Memorial às vítimas da Kiss tem projeto escolhido abril 20, 2018


No início do mês de abril, foi divulgado o resultado do concurso para a escolha de projeto arquitetônico para o memorial para ser construído onde hoje está situado o prédio da Boate Kiss, em homenagem às 242 vidas que se foram naquele 27 de janeiro de 2013. A proposta vencedora foi a do arquiteto Felipe Motta, de São Paulo, cuja ideia traz um espaço multiuso e um jardim circular de flores perenes.

A concepção de construir um memorial surgiu a partir de um sentimento nobre: o amor. O amor por todos aqueles que se foram e também por quem ficou (são mais de 600 sobreviventes), além do desejo de preencher a lacuna da tristeza e da indiferença, conforme consta na proposta do concurso do memorial, de abraçar um espaço que até então é feito de dor. Assim, o priemiro passo foi fazer um financimento coletivo via internet para anguariar fundos junto à população que subsidiasse a execução do Concurso Público Nacional de Arquitetura para o Memorial à Vida.

Segundo Tiago Holzmam, coordenador e arquiteto do concurso, este foi um dos maiores concursos públicos de arquitetura já realizados no Brasil. Rafael Passos, presidente do IAB-RS, ressaltou, em seu discurso de agradecimento, que o processo foi rico, intenso e com muito sentimento envolvido, e que finalmente chegou a hora da arquitetura dar a sua contribuição para tentar diminuir a dor causada pela tragédia. “O memorial tem o objetivo e a responsabilidade de ressignificar aquela área física, para que não se repita”, afirmou o presidente da IAB-RS.

Foram cinco dias de trabalho para analisar as 121 propostas entregues para a comissão do projeto. O julgamento foi realizado em sessões sigilosas de 5 a 10 de abril , em uma sala no Sindicato dos Bancários de Santa Maria. A comissão julgadora foi composta inteiramente por arquitetos e urbanitas e elencou as cinco melhores propostas. Coube, então, à comissão de classificação, formada por representantes dos familiares das vítimas e da comunidade de Santa Maria, escolher apenas uma dentre as cinco.

A divulgação do projeto vencedor ocorreu na terça-feira, 10 de abril, e lotou o salão da cerimônia. Pais das vítimas, equipes inscritas no projeto, amigos e jornalistas aguardavam o tão esperado resultado.  Ansiosos e nervosos, os envolvidos na organização do concurso cultivam o sentimento de missão cumprida, pois a frase tão falada no discurso solene de agradecimento fazia mais sentido do que nunca: “Transformar a dor em amor”. Flávio José da Silva, pai que perdeu a filha Andrielle na tragédia, conta que foi uma responsabilidade muito grande representar os familiares e a sociedade fazendo parte do júri e  deu algumas pistas sobre o projeto vencedor antes do anúncio: “O projeto veio atender ao que as famílias almejavam. Nada luxuoso, com edificação simples e manutenção fácil, que, de certa forma, se auto-sustenta”.

Fernando Polesello, arquiteto inscrito no concurso, veio de Passo Fundo para acompanhar o momento da divulgação. “Eu e minha esposa arquiteta criamos o projeto e resolvemos participar, antes de mais nada, porque é uma obra que nos cativa bastante, afinal de contas seria um privilégio conseguir ganhar esse concurso ou ficar entre os classificados, dar uma contribuição para a população, para que dessa tragédia surja uma grande alegria, ou pelo menos um momento de respeito. Mas independente disso, vim apreciar e ver o que está sendo feito na arquitetura fora do Rio Grande do Sul, ver projetos de melhor qualidade, em termos de memorial, afinal memorial é um conceito, uma palavra bastante forte, que não é meramente arquitetura funcional. Então é nesse tipo de concurso que geralmente as ideias são lançadas.” O participante ainda acrescenta que o concurso possibilitou a exploração do lado mais artístico, conceitual e criativo da arquitetura. “Permitiu viajar, fugir de ideias mais matemáticas e metódicas”, conta Fernando.

A possibilidade de criar incentivou a participação de outros arquitetos como o Felipe Zenne Motta, o paulista vencedor do concurso. A proposta do arquiteto e sua equipe demonstrou preocupação com as palavras acessibilidade, acolhida, respeito e amor. A ideia tem como ponto principal a composição de um jardim circular de flores perenes, com 242 suportes para familiares e amigos depositarem flores em forma de carinho. A construção ainda comporta três salas multiuso, como um auditório. Estevan Barin, arquiteto e porta voz da comissão julgadora, afirma que cinco propostas diferenciadas foram levadas para a decisão final, mas a vencedora possuia algo específico: “eles acertaram em cheio apostando na sensibilidade juntamente do simbolismo, pois o simples fato é que neste memorial a pessoa recolhe a flor do canteiro e coloca no vaso da vítima.” Abaixo é possível visualizar um panorama da prancha arquitetônica do projeto proposto:

Lidia Rodrigues, arquiteta e presidente do IAB de Santa Maria, relatou os próximos passos do projeto: “Primeiro será feita a contratação do projeto, a assinatura do contrato com o vencedor e a apresentação pública da ideia, no dia 24 de abril. A contratação significa que esse arquiteto, esse escritório vai estar responsável por fazer os projetos complementares, o estrutural, o hidrossanitário, o elétrico, entre outros.  Vamos também fazer um cronograma com prazos para a elaboração desses projetos complementares”. O planejamento da demolição do prédio também está em pauta, visto que os processos judiciais do caso transitam em julgado. A demolição não terá custos em função de uma parceria com o Sindicato da Construção Civil.

A forma de financiamento da obra ainda está em aberto, o valor previsto para a construção é de 3 milhões, mais 25 mil de remuneração para o escritório vencedor e, em média, R$ 3 mil para os  selecionados do 2º ao 5º lugar. Ligia explica que existem várias possibilidades para arrecadação de fundos, uma delas é que projetos de arquitetura feitos por concurso público são habilitados a arrecadar fundos pela Lei Rouanet. Outra alternativa é uma parceria com projetos da ONU para buscar recursos internacionais.

Mariano Martin Orlando, integrante da comissão julgadora, descreve o concurso como uma ferramenta política indispensável para promover reflexão e solidariedade. “Foi um concurso democrático, sem distinção de idade e classe, promovendo a vida saudosa e respeitosa à lembrança”.

Conheça as demais colocações e as menções honrosas do concurso.

Por Tayná Lopes

Tags:, , , , , , , , ,
Postado por: TV OVO

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *