Notícias

Seleção de voluntários e estagiários para o segundo semestre de 2017


Que tal integrar nossa equipe?
Iremos selecionar três voluntários e/ou estagiários que estejam cursando Comunicação Social e ou área afim para o segundo semestre de 2017. Como pré-requisito para desenvolver atividades com a gente é preciso ter três turnos livres pela manhã ou pela tarde e, claro, gostar bastante de audiovisual.

As atividades podem contar como estágio curricular ou ACG/ACC para alunos de graduação, conforme regulamento do curso a qual o estudante está vinculado.

As inscrições iniciam no dia 24 de julho e podem ser feitas até 3 de agosto neste formulário. As entrevistas serão de 8 a 10 de agosto. Entraremos em contato por e-mail para agendar o horário.

Vem! :)

voluntáriosvoluntários


A feira que semeia histórias


Um documentário, assim como uma feira, não é feito da noite para o dia, e, também não é realizado apenas por uma pessoa. Nos dias 7, 8 e 9 de julho, a equipe da TV OVO esteve presente em mais uma Feira Internacional do Cooperativismo (Feicoop), onde conheceu histórias de produtores de diversas partes do Brasil e da América Latina.

Isso porque, em 2018, a feira completa 25 anos e a TV OVO irá transformar parte dessa trajetória em um registro audiovisual. Nestes anos, a Feicoop se consolidou, principalmente, como um espaço de diversidades culturais, articulações, debates e trocas de experiências entre empreendimentos ligados à economia solidária, que compreendem agroindústrias familiares, povos indígenas, catadores, quilombolas entre outros diversos movimentos sociais. Este ano, a 24ª edição da Feicoop reuniu expositores de mais de 500 municípios de todos os estados brasileiros e de mais de vinte países, como, por exemplo, África do Sul, Alemanha, Argentina, Chile, China, Colômbia, Costa do Marfim, Cuba, Equador, Espanha, Hungria, Itália, México, Nicarágua, Paraguai, Peru, Portugal, Senegal e Uruguai.

A pré-produção do documentário iniciou em junho,quando foram feitas as primeiras entrevistas com os produtores locais no Feirão Colonial, que é realizado aos sábados, das 7h às 11h30min, no Centro de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter. As entrevistas com  participantes locais e de outros estados e países foram gravadas no último final de semana, além de imagens das diversas atividades. Foram 3 equipes de gravação com 11 pessoas envolvidas ao todo.

O documentário tem financiamento da Lei de Incentivo a Cultura (Lic/SM). O lançamento deverá ser na próxima edição da Feicoop entre os dias 12 e 15 de julho de 2018, em Santa Maria.

Por Pedro Piegas (texto e fotografia)

documentário feicoop


Exposição e oficinas movimentam o Sobrado Centro Cultural


Nos meses de junho e julho, nossa sede foi espaço para dois projetos culturais que incluem exposições de imagens, com o Fábulas Contínuas, e de oficinas, com atividades propostas pelo projeto Mês do Rock.

A edição deste ano do Fábulas Contínuas,  do artista e fotógrafo Leo Caobelli, é uma exposição itinerante que percorre cidades do interior do Rio Grande do Sul. Já passou por Bagé, Santa Maria, e, agora em julho passa por Pelotas. Em Santa Maria, a exposição, chamada Algum pequeno oásis de fatalidade perdido num deserto de erros, teve como propósito trabalhar com imagens a partir da recuperação de arquivos em HD’s comprados em galpões de reciclagem de alumínio.

A partir da escolha destas fotos, a exposição é criada com o desenvolvimento de pequenos jogos, como o Solitaire, mais conhecido como Paciência, e o Palamedes. O Solitaire é a “sobreposição de imagens, que uma imagem vai passando para outra formando pares e trios com o objetivo de criar uma narrativa”, explica Caobelli. Já o Palamedes é como se fosse um jogo de dados interativos em que o jogador precisa acertar fotografias iguais a partir da combinação de um acervo de três mil imagens. Essas fotos são retiradas dos HD’s e catalogadas de acordo com o conteúdo como festas, estradas, bebês e aniversários. O jogo foi desenvolvido em conjunto com Fernando Krum,  professor dos cursos de Comunicação Social e Comunicação Digital da Unisinos, em São Leopoldo.

A mostra do projeto Fábulas Contínuas faz refletir sobre o o crescente acúmulo de lixo eletrônico. As pessoas não se dão conta quando computadores são jogados no lixo, também vão para a lixeira importantes documentos de preservação de nossa própria memória como fotografias, vídeos, documentos em texto e entre outros arquivos pessoais. O projeto conta com recusros do Fundo de Apoio à Cultura (Fac) do Estado.

Mês do Rock

O outro projeto para quem o Sobrado Centro Cultural abriu as portas é o Mês do Rock. Por três semanas no mês de julho, a sede da TV OVO recebe oficinas relacionadas ao gênero, como a de Rockcustomização, onde os integrantes tiveram a oportunidade customizar roupas. Também teve a oficina de atuação artística com o músico Pylla Kroth, em que ele explicou aspectos importantes da carreira de músicos, como por exemplo, as leis de direitos autorais.

Ainda teve oficina de Produção Gráfica, com Diego de Grandi; Produção musical, com Léo Mayer; Audiovisual, com Fabiano Foggiato. Nesta semana terá de Roadagem, com Mauro Di Giácomo; Assessoria de Imprensa, com Ana Bittencourt; Produção de palco/tour, com Sandor Mello; Cobertura de shows (repórter e fotógrafo), com Márcio Grings e Fabiano Dallmeyer. E também terá um workshop de bateria com o músico Cezar Nogueira, na Musiartes.

Além das oficinas, o projeto, organizado pelo produtor Márcio Grings, terá shows na Praça Saldanha Marinho e em bares de Santa Maria. Também há uma exposição de fotografias com imagens de músicos da cidade captadas por fotógrafos santa-marienses. As fotos estão expostas no Salão de Atos da SUCV (Rua Venâncio Aires, 2035)  até o dia 31 de julho. O horário de visitação é de segunda a sexta-feira, das 7h30min às 13h, e das 14h às 16h30min. O Mês do Rock teve captação de recursos via Lei de Incentivo à Cultura.

Por Pedro Piegas

Montagem da exposição Fábulas Contínuas no Sobrado Centro Cultural.

Montagem da exposição Fábulas Contínuas no Sobrado Centro Cultural. Na foto Leo Caobelli e Fernando Krum, organizadores da mostra.


Quando o endereço está errado


Em reportagem publicada pelo Diário de Santa Maria, no dia 04 de julho, a respeito de imóveis abandonados na cidade, consta o sobrado onde fica a sede da TV OVO. A menção do endereço da casa (Rua Floriano Peixoto esquina com Ernesto Becker) e a inclusão da fotografia, na versão online, não é apenas injusta, mas é jornalisticamente errada. O local simboliza o oposto do abandono! É o resgate de um espaço que hoje está vivo, ocupado e pleno de atividades culturais que comprovam o contrário do que a reportagem quer mostrar. Inclusive há um projeto de restauro em andamento que o transformará em um centro cultural.

Na matéria, a galeria de fotos se chama “o endereço do abandono” e coloca todos os imóveis no mesmo patamar. Todos os 46 espaços listados são olhados como “pontos vulneráveis à ocupação por moradores de rua, usuários de drogas ilícitas e potenciais esconderijos para criminosos…”. Não há qualquer menção de que a casa da TV OVO não está abandonada, que é bem cuidada, possui câmeras de vigilância e cerca elétrica, apenas consta como “local fechado”.

A situação fica inaceitável porque a reportagem esteve na sede e conversou com dois integrantes da TV OVO que limpavam o espaço interno do sobrado para abrigar uma exposição de artes de um projeto da capital, que abriria naquele dia. A falta de apuração da matéria, que leva o leitor a entender que o espaço está abandonado, coloca todo o trabalho desenvolvido pela TV OVO em xeque e tem causado transtornos.

Ainda, é contraditório comparar a cobertura que o Diário de Santa Maria fez, no ano passado, sobre os projetos de restauração do sobrado e construção de um centro cultural para a cidade, e pouco mais de um ano o inclui na lista dos imóveis abandonados e com potencial perigo para a sociedade.

O fato é que a casa não está abandonada. Se a reportagem tivesse realmente apurado a informação enviada pela Brigada Militar ou, ainda, se a reportagem procurasse informações no próprio Diário de Santa Maria, saberia que desde 2012 a TV OVO ocupa o espaço, com todas os cuidados de segurança previstos na lei e não oferece nenhum risco para a população, muito pelo contrário!

SOBRADO-CASAROVO-04

Projeto Sobrado Centro Cultural


O audiovisual e a memória dos distritos: exibição dos documentários sobre Santo Antão e São Valentim


Após os lançamentos dos documentários sobre os distritos de São Valentim e Santo Antão na Feira do Livro, os distritos estão recebendo as sessões de exibição das obras.

Hoje, São Valentim vai poder acompanhar as histórias contadas pela nossa equipe no documentário sobre o distrito. A sessão será às 15 horas, na Escola Municipal José Paim de Oliveira.

Na última quarta-feira (31), foi apresentado o documentário na comunidade de Santo Antão. Cerca de 20 pessoas acompanharam as histórias sobre o monge heremita Giovanni Maria de Agostini, sobre a salgadeira na passagem dos jesuítas, os percalços com as condições estrada e o potencial turístico que o distrito possui para diversos esportes radicais. Após a sessão, os moradores puderam conversar com o diretor Marcos Borba sobre o processo de produção da obra.

A moradora de Santo Antão, Svami Palmeira Rezes, acompanhou atenta as imagens na tela e até se surpreendeu com algumas das histórias contadas sobre o distrito em que mora há mais de dez anos: “uma experiência muito boa, por que tem coisa que a gente nem sabia, tem coisas que foram novidade pra mim”, conta a professora aposentada.

Os dois documentários, produzidos durante 2016, integram o projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade, que iniciou em 2008, que registra e mantém viva as histórias que permeiam os distritos, bairros e ruas de Santa Maria. Além disso, é nosso compromisso levar o audiovisual até as comunidades para fomentar as produções e levar adiante o conhecimento sobre os locais por que passamos. O projeto tem financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria e recebeu, em 2013, o Prêmio Ponto de Memória, do Instituto Brasileiro de Museus em reconhecimento ao trabalho que desenvolvemos.

São Valentim - Sinopse

Foi pelas rodas das carretas que passavam pela região que o desenvolvimento chegou a Santa Maria. Onde hoje se localiza a sede do distrito de São Valentim, carreteiros faziam paradas para descanso na sombra, davam água aos bois e seguiam viagem. Vindas principalmente de São Gabriel, Rosário do Sul e Alegrete, as carretas foram as responsáveis, durante muito tempo, pela manutenção do ciclo econômico do município. Este documentário traz recortes dessas histórias que começam por volta de 1900, com a construção da casa da “esquina dos Toniolo” – o famoso ponto de encontro dos carreteiros – e que até hoje são parte da memória dos moradores não querem perder suas raízes.

Texto e foto por Renan Mattos

santo antao foto renan

Exibição na Capela de Santo Antão, num dia de muita chuva e frio.


Programa Cena Cultural terá exibições na TV Câmara


Neste sábado (26), os episódios dos programas Cena Cultural, produzidos pela TV OVO, vão começar a ser transmitidos na programação da TV Câmara de Santa Maria, no canal 16 da NET. O projeto tem como intuito valorizar as manifestações culturais da cidade e reconhecer a importância da organização dos diferentes agentes culturais do município, de forma a contribuir significativamente para preservar a memória histórica, cultural e patrimonial de Santa Maria.

São dez programas que abordam os segmentos culturais definidos pelo Plano Municipal de Cultura, que serão transmitidos na seguinte ordem: Audiovisual, Cinema e Vídeo; Culturas Populares; Livro e Literatura; Teatro e Circo; Tradição e Folclore; Artesanato; Música; Artes Visuais; Dança; Patrimônio Histórico Artístico e Cultural. Cada episódio traz uma entrevista com um integrante do segmento para expandir a discussão da área.

Em junho, no dia 5, às 20h, vai ter exibição dos episódios do Cena Cultural na Escola Municipal de Artes Eduardo Trevisan (EMAET). O projeto Cena Cultural têm financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC/SM).


Confira a programação na TV Câmara:
Programas inéditos –  Sábados, às 20h
Programas reprises – Domingo, às 20h; terças de noite, após a sessão plenária; quartas, às 11h30min
Sinopses dos episódios por ordem das exibições:


Audiovisual, Cinema e Vídeo

O sonho, a paixão, a dedicação e a batalha dos realizadores audiovisuais santa-marienses para fazer da cidade um polo audiovisual.
Culturas Populares
O viés de coletivos santa-marienses que mostra as expressões populares da cidade em atividades artísticas, educativas, culturais e sociais.
Livro e Literatura
O vídeo destaca a importância da Feira do Livro e conta com a presença de escritores que representam o cenário literário santa-mariense.
Teatro e Circo
A arte da representação acompanha Santa Maria desde que o primeiro apito do trem ecoou nos morros de seus arredores e hoje ela se reinventa em diversos grupos e atores teatrais da cidade.
Tradição e Folclore
Os costumes, os legados e as histórias que perduram entre as gerações. O episódio sobre tradição e folclore aborda a diversidade étnica e cultural em Santa Maria, onde os grupos seguem cultivando as suas raízes para manter viva a essência da cidade.
Artesanato
Seis personagens, que fazem do artesanato local parte importante de suas vidas, contam as diferentes relações que estabelecem com sua produção.
Música
A diversidade de sons e músicos compõe o cenário multifacetado da música em Santa Maria. Entre praças, escolas e ruas podemos ouvir algumas das expressões musicais características da cidade.
Artes Visuais
O processo de descoberta artística dentro da academia, a criatividade e expressão dos quadrinhos, a fotografia como forma de registro e a arte pulsante nas ruas. Esses são alguns pontos que foram abordados no episódio sobre artes visuais em Santa Maria.
Dança
O corpo em transformação, a elegância dos movimentos como uma forma de expressão e de contar uma história. O episódio de dança fala sobre os diferentes grupos e coletivos em Santa Maria que se unem nos ritmos e coreografias.
Patrimônio Histórico Artístico e Cultural
Santa Maria tem a sua história contada e guardada através dos prédios, dos documentos e de elementos culturais. O episódio nos leva a pensar sobre a memória e o patrimônio histórico, artístico e cultural da nossa cidade.

 

Por Pedro Piegas e Heitor Leal

CENA na camara