa de registrar os segmentos culturais de Santa Maria* surgiu, percebemos que – mais uma vez – não poderíamos seguir à risca o modelo de Glauber Rocha. O processo se dá de outra maneira. Alguns motivos de ordem prática nos limitam: a necessidade de um produto audiovisual de poucos minutos, o número de diárias para as gravações e o intuito de retratar os segmentos de uma maneira socialmente responsável. Seria preciso selecionar previamente as pessoas entrevistadas e avaliar de que maneira cada uma delas poderá contribuir com esse retrato inalcançável da realidade cultural da cidade. Algo distante da imprevisibilidade do estilo “câmera e ideia”.

Da pesquisa prévia ao boca a boca, chegamos a nomes que talvez pudessem nos ajudar e a partir da primeira conversa já foi possível traçar alguns caminhos. Durante a produção do episódio sobre Artesanato, por exemplo, cada contato levou a um nome diferente que, ao fim, teceu uma rede complexa (assim como é a realidade) de artesãos profissionais e de grupos que, por exemplo, praticam o artesanato sem depender dele exclusivamente como fonte de renda. Seria preciso, mais uma vez, escolher quem dali poderia contribuir com o episódio.

No encontro com a câmera, houve quem falasse de menos, intimidado, nervoso com a gravação, e também o que de tão tímido tentou encontrar um substituto por duas vezes sem sucesso, dando ao fim uma das melhores entrevistas realizadas. Houve quem dissesse exatamente aquilo que o diretor queria. Algumas vezes, o próprio diretor se perdeu, rígido nas perguntas previamente estabelecidas e desatento no diálogo necessário, quando a resposta para uma questão poderia vir na resposta da outra – o que não tem importância, pois é para isso que existem os recursos de edição e pós-produção. Houve também quem contasse longas histórias, num primeiro momento, desnecessárias, visto que não se encaixariam na proposta do episódio, mas que se revelariam como os longos raciocínios, às vezes, chegam a conclusões arrebatadoras, essas sim necessárias ao episódio.

O não dá pra deixar de pensar é como o encontro entre quem está atrás e em frente às câmeras traz elementos que, escapando aos roteiros, contribuem com ele.

Por William Boessio

Lenita - Foto Helena Moura

Lenita – Foto Helena Moura

Seu Aldo - Foto Luiz Vinicius

Seu Aldo – Foto Luiz Vinicius


Retrospectiva 2014 da TV OVO – Oficina de Vídeo


Mais um ano encerra-se, e a TV OVO aproveitou para movimentar o cenário audiovisual santa-mariense por meio de suas atividades de oficina e exibições de curtas e produções.

Confira como foi o ano audiovisual da TV OVO:

  • Neste ano foi lançado o documentário A Semi-Lua e a Estrela:

  • Em abril, a TV OVO fez a seleção de atores para um dos grandes projetos da Oficina de Vídeo: o curta-metragem Poeira:

  • Mais uma vez a TV OVO foi convidada para participar da cobertura do Fórum Internacional Software Livre (FISL), em maio:

  • De abril até agosto, a TV OVO produziu a série Espaços Culturais, com sete episódios:

  • A partir de julho, a TV OVO produziu pequenos audiovisuais pré-gravações do curta-metragem Poeira:

  • Em julho, a TV OVO gravou o documentário Arroio do Só, por meio do projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade. O curta foi lançado em dezembro no distrito santa-mariense:

  • O coordenador da TV OVO Paulo Tavares ministrou a oficina Escola na Tela, pelo programa Mais Cultura nas Escola, na instituição estadual Augusto Ruschi, do bairro Santa Marta:

Confira algumas notícias que foram destaque:

hourglass-160964_1280


TV OVO faz exibições da série Espaços Culturais


A TV OVO vem exibindo a série Espaços Culturais, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.  No dia 7, foi a vez da Escola Municipal de Artes Eduardo Trevisan. Dia 16, a mostra ocorreu no Otelo Cineclube.

Já nesta segunda-feira, a exibição ocorreu na sessão do Cineclube Lanterninha Aurélio. 

Na agenda, a próxima mostra ocorre na Royale Escola de Dança e Integração Social, nesta quarta, dia 22, às 16h.

A série Espaços Culturais conta com sete audiovisuais, que apresentam locais de Santa Maria onde se ensina, se pratica e/ou se apresenta expressões artisticas que movimentam a cultura da cidade: Emaet, Royale Escola de Dança e Integração Social, Teatro Caixa Preta, Centro Integrado de Cultura Evandro Behr, Museu Comunitário Treze de Maio e Espaço Victorio Faccin.

As gravações ocorreram entre abril e junho deste ano, com direção e roteiro de Denise Copetti, Marcos Borba e Nícholas Fonseca.IMG_5659


TV OVO é contemplada na LIC-SM 2014


A TV OVO apresentou duas propostas de projetos a serem desenvolvidas durante o ano de 2014 pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC-SM). As propostas apresentadas foram a edição de 2014 do projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade, que previa a realização de dois documentários sobre distritos do interior, e o Espaços Culturais – TV OVO no Ônibus 2014, que previa a realização de 10 vídeos sobre lugares que oferecem atividades culturais para os santa-marienses.

Como houve cortes nos valores propostos pelos projetos iniciais, foi aprovado R$ 28 mil para a realização do Por Onde passa a Memória da Cidade, cujo produto final será um documentário sobre o distrito de Arroio do Só. E o projeto Espaços Culturais aprovou R$25 mil, o que possibilita a produção de sete vídeos.

Após a readequação conforme os valores aprovados pela LIC, é hora de captar os recursos, que são deduzidos dos impostos de IPTU, ISSQN e ITBI. Quem tiver interesse em colaborar com a TV OVO, pode entrar em contato pelos telefones 3026 3039 e 9104 9166.

Sobre a LIC-SM 2014

Foram protocolados 47 projetos na Secretaria de Cultura, dos quais 39 foram aprovados pela Comissão Normativa, cujos integrantes são indicados pelo Conselho Municipal de Cultura de Santa Maria. O valor total aprovado para 2014 é de R$ 1.134.512,24. Já o valor total solicitado foi de R$ 2.460.291,42.