Notícias

Colóquio Documentário, Direitos Humanos e Cidadania – um tema que veio a calhar


Um tema que nunca sai da pauta, ou, pelo menos, não deveria! Direitos Humanos e Cidadania foi o enfoque da primeira edição de 2018 do projeto Narrativas em Movimento, que contou com a participação Beth Formaggini e de Gilvan Dockhorn, realizado na Cesma. Beth é documentarista e historiadora pela Universidade Federal Fluminense, ela também é pesquisadora e fundou a produtora 4ventos. Dockhorn é historiador e professor da Universidade Federal de Santa Maria.

Antes do colóquio, exibimos o documentário Pastor Cláudio (2017, 75′), que tem direção de Beth Formaggini e que traz uma reveladora conversa entre o psicólogo Eduardo Passos e o Bispo evangélico Cláudio Guerra. Guerra é ex-chefe da polícia civil, e o mesmo assassinou e incinerou militantes que se opunham à ditadura civil militar do Brasil. O documentário, bastante impactante, trouxe diversos elementos para pensar a história  política do nosso país e os seus reflexos nos dias de hoje.

Durante o colóquio, o documentário foi bastante mencionado, sobretudo  a respeito da forma, bastante fria, como Guerra conta as histórias da época e também sobre a impunidade dele e de tantos outros, que cometeram esses mesmos crimes, decorrentes da maneira como se prosseguiu com a anistia no Brasil. Também foram abordadas questões como a morte da vereadora do PSOL, Marielle Franco. Beth comentou que “além da homofobia, que matou uma mulher lésbica, militante, negra, tem também outras forças que estavam atrás desse gatilho.”

Dockhorn comentou que leu o livro de Cláudio Guerra (Memórias de uma guerra suja) e afirmou: “Eu li o livro do Guerra, que é assustador também, mas, mais assustador, é ver o sujeito falando”, referindo-se à postura dele no documentário de Beth. O professor ressaltou ainda a importância de filmes como este,  pois “literatura, ficção, livros de história não dão a cara e a voz.”, como o cinema o faz. Para ele, documentários são essenciais para a preservação da memória e para um melhor entendimento de alguns assuntos espinhosos, como o da ditadura.

Durante o colóquio, o público, que lotou o auditório com espaço para mais de 200 pessoas, também trouxe questões relacionados à temática documentário, direitos humanos e cidadania. A programação teve financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Confira a conversa que tivemos com Beth Formaginni e Gilvan Dockhorn após o debate.

Por Larissa Essi
Fotografia de Renan Mattos

Colóquio direitos Humanos


Colóquio e sessão de cinema sobre direitos humanos e cidadania em março


O ano começa com todo o fôlego na TV OVO e, já no mês de março, retorna o colóquio Narrativas em Movimento. Com o tema Documentário, Direitos Humanos e Cidadania, o colóquio pretende expandir as ideias propostas anteriormente, unindo o audiovisual e um campo de discussão importante como o dos direitos humanos.

Para compartilhar conhecimentos, contaremos com a presença de César Guimarães, professor da Universidade Federal de Minas Gerais, doutor em Estudos Literários (Literatura Comparada) pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-doutor pela Universidade Paris 8. Guimarães tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Teorias da Imagem, atuando principalmente nos seguintes temas: cinema moderno (ficção e documentário) e experiência estética.

O colóquio contará também com a participação da cineasta e documentarista Beth Formaggini, que trabalhou com Eduardo Coutinho em produções renomadas como Edifício Master, documentário sobre um antigo e tradicional edifício situado em Copacabana, que em novembro de 2015 entrou na lista dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos, feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Entre as produções premiadas de Beth como diretora estão Xingu Cariri Caruaru Carioca, que recebeu o prêmio de melhor filme no Festival In-Edit Brasil, em 2016, Angeli 24 Horas, que venceu os prêmios de melhor documentário na Jornada da Bahia, em 2011, melhor direção de curta-metragem no Recine, em 2011, e o troféu HQ Mix, em 2012.

O colóquio Documentário, Direitos Humanos e Cidadania será no dia 16 de março de 2018, sexta-feira, na Cesma (Rua Professor Braga, nº 55,  centro), e terá a mediação do historiador e professor da UFSM, Gilvan Dockhorn. A lotação do espaço é de 200 pessoas. A pré-inscrição para para receber certificado deverá ser feita neste formulário.

Antes do colóquio, às 17h, também na Cesma, será exibido o documentário Pastor Cláudio, com direção de Beth Formaggini. A entrada é franca. O projeto Narrativas em Movimento, que está na sua terceira edição, tem o financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Por Valdemar Neto

Cartaz Narrativas Marçoface_2018


Ano novo, baterias carregadas e novos projetos audiovisuais


Para alguns, o ano inicia após o carnaval. Esse não é o nosso caso, pois nosso trabalho inicia ainda no final de dezembro e segue janeiro e fevereiro adentro na captação de recursos para os novos projetos desse ano. Você já sabe quais são?!

Para quem gosta e acompanha os documentários realizados nos distritos de Santa Maria, o projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade segue em 2018, ano em que encerraremos a série, já que só falta as localidades de Pains e Passo do Verde. E se você mora em alguma dessas localidades ou conhece alguém que possa nos contar histórias dessas regiões, entre em contato  (tvovo@tvovo.org ou 55 3026 3039).

Outro projeto que segue com a gente é o Narrativas em Movimento, o NEM. Ele trará dois colóquios sobre audiovisual, inclusive o primeiro já tem data marcada, será no dia 16 de março, às 19h na Cesma, e tem como tema Documentário, Direitos Humanos e Cidadania. Confira os teasers que já estão disponíveis sobre os convidados dessa nossa primeira conversa. Já o segundo, ocorre no mês de maio e traz para a discussão Narrativas Audiovisuais de Resistência. Além dos colóquios, também está incluso no projeto dois workshops com a temática direcionada ao audiovisual. O primeiro tem previsão para abril e será sobre produção audiovisual com tecnologia mobile, no Sobrado Centro Cultural. O segundo é para o mês de agosto, voltado para direção de arte. Os dois workshops possuem 20 vagas, então fique ligado para não perder essa oportunidade.

Tá achando que acabou?  Além disso tudo, nós apresentamos para vocês o Olhares da Comunidade. O projeto oferece oficinas de realização audiovisual para estudantes de escolas públicas, produções audiovisuais a partir das oficinas disponibilizadas e sessões de cineclube em comunidades de Santa Maria.Todos os projetos contam com o apoio da Lei de Incentivo à Cultura do município (LIC/SM).

Por Helena Moura
Foto de Alan Orlando

Iniciamos os registros para o documentário sobre Passo do verde na procissão de Nossa Senhora dos Navegantes e Iemenjá realizada em fevereiro.

Iniciamos os registros para o documentário sobre Passo do Verde na procissão de Nossa Senhora dos Navegantes e Iemanjá realizada em fevereiro.


2017: audiovisual, cultura e conhecimento


Visitas ilustres, longas viagens, horas e horas de gravação. Muito conhecimento repassado e ainda mais recebido. Podemos resumir o 2017 da TV OVO como um enorme período de trocas e aprendizados.

Conhecimento de vida, técnico e profissional vindo de nomes como Caio Cavechini, do Profissão Repórter, ou Cláudia Schulz, da Mídia Ninja, ou Sérgio Lüdtke, da Interatores, que foram nossos convidados para o primeiro colóquio do ano, o Novas Formas de Fazer Jornalismo, que rolou durante a Feira do Livro e que expôs diferentes maneiras de se noticiar algo, independentemente do veículo ou da plataforma.

Ou também as formas como o jornalismo pode caminhar de mãos dadas com o audiovisual sem perder o valor notícia e preocupar-se com o Outro. O jornalista Marcelo Canellas, a documentarista Eliza Capai e a jornalista fundadora da Rede de Jornalistas Livres, Laura Capriglione, se propuseram a nos ajudar a refletir sobre essas questões no colóquio Narrativas Audiovisuais e Informação.

Paras os aficionados por séries ou interessados em produzir o seu próprio material, o idealizador do Frapa e roteirista, Leo Garcia, e a cineasta Ana Luiza Azevedo, da Casa de Cinema de Porto Alegre, trouxeram para o debate o mercado de séries, webséries e de produções nacionais no colóquio Produção Audiovisual em Série, isso já no final do ano.

Mas não é só de colóquios que vive a TV OVO. Também caímos na estrada durante todo o ano para gravar os documentários sobre os distritos de Palma e Santa Flora, além de organizarmos exibições dos nossos outros trabalhos concluídos: os documentários de São Valentim e Santo Antão.

Tivemos ainda a oportunidade de receber no Sobrado alguns jovens de escolas públicas para aprender sobre o “estranho mundo dos seres audiovisuais”. No final, os garotos e garotas até produziram, gravaram e editaram seus próprios curtas, idealizados durantes as aulas. Veja os curtas Latinha e A ligaçãoAlém disso, durante o ano teve workshop de som, de produção audiovisual com tecnologia mobile, de fotografia para reportagem especial e produção de webséries.

No meio do ano tivemos dois intensivos nos meses de julho e agosto. Vivemos intensamente os três dias da 24ª Feicoop, ouvindo histórias de pessoas das mais variadas situações e origens. Cada entrevista, uma lição. Outro intensivo que fizemos, em agosto, foi junto com o projeto Mostra Cultural Olhares, quando caímos na estrada com uma trupe de artistas percorrendo três cidades do Noroeste do Estado. Dias de muita, mas muita cultura.

E claro, batemos cabelo com o Rock do K7, um produto híbrido que mistura documentário e ficção e fala da cena roqueira dos anos  de 1980 e início dos 90, quando a forma para conhecer novas bandas e ter acesso a essas músicas era por meio do escambo de fita K7.

Por fim, fugindo um pouco da área do audiovisual, Marcelo Canellas e Manuela Fantinel deram o tom do projeto que trouxe nossas doses homeopáticas de reflexão narrativa cotidiana, o Cronicaria,uma publicação semanal de crônicas financiada por leitores.

No apagar das luzes de 2017 e acender de 2018 apresentamos um dos nossos trabalhos mais doloridos, para o qual foram mais de dois anos dedicados para a sua produção, o documentário Depois Daquele Dia, que constrói uma Santa Maria após a tragédia da Kiss pelo olhar de uma irmã de vítima. Um filme necessário!

2017 foi um ano de muito trabalho e deixou um gostinho de dever cumprido.

2018 já tá aí e não vai ser diferente. Novos documentários, novos colóquios, novas discussões, novas oficinas e muitas trocas. Estamos ansiosos e animados com tudo e esperamos que vocês venham junto com a gente em mais um ano de muito aprendizado!

Por Valdemar Neto

retrospectiva 2017


Maratona cultural e artística no Noroeste do Estado


A TV OVO viajou para Três de Maio, Independência e Alegria junto com a equipe de artistas da Mostra Cultural Olhares para espalhar um pouco mais de arte e cultura na região noroeste do Estado. Em cada uma das cidades era visível o entusiasmo dos alunos em aprender e ver algo novo, como, por exemplo, na oficina de audiovisual, em que muitos participantes manusearam câmeras pela primeira vez  e, posteriormente, puderam ver o resultado final nos vídeos já prontos.

“A partir das oficinas desperta essa vontade de conhecer mais e instiga a fazer outras coisas, colocar a sua visão de mundo. Então foi uma forma de semear um pouco de arte.”, entende Denise Copetti, atriz e produtora da Mostra. Ela, que tem familiares em Alegria e passou sua infância e adolescência nas cidades por onde circulou o projeto, explica que a ideia era a de levar artistas para lugares que não recebem muitas atrações culturais com o intuito de criar novas plateias e incentivar o gosto das crianças pela arte e cultura. “Como eu conheço a região, como eu vivi bastante tempo lá, eu sei que tem essas carências apesar da produção local”.

Teve nas três cidades, em três dias de programação, uma verdadeira maratona cultural e artística: oficinas de audiovisual, danças tradicionais, teatro, música para educadores, sessões de cinema, cortejo cultural, o espetáculo Um Kombão de Histórias, o musical Pandorga da Lua  e o show Gaúcho Brasileiro. A Mostra ocorreu entre os dias 23, 24 e 25 de agosto, sendo um dia em cada cidade e reunindo uma equipe de 19 santa-marienses (alguns de nascimento, outros de coração, já que alguns são de outras cidades, assim como a Denise).

Como fiz o registro fotográfico da viagem e ficava atento aos comentários dos participantes, escutei, antes de começar o espetáculo Um Kombão de Histórias, em Alegria, as crianças comentando que nunca tinham visto a praça da cidade tão cheia e que no futuro pretendem fazer mais atividades no local. Após a sessão de cinema em Três de Maio, que reuniu alunos do Ensino Médio de diferentes escolas  do município, o professor Miguelângelo Corteze, salientou a importância dos colégios da cidade se unirem para fazer mais atividades em conjunto. “A gente estuda na mesma cidade, mas são poucos os momentos de encontro dos estudantes que este evento proporcionou, e a gente imagina que isso é uma semente que vai estimular as associações estudantis a se organizar para melhorar a nossa cidade”, refletiu ele.

O professor elogiou o trabalho da Mostra e diz que percebeu os estudantes e a própria Denise bem emocionados após a sessão de cinema, pois muitos se identificaram com os filmes exibidos. “Como é bonito a gente estudar e participar de uma atividade que mostra a nossa cultura, o nosso povo, a nossa forma de viver. Como diz aquela frase ‘para ser universal, basta voltar para seu o quintal’. Eu acho que essa frase resume o trabalho do grupo”, declara Miguelângelo. Os filmes exibidos foram Violeta, produção dos acadêmicos do curso de Jornalismo da Unifra que aborda a violência contra a mulher; Frequências do Interior, produzido pela TV OVO e que trata da relação das pessoas do interior com o rádio e também fala a respeito de amor, companhia e solidão; e  o curta de animação, Leonel Pé-De-Vento, com direção de Jair Giacomini, que fala da importância das amizades e da convivência com as diferenças.

A TV OVO está em fase de produção de um documentário sobre esses três dias de atividades. O financiamento da Mostra Cultural Olhares é do Fundo de Apoio à Cultura FAC RS – Edital Pró-Cultura RS FAC Regional. A realização foi a cargo de De Copetti Produções.

Texto e foto por Pedro Piegas

Olhares

 

 


Seleção de voluntários e estagiários para o segundo semestre de 2017


Que tal integrar nossa equipe?
Iremos selecionar três voluntários e/ou estagiários que estejam cursando Comunicação Social e ou área afim para o segundo semestre de 2017. Como pré-requisito para desenvolver atividades com a gente é preciso ter três turnos livres pela manhã ou pela tarde e, claro, gostar bastante de audiovisual.

As atividades podem contar como estágio curricular ou ACG/ACC para alunos de graduação, conforme regulamento do curso a qual o estudante está vinculado.

As inscrições iniciam no dia 24 de julho e podem ser feitas até 3 de agosto neste formulário. As entrevistas serão de 8 a 10 de agosto. Entraremos em contato por e-mail para agendar o horário.

Vem! 🙂

voluntáriosvoluntários