Notícias

Programa Cena Cultural terá exibições na TV Câmara


Neste sábado (26), os episódios dos programas Cena Cultural, produzidos pela TV OVO, vão começar a ser transmitidos na programação da TV Câmara de Santa Maria, no canal 16 da NET. O projeto tem como intuito valorizar as manifestações culturais da cidade e reconhecer a importância da organização dos diferentes agentes culturais do município, de forma a contribuir significativamente para preservar a memória histórica, cultural e patrimonial de Santa Maria.

São dez programas que abordam os segmentos culturais definidos pelo Plano Municipal de Cultura, que serão transmitidos na seguinte ordem: Audiovisual, Cinema e Vídeo; Culturas Populares; Livro e Literatura; Teatro e Circo; Tradição e Folclore; Artesanato; Música; Artes Visuais; Dança; Patrimônio Histórico Artístico e Cultural. Cada episódio traz uma entrevista com um integrante do segmento para expandir a discussão da área.

Em junho, no dia 5, às 20h, vai ter exibição dos episódios do Cena Cultural na Escola Municipal de Artes Eduardo Trevisan (EMAET). O projeto Cena Cultural têm financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria (LIC/SM).


Confira a programação na TV Câmara:
Programas inéditos –  Sábados, às 20h
Programas reprises – Domingo, às 20h; terças de noite, após a sessão plenária; quartas, às 11h30min
Sinopses dos episódios por ordem das exibições:


Audiovisual, Cinema e Vídeo

O sonho, a paixão, a dedicação e a batalha dos realizadores audiovisuais santa-marienses para fazer da cidade um polo audiovisual.
Culturas Populares
O viés de coletivos santa-marienses que mostra as expressões populares da cidade em atividades artísticas, educativas, culturais e sociais.
Livro e Literatura
O vídeo destaca a importância da Feira do Livro e conta com a presença de escritores que representam o cenário literário santa-mariense.
Teatro e Circo
A arte da representação acompanha Santa Maria desde que o primeiro apito do trem ecoou nos morros de seus arredores e hoje ela se reinventa em diversos grupos e atores teatrais da cidade.
Tradição e Folclore
Os costumes, os legados e as histórias que perduram entre as gerações. O episódio sobre tradição e folclore aborda a diversidade étnica e cultural em Santa Maria, onde os grupos seguem cultivando as suas raízes para manter viva a essência da cidade.
Artesanato
Seis personagens, que fazem do artesanato local parte importante de suas vidas, contam as diferentes relações que estabelecem com sua produção.
Música
A diversidade de sons e músicos compõe o cenário multifacetado da música em Santa Maria. Entre praças, escolas e ruas podemos ouvir algumas das expressões musicais características da cidade.
Artes Visuais
O processo de descoberta artística dentro da academia, a criatividade e expressão dos quadrinhos, a fotografia como forma de registro e a arte pulsante nas ruas. Esses são alguns pontos que foram abordados no episódio sobre artes visuais em Santa Maria.
Dança
O corpo em transformação, a elegância dos movimentos como uma forma de expressão e de contar uma história. O episódio de dança fala sobre os diferentes grupos e coletivos em Santa Maria que se unem nos ritmos e coreografias.
Patrimônio Histórico Artístico e Cultural
Santa Maria tem a sua história contada e guardada através dos prédios, dos documentos e de elementos culturais. O episódio nos leva a pensar sobre a memória e o patrimônio histórico, artístico e cultural da nossa cidade.

 

Por Pedro Piegas e Heitor Leal

CENA na camara


A gravação se dá no caminho


Um dia a máxima foi “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”. Mas quando a tarefa de registrar os segmentos culturais de Santa Maria* surgiu, percebemos que – mais uma vez – não poderíamos seguir à risca o modelo de Glauber Rocha. O processo se dá de outra maneira. Alguns motivos de ordem prática nos limitam: a necessidade de um produto audiovisual de poucos minutos, o número de diárias para as gravações e o intuito de retratar os segmentos de uma maneira socialmente responsável. Seria preciso selecionar previamente as pessoas entrevistadas e avaliar de que maneira cada uma delas poderá contribuir com esse retrato inalcançável da realidade cultural da cidade. Algo distante da imprevisibilidade do estilo “câmera e ideia”.

Da pesquisa prévia ao boca a boca, chegamos a nomes que talvez pudessem nos ajudar e a partir da primeira conversa já foi possível traçar alguns caminhos. Durante a produção do episódio sobre Artesanato, por exemplo, cada contato levou a um nome diferente que, ao fim, teceu uma rede complexa (assim como é a realidade) de artesãos profissionais e de grupos que, por exemplo, praticam o artesanato sem depender dele exclusivamente como fonte de renda. Seria preciso, mais uma vez, escolher quem dali poderia contribuir com o episódio.

No encontro com a câmera, houve quem falasse de menos, intimidado, nervoso com a gravação, e também o que de tão tímido tentou encontrar um substituto por duas vezes sem sucesso, dando ao fim uma das melhores entrevistas realizadas. Houve quem dissesse exatamente aquilo que o diretor queria. Algumas vezes, o próprio diretor se perdeu, rígido nas perguntas previamente estabelecidas e desatento no diálogo necessário, quando a resposta para uma questão poderia vir na resposta da outra – o que não tem importância, pois é para isso que existem os recursos de edição e pós-produção. Houve também quem contasse longas histórias, num primeiro momento, desnecessárias, visto que não se encaixariam na proposta do episódio, mas que se revelariam como os longos raciocínios, às vezes, chegam a conclusões arrebatadoras, essas sim necessárias ao episódio.

O não dá pra deixar de pensar é como o encontro entre quem está atrás e em frente às câmeras traz elementos que, escapando aos roteiros, contribuem com ele.

Por William Boessio

Lenita - Foto Helena Moura

Lenita – Foto Helena Moura

Seu Aldo - Foto Luiz Vinicius

Seu Aldo – Foto Luiz Vinicius


Uma feira de ideias


Um grande espaço de debates, conscientização, práticas libertadoras, trocas de experiências, de convivência fraternas entre várias culturas. O maior evento solidário da América Latina extrapola a comercialização direta e busca transformar o mundo.

A 23ª Feira Internacional do Cooperativismo (FEICOOP) e a 12ª Feira Latino Americana de Economia Solidária iniciaram sua programação no dia 08 de julho, sexta-feira, e se estendeu até o último domingo, dia 10.  As atividades foram realizadas no Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter – Rua Heitor Campos, no Bairro Medianeira.

O evento é organizado anualmente pelo projeto Esperança/Cooesperança em parceria com várias entidades. A Feira de 2016 foi planejada desde o final do ano passado e contou com a presença de expositores de diferentes regiões do país, de outros países da América Latina e de outros continentes como Europa e África. Conheça mais sobre o projeto: www.esperancacooesperanca.org

Segundo a coordenadora do Projeto Esperança/Cooesperança e vice-presidente da Cáritas Brasileira, irmã Lourdes Dill, a organização da Feira é como uma engrenagem. Se uma parte não funciona, o resto também para de funcionar. “Nós batalhamos para fazer a feira e as pessoas que participam também tem que batalhar. Não é barato. Tudo que se gasta, em hospedagem, alimentação e transporte. Mas mesmo assim, as pessoas querem vir e isso é o que contagia a gente a lutar pra fazer o evento” comenta Lourdes.

A programação deste ano trouxe atividades culturais, seminários, oficinas e, é claro, a comercialização dos produtos trazidos pelos expositores. Frutos da agroindústria familiar, hortifrutigranjeiros, peças de artesanato, plantas ornamentais e alimentação. Dentre as atividades culturais, estavam incluídas apresentações de grupos de dança e música, mostra de vídeos e a participação de grupos culturais, com o Grupo Cultural Indígena Kaigang.

Irmã Lourdes afirma que a Feira tem um papel importante para a economia do local, mas muito mais do que isso tem papel social e solidário, de formação, proposta de mudança de vida e de luta em sociedade. A primeira edição da FEICOOP aconteceu em 1994 no dia em que foi instaurado o Plano Real no Brasil e no ano que vem completa vinte e cinco anos. “É lindo demais, é uma coisa que não tem preço que pague!”, conclui a irmã.

Quem foi à Feira no último final de semana pôde apreciar boa música, desfrutar da infinidade de produtos comercializados, passear, e ainda conhecer diferentes culturas. Gente daqui da região e de outros lugares do Brasil e do mundo estavam lá, trocando ideias, experiências e mostrando traços típicos de suas etnias. Nos pavilhões da FEICOOP foi possível vivenciar uma experiência de transformação, onde milhares de pessoas partilharam um espaço rico em cores, sabores, culturas diferentes e solidariedade.

O mau tempo em Santa Maria não prejudicou o sucesso da Feira, que teve o maior público de todas as edições. Os visitantes não se intimidaram com a chuva ou o barro no Parque da Medianeira e garantiram uma movimentação constante nos pavilhões, oficinas e seminários. A Feira traz para a cidade uma oportunidade única. De formação, troca de conhecimento, outro olhar para a economia e de um conjunto de culturas reunidas no mesmo espaço. Vida longa à Feira do Cooperativismo!

 

Confira as (outras) atividades que aconteceram durante esses três dias

12ª Feira Latino Americana de Economia Solidária – ECOSOL

23ª FEICOOP – Feira Internacional do Cooperativismo

16ª Mostra da Biodiversidade e Feira da Agricultura Familiar

12º Seminário Latino Americano de Economia Solidária

12ª Caminhada Ecumênica e Internacional pela PAZ e Justiça Social

12º Acampamento do Levante Popular da Juventude

 

Texto: Julia Machado

Imagem: Fanpage  Feicoop

22 edição FEICOOP 2015 - Imagens Fanpage FEICOOP