Notícias

Programa Cena Cultural terá exibições na TV Câmara


Neste sábado (26), os episódios dos programas Cena Cultural, produzidos pela TV OVO, vão começar a ser transmitidos na programação da TV Câmara de Santa Maria, no canal 16 da NET. O projeto tem como intuito valorizar as manifestações culturais da cidade e reconhecer a importância da organização dos diferentes agentes culturais do município, de forma a contribuir significativamente para preservar a memória histórica, cultural e patrimonial de Santa Maria.

São dez programas que abordam os segmentos culturais definidos pelo Plano Municipal de Cultura, que serão transmitidos na seguinte ordem: Audiovisual, Cinema e Vídeo; Culturas Populares; Livro e Literatura; Teatro e Circo; Tradição e Folclore; Artesanato; Música; Artes Visuais; Dança; Patrimônio Histórico Artístico e Cultural. Cada episódio traz uma entrevista com um integrante do segmento para expandir a discussão da área.

Em junho, no dia 5, às 20h, vai ter exibição dos episódios do Cena Cultural na Escola Municipal de Artes Eduardo Trevisan (EMAET). O projeto Cena Cultural têm financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC/SM).


Confira a programação na TV Câmara:
Programas inéditos –  Sábados, às 20h
Programas reprises – Domingo, às 20h; terças de noite, após a sessão plenária; quartas, às 11h30min
Sinopses dos episódios por ordem das exibições:


Audiovisual, Cinema e Vídeo

O sonho, a paixão, a dedicação e a batalha dos realizadores audiovisuais santa-marienses para fazer da cidade um polo audiovisual.
Culturas Populares
O viés de coletivos santa-marienses que mostra as expressões populares da cidade em atividades artísticas, educativas, culturais e sociais.
Livro e Literatura
O vídeo destaca a importância da Feira do Livro e conta com a presença de escritores que representam o cenário literário santa-mariense.
Teatro e Circo
A arte da representação acompanha Santa Maria desde que o primeiro apito do trem ecoou nos morros de seus arredores e hoje ela se reinventa em diversos grupos e atores teatrais da cidade.
Tradição e Folclore
Os costumes, os legados e as histórias que perduram entre as gerações. O episódio sobre tradição e folclore aborda a diversidade étnica e cultural em Santa Maria, onde os grupos seguem cultivando as suas raízes para manter viva a essência da cidade.
Artesanato
Seis personagens, que fazem do artesanato local parte importante de suas vidas, contam as diferentes relações que estabelecem com sua produção.
Música
A diversidade de sons e músicos compõe o cenário multifacetado da música em Santa Maria. Entre praças, escolas e ruas podemos ouvir algumas das expressões musicais características da cidade.
Artes Visuais
O processo de descoberta artística dentro da academia, a criatividade e expressão dos quadrinhos, a fotografia como forma de registro e a arte pulsante nas ruas. Esses são alguns pontos que foram abordados no episódio sobre artes visuais em Santa Maria.
Dança
O corpo em transformação, a elegância dos movimentos como uma forma de expressão e de contar uma história. O episódio de dança fala sobre os diferentes grupos e coletivos em Santa Maria que se unem nos ritmos e coreografias.
Patrimônio Histórico Artístico e Cultural
Santa Maria tem a sua história contada e guardada através dos prédios, dos documentos e de elementos culturais. O episódio nos leva a pensar sobre a memória e o patrimônio histórico, artístico e cultural da nossa cidade.

 

Por Pedro Piegas e Heitor Leal

CENA na camara


A gravação se dá no caminho


Um dia a máxima foi “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”. Mas quando a tarefa de registrar os segmentos culturais de Santa Maria* surgiu, percebemos que – mais uma vez – não poderíamos seguir à risca o modelo de Glauber Rocha. O processo se dá de outra maneira. Alguns motivos de ordem prática nos limitam: a necessidade de um produto audiovisual de poucos minutos, o número de diárias para as gravações e o intuito de retratar os segmentos de uma maneira socialmente responsável. Seria preciso selecionar previamente as pessoas entrevistadas e avaliar de que maneira cada uma delas poderá contribuir com esse retrato inalcançável da realidade cultural da cidade. Algo distante da imprevisibilidade do estilo “câmera e ideia”.

Da pesquisa prévia ao boca a boca, chegamos a nomes que talvez pudessem nos ajudar e a partir da primeira conversa já foi possível traçar alguns caminhos. Durante a produção do episódio sobre Artesanato, por exemplo, cada contato levou a um nome diferente que, ao fim, teceu uma rede complexa (assim como é a realidade) de artesãos profissionais e de grupos que, por exemplo, praticam o artesanato sem depender dele exclusivamente como fonte de renda. Seria preciso, mais uma vez, escolher quem dali poderia contribuir com o episódio.

No encontro com a câmera, houve quem falasse de menos, intimidado, nervoso com a gravação, e também o que de tão tímido tentou encontrar um substituto por duas vezes sem sucesso, dando ao fim uma das melhores entrevistas realizadas. Houve quem dissesse exatamente aquilo que o diretor queria. Algumas vezes, o próprio diretor se perdeu, rígido nas perguntas previamente estabelecidas e desatento no diálogo necessário, quando a resposta para uma questão poderia vir na resposta da outra – o que não tem importância, pois é para isso que existem os recursos de edição e pós-produção. Houve também quem contasse longas histórias, num primeiro momento, desnecessárias, visto que não se encaixariam na proposta do episódio, mas que se revelariam como os longos raciocínios, às vezes, chegam a conclusões arrebatadoras, essas sim necessárias ao episódio.

O não dá pra deixar de pensar é como o encontro entre quem está atrás e em frente às câmeras traz elementos que, escapando aos roteiros, contribuem com ele.

Por William Boessio

Lenita - Foto Helena Moura

Lenita – Foto Helena Moura

Seu Aldo - Foto Luiz Vinicius

Seu Aldo – Foto Luiz Vinicius


Repercutindo: oficina de roteiro para série documental de curta duração chega ao fim no sábado


No audiovisual, o roteiro é um guia, contém todos os detalhes do que posteriormente irá aparecer na tela. É nele que estão sinalizadas as falas e onde está a descrição do local, os movimentos e enquadramentos da câmera. Em documentário, também não é diferente. Por mais que muitos ainda relevem o valor do roteiro no documentário, ele é importante para evitar futuras dores de cabeça. O roteiro serve para organizar, para pensar o que fazer antes de fazer, pesquisar a fundo o assunto.

A oficina de roteiro para série documental de curta duração aborda essas questões. “A ideia é discutir a importância e experimentar essa questão de antes de eu sair com uma câmera na mão para gravar, eu minimamente organizar a minha ideia para que ela seja possível de ser gravada de uma maneira mais fácil, de uma maneira que me dê menos problemas tanto na hora de produzir e de gravar quanto na hora de montar”, avalia Paulo Tavares, ministrante da oficina.

Um ponto que chamou a atenção de Paulo foi a quantidade de inscrito: eram 20 vagas e houive 42 pessoas inscritas. Para atender a demanda, foram selecionadas 28 pessoas de diferentes perfis para participar da oficina. “A proposta da oficina é diversificar, é fazer com que não só o pessoal da comunicação, mas também o pessoal das outras áreas que tem interesse pela questão do audiovisual tenham essa experiência de poder pensar, de como organizar uma ideia e transformá-la em um possível roteiro de documentário”, comenta ele.

Durante a oficina é  escolhido um assunto ou tema, e a partir dele é pensado quatro ou cinco abordagens diferentes que caracterizem isso como uma série. O assunto escolhido np dia 13/08 foi o ensino público e, neste sábado (20), será definido as diferentes abordagens do tema e será roteirizado cinco episódios.

Iander Porcella, estudante de Jornalismo, comenta sobre os aprendizados da oficina, destacando o trabalho em equipe. “Estou achando a oficina ótima porque estou tendo uma noção mais profunda do que é o audiovisual, o documentário, e também de que tudo é criado em conjunto. Elencamos temas e debatemos sobre eles, tudo em grupo. Então está sendo muito legal construir um roteiro de documentário com todos que estão participando da oficina”.

Trazendo um olhar de fora da comunicação, o mestrando em Geografia, Édipo Djavan, discute a importância do roteiro, fazendo uma comparação com o âmbito escolar. “Uma aula só flui e acontece se bem estruturada e traçada. Obviamente que nem tudo irá acontecer como o esperado, porém a diretriz básica serve, justamente, para evitar desvios ainda maiores da ideia principal. Para qualquer mídia, que busque também transmitir uma informação de forma didática e objetiva, o roteiro se torna indispensável”.

Realizada no Sobrado Cultural, sede da TV OVO, a oficina é uma contrapartida para a comunidade do projeto Cena Cultural 2016, financiado pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria. A carga horária de 12h foi dividida em dois sábados.

Por Nicoli Saft

oficina roteiro documentário

 


Cena Cultural em exibição na cidade


Para o mês de agosto, organizamos duas exibições de episódios do projeto Cena Cultural. A primeira delas foi no dia 6 de agosto no Teatro Universitário Independente (TUI), em parceria com o grupo Teatro Por Que Não?.

Já a segunda, ocorrerá junto a Semana de Arte da Escola Municipal de Artes Eduardo Trevisan (EMAET). Dentre a programação, que vai de 22 a 26 de agosto, constam oficinas, apresentações musicais e teatrais, exposições e exibição de filmes.

As nossas produções serão exibidas no dia 24 de agosto, às 14h, na sede da EMAET, na Vila Belga, na Rua Manoel Ribas, 1900. O Cena Cultural é um projeto financiado pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC-SM).

Texto e fotografia por William Boessio

Exibição realizada no Espaço Victório Faccin no início do mês.

Exibição realizada no Espaço Victório Faccin no início do mês.


Pitching dos roteiros da série Cena Cultural


cena cultural

Julho costuma ser sinônimo de uma pequena pausa nas atividades. Aproveitamos a desaceleração da troca de semestre para realizar um pitching dos roteiros dos episódios do projeto Cena Cultural que começarão a ser rodados a partir de agosto.

O projeto retrata os segmentos culturais da cidade, conforme previstos em lei. Ao todo, são dez segmentos culturais. Em 2015, foram gravados quatro episódios do projeto: Teatro e Circo, Culturas Populares, Livro e Literatura, e Audiovisual – cinema e vídeo.

Os próximos a serem produzidos são: Dança, Tradição e Folclore, Música, Artesanato, Artes Visuais, e Memória e Patrimônio histórico, artístico e cultural. O Cena Cultural é financiado pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC/SM).

Confira os episódios produzidos no ano passado.

Por Laura Boessio


Exibição de documentários na Feira do Livro


No próximo sábado, dia 7 de maio, como parte da programação da 43ª Feira do Livro de Santa Maria, exibiremos os documentários Boca do Monte e Cena Cultural – Livro e Literatura, na Praça Saldanha Marinho, à partir das 19h.
O documentário Boca do Monte faz parte do projeto Por Onde Passa a Memória da Cidade, que busca retratar a realidade dos distritos de Santa Maria. Segundo a diretora do documentário, Neli Mombelli, uma das características do documentário é a busca por retratar a pluralidade das diversas facetas identitárias do lugar a partir do depoimento de seus moradores. Além disso, o curta evidencia as diferenças entre o urbano e o rural encontrado no distrito, dadas as grandes proporções territoriais de Boca do Monte.
Já o Cena Cultural – Livro e Literatura é um dos episódios de um projeto que visa retratar um dos segmentos culturais da cidade, definidos por lei. O intuito do Livro e Literatura é mostrar o cenário da produção literária em Santa Maria, quais eventos e locais de tradição literária do município e para celebrar a memória de grandes autores que já passaram e  que por aqui ainda estão. Todos os projetos são financiados pela Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Sinopses
Boca do Monte – direção de Neli Mombelli (documentário, 2015, 24′)

Boca do Monte ou Caa Yara, em Tupi-Guarani, é a origem de Santa Maria. Terra de indígenas, lugar de passagem para o caminho das Missões, campo de litígio entre os impérios português e espanhol. Mais tarde, caminho do progresso pelos trilhos do trem e de quem viajava na maria fumaça. Hoje, após um esvaziamento da paisagem rural, chácaras e casas de fim de semana, aos poucos, vão reconfigurando as transformações que o tempo deixa ao passar em direção ao amanhã. 

Livro e Literatura – direção de Alice Böllick (documentário, 2015, 7′)

Uma cidade povoada por histórias das mais distintas vertentes. Desde a estante de uma casa ou de uma livraria, até  as estantes de uma feira, livros habitam Santa Maria e constroem suas histórias pela ponta do lápis, pelas teclas da máquina de escrever o do teclado de escritores que aqui se inspiram e invocam sua imaginação.

Por Laura Boessio

Captação de áudio no interior da sede de Boca do Monte

Captação de áudio no interior da sede de Boca do Monte