Notícias

25 anos de FEICOOP nas telas


Um dos eventos mais tradicionais de economia solidária em Santa Maria e o maior da América Latina completa, em 2018, 25 anos. Para ajudar a marcar essas mais de duas décadas de atividade, seremos parceiros na realização de um documentário que contará essa trajetória.

A 24ª Feira Internacional do Cooperativismo e a 13ª Feira Latino Americana de Economia Solidária, que ocorrem entre os dias 7 e 9 de julho de 2017, serão palco para captação de imagens e depoimentos. O projeto do documentário FEICOOP: 25 anos de Cultura e Cooperativismo também contará com cenas de arquivo da TV OVO. Toda a produção, que tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria, ocorre este ano para que o filme seja lançado em 2018, durante as comemorações do aniversário.

Além da comercialização dos produtos da economia solidária, as mostras artísticas e culturais também terão espaço garantido no vídeo. Músicas, danças e apresentações étnicas dos participantes que movimentam os três dias de feira.

O documentário é mais uma forma de mostrar a importância desse evento para Santa Maria, que a cada ano traz para a cidade pessoas de todo o Brasil e do mundo para compartilhar produtos e experiências da economia solidária e do cooperativismo, que se refletem para além das datas da feira – são modos de vida.

Texto por Heitor Leal

Foto de Victória Holzbach (Caritas Passo Fundo)

feicoop


Eventos incentivam economia solidária


Nos próximos dias, diferentes eventos envolvendo a economia solidária serão realizados. Em Porto Alegre acontece, de 12 a 13 de setembro, o  3° Encontro da América Latina e Caribe das Mulheres da Economia Solidária. Cerca de 50 mulheres do projeto Esperança/Cooesperança, de Santa Maria, vão participar do encontro.

No dia 14 de setembro, será realizada a 38ª Feira da Primavera e Feirão Colonial em Santa Maria, no Centro  de  Referência  de  Economia Solidário  Dom  Ivo Lorscheiter , das 7h às 18h.

Já de 30 de agosto à 15 de setembro ocorre a 4ª FENIAR – Feira Nacional e Internacional de Artesanato e Decoração, também no Centro  de  Referência  de  Economia Solidário  Dom  Ivo Lorscheiter. A feira abre diariamente das 14h  às  21h.


Moeda social MATE promove a economia solidária na 19ª Feicoop


Economia solidária é uma forma de produção e consumo que deixa de lado o capital para valorizar o ser humano, normalmente utilizada entre comunidades, grupos, eventos, cooperativas, de forma autônoma e como ativismo anticapitalista. A moeda social Mate é uma das mais ativas no Rio Grande do Sul, associada à RETS-RS (Rede Estadual de Troca Solidária).

Banca de trocas solidárias na Feicoop

Quem for à Feicoop, pode encontrar a moeda no estande RETS-RS. Qualquer pessoa pode levar produtos para trocar por Mates, cédulas de papel impressas em cores, que podem ser trocados por outros produtos de diversos comerciantes durante a feira e não podem ser cambiadas por Real. Ao final do evento, todos os Mates que circularam devem ser trocados por produtos no Ecobanco, para impedir que os participantes acumulem excesso e paralisem o sistema.

A ideia principal da economia solidária é suprir as necessidades das pessoas, opondo-se a acumulação de capital. A integrante do grupo, Solange Mânica, conta sobre a origem do nome:

“Antigamente, tudo era resolvido na roda de mate. Eu, poucas vezes, vi meu pai, que era agricultor, abrir a carteira para usar dinheiro. Se faltasse semente de milho, ele trocava por semente de soja”. Solange defende o escambo também como proteção das crises do capital, lembrando que seu pai nunca sofrera perdas trocando produtos.

Alexandre Lucas, também integrante do RETS, fala que o Mate não é uma moeda para ser acumulada, e deve ser trocada até o final do evento. Os produtos são baratos pelo caráter solidário. A última coisa que este sistema autônomo aceita é ganância. Na última edição da Feicoop, foram registrados quase 1400 negócios cuja moeda de troca utilizada era o Mate.

Em Novo Hamburgo, de segunda a sexta-feira, vários jovens de mais de 70 escolas municipais reúnem-se no Centro de Educação Ambiental para trocar desde produções próprias até produtos que não utilizem mais, por meio da economia solidária, em uma espécie de “loja” que funciona no local.

Além do Mate, diversas outras moedas do estilo atuam no Rio Grande do Sul, como a Palmerinha (utilizada na Vila Palmeira, em Novo Hamburgo), a Guajuviras (utilizada na comunidade Guajuviras, em Canoas) e o Pampavivo (utilizado no Clube de Trocas de Novo Hamburgo), além do Txai, moeda social criada em função do Fórum Social Mundial.

Texto: Maurício Fanfa

Foto: Ariéli Ziegler


Abertas as portas da 19ª Feicoop e da 8º Ecosol


Hortifrutis sem agrotóxicos serão vendidos especialmente no sábado, dia 14, pela manhã. Foto: Júlia Schnorr

Começou às 8h de hoje, em Santa Maria, o maior evento de Economia Solidária da América Latina. Entre os dias 13 e 15 de julho mais de 160 mil visitantes devem passar pela 19ª Feira Estadual do Cooperativismo (Feicoop) e 8ª Feira de Economia Solidária do Mercosul (Ecosol). Conforme a Brigada Militar, no ano passado o público total foi de 151 mil pessoas.

Cerca de 800 expositores estão distribuídos no Centro de Referência em Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, que fica na Rua Heitor Campos, no Bairro Medianeira. Neste ano, o espaço tem mais de 20 mil metros quadrados de cobertura.

Além da comercialização de produtos de integrantes da agricultura familiar, agroindústrias familiares, povos indígenas, trabalhadores do campo, entre outros, a programação está recheada de atividades como seminários e oficinas para promover debates e troca de experiências. O objetivo do evento é motivar a consciência de um comércio justo, consumo ético e solidário, no fortalecimento da segurança alimentar nutricional sustentável. A abertura oficial será hoje, às 16h.

Em paralelo, também ocorrerão a 11ª Feira Nacional de Economia Solidária, 12ª Mostra da Biodiversidade e Feira de Agricultura Familiar, 8º Seminário Latino Americano de Economia Solidária, 8ª Caminhada Internacional e Ecumênica pela Paz e 8º Levante da Juventude. Os eventos são promovidos pelo Projeto Esperança/ Cooesperança, da Arquidiocese de Santa Maria, com apoio da Prefeitura Municipal.

Mais informações com a assessoria de imprensa do evento pelo telefone (55) 9681-1384.

Texto: Alessandra Noal – Repórter TV OVO

Confira a cobertura colaborativa da TV OVO durante a 17ª Feicoop clicando aqui.


Sábado de festa no Feirão Colonial


Há 20 anos, o projeto Esperança/Coopeesperança lançou o Feirão Colonial, iniciativa que articula pequenos agricultores, além de outros empreendimentos através da economia solidária. Os objetivos são vários, como disponibilizar produtos de qualidade, como alimentos agroecológicos provindos da agricultura familiar, e resultados de trabalho do cooperativismo que geram renda para os grupos organizados de Santa Maria e região.

Para comemorar as duas décadas de Feirão Colonial, foi elaborada uma programação especial. As atividades ocorrem no Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, no próximo sábado, dia 31 de março.

Programação:

Ø  7h às 11h30min. – Comercialização Direta

Ø  8 horas

- Acolhida

- Mística do Levante Popular da Juventude

Ø  8h30min

- Ato Oficial Comemorativo dos 20 anos do Feirão Colonial

- Contextualização do Histórico dos 20 anos do Feirão Colonial

- Lançamento da Revista dos 20 anos do Feirão Colonial

- Pronunciamentos diversos (Autoridades, Empreendimentos, Entidades e Setores

Públicos)

- Entrega de materiais (20 Gôndolas e 16 Balanças) do MDA (Ministério do

Desenvolvimento Agrário) e da CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento).

- Presença do Núcleo Técnico e Núcleo Dirigente do Território de Cidadania e

representantes da Coordenadoria Regional de Agricultura, Pesca e Cooperativismo.

- Atividades Culturais

Café Colonial com os Produtos do Feirão Colonial.

- Entrega de mudas de árvores Nativas, cortesia da FEPAGRO/SM e sorteio de sacolas

retornáveis.

- Confraternização, Festejos Populares e visitação ao Feirão Colonial.

Com informações da assessoria do projeto Esperança/Cooesperança.


Fórum Social Temático ocorre no final de janeiro


A região metropolitana de Porto Alegre será palco de discussões no Fórum Social Temático 2012 a partir do dia 24. A três semanas da abertura, nomes como MV Bill, Fito Paez e Gil já estão confirmados na agenda cultural.

A atividade está relacionada ao Fórum Social Mundial, evento que reúne diversos movimentos sociais e organizações não-governamentais desde 2001 para discutir alternativas socioeconômicas para o mundo globalizado.

Neste ano as atividades ocorrerão em Porto Alegre, São Leopoldo, Novo Hamburgo e Canoas, sendo que o Acampamento Intercontinetal da Juventude retorna para o Parque da Harmonia, na capital gaúcha.

Durante o FST 2012, diversos encontros autogestionados ocorrem nas cidades, sendo promovidos por diferentes grupos. Um desses encontros de discussão é a roda de conversa ”Criança e Consumo: os donos do cardápio infantil”. Promovido pelo E-grupo Criança e Consumo e pelo Núcleo Interdisciplinar de Doenças Crônicas na Infância, o encontro vai discutir o mundo da publicidade de alimentos direcionado ao público infantil e a realidade alimentar dos pequenos. Interessante, não?

Diversidade é o tom das discussões nas atividades do FST. Saiba mais sobre quais grupos serão oferecidos e também qual será a agenda cultural no sítio do FST 2012.

Atenção: Mudança de local da oficina Criança e consumo: os donos do cardápio infantil – será no dia 25 de janeiro, às 9h, no Memorial do Rio Grande do Sul – Térreo – Praça da Alfândega.