Notícias

Exibições levam cultura e audiovisual para diversos públicos


O último mês foi de itinerância de exibições dos três últimos documentários produzidos por aqui: Palma, o 8º Distrito, Santa Flora e Cultura de Afetos – todos são projetos financiados pela Lei de Incentivo à Cultura.

O documentário Cultura de Afetos percorreu quatro escolas da cidade, levando aos jovens  histórias de vida, provocando discussões e reflexão, já que as histórias que abordamos são daqui, de Santa Maria. Neli Mombelli foi uma das integrantes da TV que acompanhou as exibições nas escolas, ela que assina a direção e montagem do Cultura de Afetos. Neli explica que o documentário é um produto político que trata questões importantes da nossa vida cotidiana como a diversidade de pessoas, culturas, etnias e gênero, além desses aspectos a produção discute políticas públicas relacionadas à economia solidária, questões ambientais, alimentação saudável e produção sustentável.

Cerca de 200 pessoas, entre alunos e professores, puderem acompanhar a narrativa do filme que apresenta a rede de vidas e histórias tecidas nos 25 anos da Feira Internacional do Cooperativismo (Feicoop). A produção foi até as escolas Pão dos Pobres, EMEF Reverendo Wilderlich, Escola Municipal de Aprendizagem Industrial- EMAI, e a Escola Irmão Quintino. Mas e qual é a motivação de levar todo esse material para a geração de jovens de hoje? Neli relata que apesar dos desafios vale a pena provocar essa experiência aos estudantes, “considero o documentário um filme difícil para ser trabalhado com adolescentes, porque a narrativa traz temas complexos, fala do rural e do urbano, e não tem um ritmo frenético comum das narrativas para jovens hoje em dia. Mesmo assim, levá-lo para as escolas foi surpreendente porque houve muito diálogo. Os temas do documentário são temas presentes nos debates promovidos pelas escolas, como na disciplina de Geografia, por exemplo.”

Pensar em exibir um documentário como o Cultura de Afetos para jovens do ensino fundamental é desafiador. Heitor Leal, que fez a captação de som do filme, também acompanhou as exibições e relata que foi surpreendido: “pensávamos que provavelmente os estudantes não teriam interesse, já que não acessam frequentemente esse tipo de produção, era de se esperar pouca receptividade. Foi aí que nos enganamos. Em todas as escolas pelas quais passamos o documentário foi bem recebido e em muitas teve um debate bastante proveitoso com os alunos”. Os 50 minutos de falas sobre pautas políticas e sociais cativou muitos dos jovens presentes nas exibições. Heitor ainda acrescenta: “o momento mais interessante foi na Escola Municipal Pão dos Pobres, lá os professores trabalham com os alunos, por meio de seminários as questões abordadas no documentário como agricultura familiar, orgânicos e uso de agrotóxicos. Desta forma o debate foi bem produtivo. Mas não dá para deixar de falar de todas as outras escolas. O EMAI é uma escola técnica que reúne alunos de diversas outras escolas e se mostraram bastante interessados pelo tema, assim como os estudantes da Reverendo Alfredo Winderlich. E finalizamos com o nosso maior público na Escola Irmão Quintino, onde o documentário despertou o interesse dos alunos em participar da feira”.

Outra produção que entrou em circulação foi o documentário Palma, o 8º Distrito, dirigido por Denise Copetti. O lançamento foi na Feira do Livro de Santa Maria, no espaço Livro Livre, e seguiu para exibição no Distrito de Palma – no local onde as histórias contadas afloraram. Cerca de 90 pessoas aguardavam a sessão de cinema organizada na Capela de Santa Terezinha.

Mesmo numa noite fria, o burburinho de vozes tomava o salão. Heitor, responsável por montar a tela para exibição, conta, entre risos, que é sempre uma “função”, “mesmo com esses meus quatro anos de TV OVO e todas as projeções que ajudei a montar, ainda sempre sinto um frio na barriga quando começo a preparar os equipamentos para exibir algo. Acho que esse momento é como se fosse o show, montamos tudo e lá está nós e o público, esperando para ver o que preparamos. E tudo tem que dar certo. Até terminar o filme eu fico pensando ‘e se faltar um cabo? E se o computador travar?’ Mas quase sempre dá tudo certo no final e quando ouço as palmas é só alegria.

A comunidade de Palma mostrou-se grata e contente com a produção, muitos moradores ainda relataram morar em Palma desde seu princípio e não terem conhecimento de muitos fatos apresentados no filme. Seu Rógerio Bolson, morador, deu nota 10 à equipe e ao documentário. Ele também diz ter planos futuros para o filme, quando tiver o DVD quer levar aos amigos e parentes: “A exibição do documentário foi ótima, fortalece a comunidade e o coletivo”, finaliza o morador de Palma. Além de Rogério, Noemi Ramiro Vedoin, professora de História, encantou-se com o filme e o define como um regaste da história de Palma que ainda tem muito o que construir.

Após os depoimentos, as conversas e os abraços, tivemos muitos aplausos e uma mesa partilhada para recarregar as energias. Helena Moura, que trabalhou na produção do documentário sempre se entusiasma com as exibições. “O processo de voltar ao distrito para mostrar a obra pronta é muito bom, é um sentimento de alegria, felicidade. A gente se sente preenchido. É muito prazeroso, porque o intervalo de tempo entre as gravações e a finalização do documentário é muito grande. Então, a gente fica muito tempo sem ir ao distrito e sem manter contato com eles. Quando a gente começa a telefonar, a entrar em contato novamente para dizer que o documentário está pronto, eles ficam muito felizes e nós também. Quando a exibição acaba, ainda rola um bate-papo para saber se o pessoal gostou ou não. E quando o retorno é positivo nós ficamos muito gratos. Voltamos para casa com o sentimento de dever cumprido”.

O Distrito de Santa Flora também registrou suas histórias pelas lentes da nossa câmera. A equipe que produziu o documentário Santa Flora, com direção de Paulo Tavares, finalmente pode retornar ao distrito no dia 28 de maio e então proporcionar a sessão de lançamento aos moradores, aos personagens, a quem se identifica com o local. Helena, que também se envolveu com a produção desse filme, conta que o documentário foi muito elogiado pelas pessoas que estavam presentes no salão comunitário de Santa Flora e destaca a participação de seu Amaury, um dos personagens do filme. “Seu Amaury agradeceu muito pelo registro, pois o distrito não possuía nenhuma obra audiovisual.  Esse produto vai ajudar os jovens do distrito a conhecerem melhor suas histórias. Quando estávamos preparando a sala para a exibição, o pessoal estava bem ansioso, pois queriam ver o documentário e saber quem deu os depoimentos, se era alguém que conheciam ou não, se identificavam algum amigo”.

Levar ao público as produções audiovisuais que nascem a partir do trabalho coletivo, da vontade de construir histórias e laços, da cultura e do audiovisual é uma das missões da TV. Heitor revela-se um entusiasta de exibições: “Sou fã de exibições, é um importante espaço para fazermos circular nossas produções – uma das coisas mais complicadas de se fazer. A difusão das nossas obras independentes serve muito para aproximar os produtores de conteúdo dos espectadores. Aí está o grande diferencial desse formato, poder compartilhar a experiência do fazer audiovisual. E não posso esquecer também que essa atividade é uma maneira de descentralizar e democratizar os espaços de assistir cinema, levar o audiovisual a lugares que são pouco utilizados pela sétima arte e de dar visibilidade para a TV OVO, pois muitas vezes é nessas atividades que as pessoas passam a conhecer quem somos”, acredita ele.

Por Tayná Lopes

Exibição do documentário Cultura de Afetos na Escola Municipal Pão dos Pobres. Foto de Neli Mombelli


Exibições de documentários em Palma e Santa Flora: enxergar-se pelo olhar do outro


Em 2017, a TV OVO realizou produções de documentários que contam a história dos distritos de Palma e de Santa Flora, e agora chegou o momento de apresentar os filmes em suas respectivas comunidades. As exibições permitem que as comunidades conheçam o trabalho que contou com a colaboração delas para ser realizado como também é uma possibilidade de enxergar-se pelo olhar do outro.

A exibição em Palma será hoje, 23/05, quarta-feira, às 19h,  no salão da Capela de Santa Terezinha. Já em Santa Flora, será no dia 28/05, segunda-feira, às 18h30, no salão da capela de Santa Flora.

O filme sobre Palma traz quinze entrevistas concedidas pelos moradores da comunidade, que relatam histórias de infância na região, a construção da Escola Major Tancredo Penna de Moraes, a imigração italiana e algumas lendas. Já o documentário sobre o distrito de Santa Flora, a antiga colônia Vacacaí, mostra a luta e a esperança de seu povo em manter viva a sua história. Ambos os documentários fazem parte do projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade, que conta histórias de lugares e pessoas de Santa Maria, e tem financiamento pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC/SM).

Sinopses

Palma
Uma equipe em busca de histórias. Uma comunidade e a construção de um distrito. Palma, o 8º distrito de Santa Maria, é um dos últimos a ser criado, porém, sua história remonta aos tempos antigos: dos imigrantes italianos, das grandes fazendas, dos escravos, e, antes desses, dos indígenas. São histórias de outras épocas que, às margens da RSC-287, dão forma aos tempos atuais, visíveis na sua gente, nos costumes, nas crenças, nas memórias e na esperança que alimenta o futuro.

Santa Flora
Marcada pela antiga e esquecida presença indígena, pelas sesmarias que garantiram a posse do Brasil Colônia à Portugal na disputa do território com a Espanha e pela recolonização italiana, a antiga Colônia Vacacaí, hoje distrito de Santa Flora, é a principal economia rural do município de Santa Maria. Nem o forte tripé soja-arroz-gado garante um acesso digno de seus moradores ao principal centro urbano do estado do Rio Grande do Sul. O documentário Santa Flora traz, na voz de seus habitantes, a luta, a obstinação e a esperança de manter viva a história do lugar e de seu povo.

Por Larissa Essi

 

Histórias são ouvidas no distrito de Palma.


Para ler e refletir: Cronicaria é uma obra de Santa Maria para e sobre o mundo


“[…] Foi então que resolvi ser eu mesmo, e aí a crônica foi cabendo em mim e ficando mais confortável como um sapato novo que me causou bolhas e calos nos primeiros dias, mas que foi laceando com o uso, moldando-se ao formato do meu pé. […] Foi o poeta João Cabral de Mello Neto que fez a reflexão mais importante sobre o ato de escrever. Ele disse que um escritor escreve por dois motivos: ou por “excesso de ser”, como fazem os escritores prolixos e transbordantes, ou por “falta de ser”. E que ele, João Cabral, fazia parte desse último grupo: “eu sinto que me falta alguma coisa. Então, escrever é uma maneira que eu tenho de me completar. Sou como aquele sujeito que não tem perna e usa uma perna de pau, uma muleta. A poesia preenche o vazio existencial.””

Este trecho de Marcello Canellas, na crônica Para que um cronista escreve?, do livro recém lançado Cronicaria, traduz o sentimento de um, ou de vários escritores, inclusive o da jovem Manuela Fantinel. Apaixonada pela escrita e pela literatura, Manu que está prestes a se formar em Jornalismo, deu vida às páginas do Cronicaria junto de Marcelo, com organização da também jornalista Neli Mombelli. Tudo começou com um projeto do Sobrado Centro Cultural e da TV OVO – o sonho de publicar uma obra impressa recheada de crônicas que provocassem sentimentos, reflexão e identificação aos santa-marienses e ao mundo, a partir de olhares nativos daqui.

O sonho ganhou forma a partir de uma campanha de financiamento coletivo que circulou pelas redes, e engajou 126 pessoas das mais variadas: ilustradores, leitores assíduos, fotógrafos, jornalistas, publicitários, amigos, admiradores, familiares da Manu, fãs do Marcelo, professores e estudantes. Na plataforma online, toda quarta e todo sábado era dia de crônica, nas quartas Manuela escrevia sobre amor, sobre dor, sobre feminismo, emocionava e encantava; no sábado, Marcelo recordava o passado, trazia poesia aos fatos cotidianos, envolvia quem passasse os olhos pelo texto. Qualquer pessoa poderia passar uns minutos por ali, viajando entre as narrativas, as lembranças, e as aspirações dos nossos cronistas.

A partir de todo carinho, confiança e trabalho dos muitos parceiros, o Cronicaria nasceu em versão impressa, com lançamento na Feira do Livro de Santa Maria no início do mês de maio. A sessão de autógrafos lotou e, em um mês, foram vendidos quase 200 exemplares, além dos 800 que estão sendo distribuídos gratuitamente nas escolas públicas municipais de Santa Maria. O Cronicaria, inclusive, figurou entre os cinco livros mais vendidos da Feira.

Os pais de Manuela, Marlova e Giovani Fantinel, compartilharam a sensação de felicidade por mais uma conquista da filha no dia do lançamento: “Estamos muito felizes, muito orgulhosos. A Manu está fazendo aquilo que ela gosta, aquilo que ela ama, então ela se realizando, eu e a mãe dela nos realizamos juntos. E temos certeza que é o primeiro livro de muitos outros, porque ela gosta de escrever e faz isso com o coração, além de que ela tem as competências para fazer, a escrita faz parte dela, é um talento”, relata o pai de Manu. A mãe Marlova ainda acrescenta: “ela escreve muito o que ela sente, a opinião dela, é ela nos textos, quem conhece sabe que é a escrita da Manu. Ela sempre gostou de escrever e sempre escreveu. Eu só desejo sorte para que continue e não desista. Sempre digo para ela que sonhar é livre, tem que sonhar, mas também tem que buscar, se esforçar e acho que isso ela tem feito”.

Mas os dois escritores não são só inspiração para Marlova e Giovani. Luiza Rorato, estudante de Jornalismo de 21 anos, se espelha em Marcelo e conta que não perdia a leitura de nenhuma crônica quando eram publicadas na internet. “Eu acompanhava as crônicas todos os dias que elas saiam, tanto da Manu como do Marcelo, e eu era apaixonada lendo, nas quartas e no sábado. O meu foco no trabalho final de graduação vai ser pesquisar sobre o Marcelo Canellas, a partir de algumas produções dele, eu o adoro, tanto como pessoa quanto como jornalista. O trabalho dele é uma coisa que eu amo, eu me identifico porque a narrativa do Marcelo me toca e ele é muito presente em Santa Maria. Ele é muito santa-mariense, isso faz eu me sentir representada. Já a Manu eu vejo que ela é mais um jeito “mundo nas nuvens”, tem um estilo mais puxado para o literário, enquanto o Marcelo é mais voltado para a veracidade, para os fatos do dia a dia”.

Não importa o estilo de escrita, a linguagem ou as formas de construção das ideias, o que impressiona e diferencia é o sentimento que existe em meio as vírgulas, parágrafos e reticências. As páginas do Cronicaria são puro sentimento. Orlando Fonseca, professor de Letras e escritor, afirma que para ser um escritor é preciso ser verdadeiro consigo mesmo e a Manu nos conta que o ato escrever é uma troca, “espero que não me faltem histórias inspiradoras nesta vida. Seguirei escrevendo, como eu sempre fiz. Se eu tiver a sorte de contar com alguns leitores, melhor ainda, melhor que escrever é escrever e ser lida. A troca é o que deixa a vida completa”. Orlando Fonseca ressalta que, hoje em dia, para se colocar no mercado editorial é muito difícil, então se tu tens um “padrinho” como o Marcelo podes alçar grandes voos. Para ele, o texto vai ter facilidade de circular, se claro, tiveres uma escrita de qualidade.

Assim como o nome Cronicaria foi uma junção de palavras, uma mistura de: cotidiano, crônicas e Santa Maria, o gênero textual crônica também se faz a partir de uma fusão de estilos. Orlando explica que a crônica não tem especificidades, que ela importa técnicas e atitudes de escritores de outras categorias. “A crônica nasce junto com o jornal e com isso tem muito da cotidianidade de quem busca os fatos mas logo também se distancia do jornalismo porque o jornalista busca a veracidade dos fatos ou pelo menos a historicidade do fato, enquanto, o cronista vai buscar no mesmo fato, no mesmo cotidiano, o que foge da realidade, aquilo que é fantasioso, o que é possível produzir uma reflexão lírica. Uma dimensão poética para o cotidiano, o que o jornalista evidentemente não costuma fazer”, explica o professor. Assim, o Cronicaria é a brecha para dois jornalistas suspirarem nos intervalos do texto jornalístico. Segundo Orlando, a crônica é um gênero típico brasileiro, e que não olha o aspecto trágico da existência, mas direciona o olhar às possibilidades do pitoresco e do fantasioso, ainda que trate de fatos contundentes.

Em meio as 95 páginas do livro e 31 crônicas, o Cronicaria, na visão daqueles que o criaram é mais que um livro, é um sonho já realizado de pessoas que acreditam que é preciso olhar as delicadezas do mundo e refletir sobre as indelicadezas da sociedade. Renan Mattos, Marcos Borba, Neli Mombelli, Alexsandro Pedrollo, Elias Monteiro, Denise Copetti, Paulo Tavares, Isabela Grotto, Maria Luiza Milbradt colaboraram de diferentes formas com a proposta e idealização, com “fotocrônicas”, ilustrações sensíveis, texto de apresentação, projeto gráfico, coordenação editorial, web design entre outras funções que então se transformaram em uma obra de 1200 exemplares.

Pessoas de diferentes idades mostraram-se interessadas nas histórias do livro. Luisa, Victor, Maria Luiza e Dion estavam na fila de autógrafos com o livro nas mãos e muitas expectativas em mente. Victor Thiago Reis, de 28 anos, estudante de Arquitetura e Urbanismo adiantou-se e comprou o livro antes do lançamento para garantir a leitura. “Eu comprei o Cronicaria porque conheço a Manuela desde sempre, porque eu curto Jornalismo e porque eu gosto de ler crônicas.  Estou aqui pelo carinho, para prestigiar ela, porque daqui um tempo ela vai longe”. Victor já iniciou a leitura e espera encontrar mais tempo durante a rotina universitária para ficar na companhia do Cronicaria. Já Luiza Mezomo, de 15 anos, estudante e prima da Manu, adquiriu o livro poucos minutos antes de entrar na fila e disse estar ansiosa para ler. “Estou nessa fila agora porque a Manu escreve textos muito bons sobre as coisas que acontecem no nosso dia a dia. Ela consegue expressar o que a gente sente pelas palavras e de uma forma que ajuda as outras pessoas”. A designer gráfica Maria Luiza Milbradt, de 23 anos, que criou a marca do livro e também estava na fila de autógrafos, ressalta a importância de trazer dois autores diferentes em um mesmo livro: “Eu gosto muito do texto do Canellas, e com a escrita da Manu rola bastante identificação por ela ser jovem. Eu não conhecia o texto da Manu, mas por meio do projeto Cronicaria eu conheci e adorei a visão dos textos dela. Eles trazem questões para se pensar sobre a cidade. É legal esse contraponto do mais velho com o mais jovem, de um cara que está fora da cidade, que mora em Brasília, mas que também é de Santa Maria, e da Manu, que vivencia aqui, que está direto aqui”.

Dion Nunes, professor de inglês de 31 anos, ali mesmo na fila já começou sua leitura e demostrou interesse para além da narrativa escrita. Ele ressaltou a beleza das fotografias presentes no livro. “Há muitos anos conheço o trabalho do Marcelo e eu também gostei bastante das fotos que eu estou vendo aqui, inclusive um desses prédios da fotografia foi o primeiro que eu morei em Santa Maria. Essa janela aqui era do meu quarto, então meu quarto está eternizado no livro, já consegui encontrar identificação fora do texto”, comenta Dion apontando uma das imagens do livro.

O Cronicaria foi bem recebido por todos na Praça Saldanha Marinho, nas bancas de livros e no coração de quem o tinha nas mãos. Manu relata que o momento do lançamento foi muito especial. “Eu me senti sendo reconhecida por fazer algo que eu amo e acredito. Estive cercada de pessoas que generosamente torcem por mim e que a admiração é recíproca. Existe sensação melhor que essa? Foi emocionante ver um projeto realizado com tanto amor, sendo amado”. Um livro que nasceu por várias mãos, vários olhares e busca estar na estante de várias pessoas. São “doses homeopáticas de reflexões narrativas cotidianas”, como descreve o título do texto de apresentação do livro. E é complementado por Manu: “As crônicas são leves, mas não são bobas – são reflexões inteligentes e necessárias sobre a vida. É o nosso olhar – crítico, mas generoso – sobre o que já é notícia, sobre o que deveria ser notícia e sobre os detalhes do cotidiano que as câmeras não alcançam. O Cronicaria é para treinar o nosso olhar para o outro”. Quem tiver interesse em adquirir a obra, ela está disponível na Cesma, na Livraria Athena e na loja online da TV OVO.

Por Tayná Lopes

Manuela e Marcelo na sessão de autógrafos do Cronicaria na Feira do Livro de Santa Maria. Foto de Jaiana Garcia

 

 


Festival Assimetria exibiu mais de trinta filmes em dois dias


A primeira edição do Assimetria – Festival Universitário de Cinema e Audiovisual realizado entre os dias 14 e 16 de maio na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) foi sucesso de público e de produções. Foram exibidas 32 produções, de 56 inscritas, divididas nas categorias ficção, documentário e experimental. Além disso, circularam mais de 160 pessoas entre os dois pelas sessões que iniciavam às 14h30 e encerravam às 17h.

O festival premiou o melhor filme eleito pelo júri popular e os melhores filmes em cada uma das categorias, sendo o júri técnico composto pelos professores José Cláudio Castanheira (UFSC), Maria Cristina Tonetto (UFN), Gilvan Dockhorn (UFSM) e pelo professor aposentado Luiz Carlos Grassi.

Na categoria ficção, o vencedor foi o filme Sob o Signo de Escorpião (2017, 16’27”), dirigido por Nathan Luchina, produzido no curso de Cinema da UFSC. A narrativa traz características de suspense, já enunciados na sua sinopse: Virgínia levanta, faz um drinque, escreve. Um envelope sem remetente e de conteúdo misterioso perturba o seu dia.

Na categoria experimental, o vencedor foi Ansiedade (2017, 5’), dirigido por Bernardo Schmitt, também do curso de Cinema da UFSC. A sinopse descreve a obra como um documentário experimental que explora a ansiedade nas ramificações da sociedade moderna.

E nas categorias documentário e júri popular, o premiado foi Metamorfoses (2017, 15’), de Natália dos Santos Beck, produzido no curso de Produção Editorial da UFSM. Conforme a sinopse, o documentário trata a tatuagem como um mecanismo de expressão do indivíduo através do corpo, abordando os temas expressão visual, identidade e arte. Conduzida pela narração poética, a obra é composta por depoimentos de tatuados e tatuadores, performance artística, videoarte e trilha sonora autoral incitando um novo olhar sobre a tatuagem, a body art e a body modification.

Ainda, o curta A Bailarina (2017, 2’40”), inscrito na categoria experimental, de Lucas Argenta, produzido no curso de Desenho Industrial da UFSM usando a técnica de rotoscopia, recebeu menção honrosa. A Bailarina constrói-se na expectativa nostálgica de uma menina que ao rever objetos de seu passado, encontra uma caixinha de música que a envolve em um sonho de infância não realizado, o de se tornar uma bailarina.

Dos 32 filmes selecionados, 8 eram da categoria experimental, 6 documentários e 18 da categoria ficção. Cabe ressaltar ainda, dentro desse universo, os mais votados no júri popular. Dentre os cinco primeiros lugares, com exceção do primeiro, Metamorfoses, que é um documentário, os demais são todos da categoria ficção.

O segundo lugar mais votado foi i13.9 (2017, 1’), com direção de Matheus Fighera, acadêmico de Desenho Industrial da UFSM, que trata da reação do terceiro mundo à catástrofe nuclear. Já o terceiro lugar, Astronauta (2017, 11’), de Theo Tajes, do curso de Realização Audiovisual da Unisinos, conta a história de um menino e seu pai, que vivem em um enorme ferro velho. A mãe (e esposa) os abandonou há muitos anos. Um dia, o menino encontra um capacete de astronauta em meio aos destroços e decide se aventurar mundo afora atrás de sua mãe.

Empatados com o quarto lugar estão Drago e Karma. Drago (2018, 12’), dirigido por Alan Orlando, acadêmico de Produção Editorial da UFSM, trata do ser em colapso. Silva é só mais um transeunte em crise existencial. A sua relação com um edifício da cidade é o plano de fundo para sua briga interna. Já Karma (2016, 7’34”), produzido no curso de Jornalismo da UFN, com direção de Victor Mosttajo, traz o drama de um taxista aposentado, que sozinho em seu carro, se prepara para acabar com a própria vida. Pouco antes de dar o último suspiro, uma memória o faz relembrar da noite que o levou até aquele ponto. Aquela foi a noite de sua ruína, mas também o seu maior momento de altruísmo, seria isso o suficiente para o impedi-lo de desistir de tudo?

O festival integrou a programação do 6º Fórum Arte, Cinema e Audiovisual, que é realizado pelo Mestrado em Artes Visuais (PPGART), Centro de Artes e Letras (CAL) da UFSM, Laboratório de Pesquisa em Arte Contemporânea, Tecnologia e Mídias Digitais (LABART), Cineclube da Boca e da TV OVO, com parceria de professores do curso de Cinema da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Além do festival, o fórum contou, na segunda, 14, com uma mesa sobre Festivais Universitários, com a presença de Célia Mello (UFSC) e Kitta Tonetto da (UFN), e uma mesa sobre Produção de Festivais e Mostras com a Irit Batsry (FUSO/Portugal) e Ana Lígia (MIS/SC), além de uma oficina de documentário de 14 a 16, chamada de Poética da Realidade, que foi ministrada pelo cineasta uruguaio Gabriel Szollosy.

Por Fernanda Marques e Neli Mombelli

Dois dias com 32 filmes exibidos e mais de 160 espectadores. Foto de Roger Bonfanti Haeffner


Sábado, 12/05, foi dia de aniversário e Rock na Feira do Livro de Santa Maria


O anoitecer frio do sábado, 12 de maio, dia do aniversário de 22 anos da TV OVO, foi regado a Rock’n’roll na Feira do Livro de Santa Maria. Amantes, simpatizantes e interessados se reuniram na Praça Saldanha Marinho para acompanhar a exibição do episódio piloto da série documental do Rock do K7 e reviver um pouco da Santa Maria apelidada de Seatle do Sul, berço de bandas do rock alternativo dos anos 70, 80 e 90.

A proposta é de que a série Rock do K7 tenha entre 10 e 13 episódios, cada um deles contando a história de uma banda do interior do Estado que marcou época e misturando um enredo de ficção, que parte de uma coleção de fitas cassete. O projeto é uma produção da TV OVO em parceria com a Finish Produtora. O episódio piloto teve parte dos recursos financiados pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Além da exibição do primeiro episódio, que contou com mais de 100 pessoas no público, a noite de sábado também teve um debate sobre a memória do rock de Santa Maria com o professor Leonardo Guedes Henn, que ministra a disciplina de História do Rock no Brasil na Universidade Franciscana (UFN) e contou com a participação de Renato Molina, músico e sonoplasta da Rádio UniFm, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), que integra essa memória por ter participado de diversas bandas, entre elas de A Bruxa, retratada no episódio exibido na praça. A conversa mostrou as várias faces do rock santa-mariense e problematizou as produções do presente e do passado.

A noite terminou com rock, claro, com a apresentação acústica da banda Magical Mistery, da qual participa Molina. O grupo está arrecadando fundos para ir para Liverpool, em agosto, representando Santa Maria na International Beatles Week.

Por Fernanda Marques

Marcos Borba mediou a conversa sobre a memória do rock santa-mariense. Foto de Neli Mombelli


A melodia do rock virou piloto de série documental que mistura ficção e realidade


Já pensou em voltar no tempo e curtir um rock das antigas? E melhor ainda, acompanhar uma narrativa musical que conta sobre lendas, amores, desamores e o cenário do Rock’n’roll de Santa Maria nos anos 70, 80 e 90?!Tudo isso faz parte do projeto piloto da série documental Rock do K7. Marcos Borba, o diretor e roteirista da ideia audiovisual afirma que Santa Maria tem uma cena musical forte, especialmente com o rock: “a cidade já foi apelidada de Seattle do Sul. Pensamos em fazer um projeto que uma personagem jovem, imersa na tecnologia de hoje, fosse descobrindo esse passado e postando essas descobertas na rede”. Assim surgiu a proposta híbrida, que mistura documentário e ficção.

A exibição de lançamento do episódio vai ser na Feira do Livro da cidade, na praça Saldanha Marinho, às 19h, no sábado, 12/05. Além do episódio, também terá um debate sobre a memória do rock santa-mariense. Então se tu curtes audiovisual, rock e troca de ideias, aparece lá.

Entre acordes, notas, relatos e atuações, o Rock do K7 surge como uma produção autoral e inovadora, que mistura ficção e realidade e busca trazer em cada episódio da série uma banda do contexto do rock alternativo do Rio Grande do Sul. Na parte documental do episódio piloto temos três personagens que formavam a banda A Bruxa: Renato Molina, Gércy Pichinin e o Guido Isaia. É a partir da personagem ficcional Fran (Luiza Prolla) e do seu encontro com uma coleção de fitas cassetes do seu tio Pedro (Paulo Chagas) que toda a história se desenrola. No elenco, ainda está Luiz (Tiago Teles), como pai de Fran.

A proposta audiovisual surgiu a partir da intenção de concorrer a um edital que financiava séries para compor a programação de TV´s Públicas do Brasil. A ideia ainda é compor a grade televisiva de algum canal. O grupo responsável pelo Rock do k7 está mapeando possíveis espaços nacionais pra exibições, e já entrou num edital do Canal Brasil. Parte do recurso para produção do episódio piloto foi financiada pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria e a Finish produtora também entrou como parceira da proposta.

Mesmo com poucos recursos financeiros, a equipe abraçou o roteiro e partiu para a produção, já que não foi possível conseguir patrocínios para bancar toda a obra. O jeito foi motivar a equipe com mais de 20 profissionais para dar vida ao projeto.

E para despertar a curiosidade do público, sobretudo para de alguma forma cativar a geração atual de jovens, Marcos diz que a intenção do Rock do K7 é criar o um arco narrativo longo para os personagens de ficção, em que eles vão se modificando e amadurecendo a cada episódio. “Queremos que as pessoas fiquem ligadas no que a personagem da Fran está descobrindo e postando, já que serão criadas redes sociais para que ela divulgue esse acervo. Na parte documental, nosso objetivo é registrar um pouco da história do rock nacional que não é contada, pois a maioria das bandas que o projeto irá registrar teve uma atuação mais local. O projeto também busca mostrar que do lado da gente pode ter um roqueiro da antiga que hoje é dentista, empresário ou funcionário público, por exemplo”.

Agregar bons profissionais e produzir o episódio piloto de uma série que pretende ter outros nove episódios foi o primeiro passo do projeto, que sonha alto: “Temos uma equipe maravilhosa e muito qualificada. Quando estamos gravando, cria-se uma energia que leva o projeto para frente e acredito que iremos emplacar o Rock do K7 na grade de programação de alguma TV nacional”, deseja Marcos e toda a equipe do projeto.

Por Tayná Lopes
Foto de Pedro Piegas

Entrevista com Gércy Pichinin, ortodontista que foi guitarrista da banda “A Bruxa”