Notícias

Portão Fechado, um roteiro escrito por várias mãos


Em setembro, foi dada a largada das gravações do média-metragem Portão Fechado. O filme surgiu através do projeto Cinema Frankenstein, criado por Paulo Tavares, integrante da TV OVO e acadêmico do curso de Licenciatura em Teatro da UFSM.

Tavares começou a aplicar o projeto na Escola Municipal de Ensino Fundamental Prof.ª Francisca Weinmann em dezembro de 2014, quando foi convidado pela professora Cláudia Nunes, coordenadora do projeto Cinema na Escola, para ministrar uma oficina de criação para alunos do 6º ao 9º ano. Voltou à escola em 2015 como voluntário, quando desenvolveu a ideia e a escrita de um roteiro com a participação de mais de 20 alunos.

Com o tempo, a iniciativa tomou maiores proporções, agregou mais integrantes para a equipe e tornou-se um projeto de iniciação científica na Universidade Federal de Santa Maria. Agora, o filme conta com apoio técnico de diversos colaboradores das mais variadas áreas, todos apaixonados pelo estranho mundo dos seres audiovisuais.

Portão Fechado conta a história de Helena, uma jovem da periferia que sonha em ser jogadora de futebol. Além de todos os desafios da adolescência, ela ainda enfrenta os problemas causados pelo alcoolismo do pai. A conduta de Dirceu desencadeia uma série de acontecimentos que irão tensionar as relações de Helena com a família, com a escola e com os amigos.

O elenco infanto-juvenil é formado pelos próprios alunos da escola. O filme também conta com a participação dos atores Laédio Martins, Débora Matiuzzi, Cândice Lorenzoni, Diego di Medeiros, Dani Moises, Joel Cambraia, Tiago Teles, Rose Almeida, Elton Maia, Guilherme Mello, Luiz Carlos Grassi, Rogério Lobato e Rossano Martins. A direção é por conta de Gelton Quadros, graduado em Artes Cênicas pela UFSM, e de Paulo Tavares. Ainda, parte da equipe de gravação é composta por membros da TV OVO. As gravações têm término previsto para o final deste mês.

O que é Cinema Frankenstein?

O dispositivo Cinema Frankenstein dedica-se a criação, desenvolvimento e escrita criativa de roteiros audiovisuais, entendendo o cinema como uma forma artística de expressão coletiva. A elaboração do roteiro do Portão Fechado partiu da definição dos seis elementos necessários para narrar uma história: tempo, espaço, personagem, objetivo, conflito e ação. De forma coletiva, os alunos contribuíram com ideias para cada um destes elementos que resultou no enredo do filme. O nome do projeto (Cinema Frankenstein) faz alusão ao personagem Victor Frankenstein do clássico romance de terror gótico, escrito pela inglesa Mary Shelley, que cria um monstro a partir da junção de partes de diferentes corpos.

Por Valdemar Neto

portão fechado poster


Luz, câmera e apostilas na mão


O mês de agosto foi agitado na TV OVO. Dentre workshops, lançamento do Cronicaria e oficinas e sessões de cinema no Noroeste gaúcho, também  começamos os encontros da oficina de produção audiovisual para alunos de escolas públicas de Santa Maria.

As atividades iniciaram na segunda-feira, 14, no Sobrado centro Cultural, com alunos que frequentam o 8° e 9° ano e o EJA do ensino fundamental, e 1º ano de ensino médio, que participaram das atividades de integração e apresentação do formato da oficina. Os estudantes são das escolas Hylda Vasconcellos, João da Maia Braga, Alfredo Winderlich, Dom Luiz Victor Sartori, Duque de Caxias, Adelmo Simas Genro e Walter Jobim.

O contato dos alunos, que tem idade entre 15 e 40 anos, com o “estranho mundo dos seres audiovisuais” segue até outubro. Cada grupo vai passar por quatro etapas dentro da produção audiovisual, tendo contato com as teorias de criação, linguagem, edição, produção e gravação de um produto. A proposta é a de que os participantes saiam com mais do que uma ideia na cabeça e uma câmera na mão: buscamos estimular um pensamento audiovisual e que todos saiam habilitados a compartilhar e a conduzir os conhecimentos em núcleos de suas escolas e ou comunidades.

A iniciativa integra o projeto Narrativas em Movimento 2017 desenvolvido pela TV OVO com financiamento da Lei de Incentivo à Cultura.

Por Renan Mattos
Foto de Camila Lourenci

oficina


TV OVO realiza oficinas no noroeste do Estado


Durante os dias 23, 24 e 25 de agosto, integraremos a equipe da Mostra Cultural Olhares, uma maratona de três dias com muitas intervenções artísticas e culturais em três cidades da região noroeste do Rio Grande do Sul.

Três de Maio, Independência e Alegria terão sessões de cinema e oficinas de audiovisual comunitário com dispositivos móveis. Os participantes vão poder discutir sobre comunicação comunitária, narrativas audiovisuais e produzir um vídeo durante as atividades da Mostra.

O intuito da Mostra Cultural Olhares é levar para locais distantes da capital e das regiões mais movimentadas culturalmente manifestações artísticas e estimular iniciativas culturais. Na agenda ainda estão incluídas oficinas de teatro, dança, música na educação, contações de histórias e shows musicais. O programação completa pode ser encontrada aqui. Todas as atividades são gratuitas.

O financiamento da Mostra Cultural é do Fundo de Apoio à Cultura FAC RS – Edital Pró-Cultura RS FAC Regional. A realização está a cargo de De Copetti Produções.

 

Por Pedro Lenz Piegas

oficina3

 


Oficina de audiovisual: conectando saberes


Fazer audiovisual vai muito além de simplesmente ligar uma câmera e contar uma história. Para explicar isso, entre os meses de agosto e outubro, iremos ministrar uma oficina de produção audiovisual para 25 jovens de escolas estaduais e municipais de Santa Maria. As turmas serão formadas por alunos do 8° e 9° ano  e EJA do ensino fundamental, e 1º ano de ensino médio. A oficina será nas segundas e quintas-ferias à tarde e em alguns sábados. No total serão 20 encontros, cada um com três horas de duração, com exceção dos sábados, em que a carga horário será de seis horas. As inscrições e seleções de alunos estão sendo realizadas diretamente com as escolas por meio da Secretaria Municipal de Educação. Serão cinco escolas no total. As atividades iniciam dia 14 de agosto e seguem até final de outubro.

As oficinas serão compostas por quatro módulos ministrados simultaneamente. De forma rotativa, cada grupo passará por  criação, linguagem, produção e gravação e edição. Dentro de cada módulo, os estudantes terão a oportunidade de entender como funcionam todas as etapas de uma produção audiovisual. Na criação, eles vão aprender sobre narrativa, técnicas de abordagem e também como colocar no papel suas propostas criativas. Com um aporte mais teórico, o módulo de linguagem vai ensinar o que de fato é o audiovisual, abordar sobre planos, enquadramentos e movimentos. No módulo produção, a criação e a linguagem são transportadas para as funções. É hora de colocar os conhecimentos em prática e também compreender as responsabilidades dessa etapa. E a edição vai focar em análise de roteiro, organização de arquivos, técnicas de corte de imagem e tratamento de som. Tudo será trabalhado com uma didática não-linear.

A ideia é a de que, a partir dessa oficina, os alunos organizem núcleos em suas escolas e compartilhem seus conhecimentos sobre audiovisual com os colegas. Para os jovens, ter um contato próximo com o processo de fazer audiovisual pode ser mais uma ferramenta educacional e cultural para ajudá-los a conectar e expandir os conhecimentos para além da sala de aula. A iniciativa integra o projeto Narrativas em Movimento desenvolvido pela TV OVO com aporte da Lei de Incentivo à Cultura.

Por Valdemar Neto
Foto Graziele Kemmerich

Oficina na escola Augusto Ruschi

Oficina na escola Augusto Ruschi


TV OVO no Mobrec 2016


O núcleo santa-mariense do Movimento Brasileiro de Educadores Cristãos (Mobrec) realizou o XVI Congresso Internacional de Educação Popular, o XXV Seminário Internacional de Educação Popular, o III Seminário Internacional Sindical e oIII Seminário Internacional de Educação Profissional do Instituto Federal Farroupilha, de 07 a 10 de junho.

A programação contou com diversas mesas, conferências e intervenções artísticas durante esse período. O propósito do Mobrec é unir forças para refletir e debater questões ligadas a educação, cultura e cidadania, pensando a qualificação dos educadores e a transformação da sociedade através da educação e do conhecimento.

Neste ano, o jornalista e associado da TV OVO Marcos Borba participou como mediador do debate As mídias como instrumento do desenvolvimento do pensamento reflexivo, dentro do eixo de Educação Popular e as possíveis revelações do conhecimento. A TV já havia participado do evento em 2012 e no ano passado, quando o assunto foi Construindo caminhos possíveis na educação de qualidade.

Segundo Borba, o congresso possibilita uma troca de experiências a fim de aperfeiçoar o trabalho nos espaços de formação, assim como na TV OVO, e também refletir sobre o papel da educação, da cultura e da comunicação na formação dos cidadãos. “Para a TV OVO, além de apresentar o trabalho que desenvolvemos, o Mobrec fortalece nossa veia de Educomunicação e também capacita o nosso trabalho pedagógico. Os nossos 20 anos de experiência também podem motivar outros projetos a seguirem em frente no caminho da comunicação comunitária, da educomunicação e da cidadania”, relata o jornalista.

O tema proposto no debate, segundo Marcos, é muito rico e permite um mergulho mais profundo na apreciação sobre a contribuição e o dever das mídias na educação e no processo de produção de conhecimento na sociedade. Ou seja, o nosso papel. “Dialogar com os jovens sobre o papel da comunicação e cultura na sociedade, a partir da experiência da TV, é desafiador e motivador, especialmente porque nós queremos ampliar os espaços e as ações de formação dentro da TV OVO”, concluiu Borba.

Por Julia Machado

mobrec