Colóquio discutiu a produção audiovisual seriada novembro 28, 2017


Aprovada no Congresso Nacional em agosto de 2011 e sancionada em setembro,  após quase 5 anos de discussão, a lei 12.485/2011 ou Lei da TV Paga, nasceu com o objetivo de aumentar a produção e a circulação de conteúdo audiovisual brasileiro, diversificado e de qualidade, gerando emprego, renda, royalties, mais profissionalismo e o fortalecimento da cultura nacional. Juntamente com a Lei da TV Paga, tivemos também o crescimento dos serviços de streaming, viu-se então a necessidade de se ampliar e democratizar a maneira do pensar e do fazer audiovisual no Brasil, independente do formato (seja ele série, filme ou websérie) ou plataforma de distribuição.

Para ajudar a formular esses pensamentos,realizamos o colóquio Produção Audiovisual em Série, pelo  projeto Narrativas em Movimento financiado pela Lic/SM. A atividade contou com a presença da diretora, roteirista, produtora executiva e integrante da Casa de Cinema de Porto Alegre, Ana Luiza Azevedo – que ganhou destaque ao dirigir o filme Doce de Mãe (2012), e, do roteirista, produtor, sócio da Coelho Voador e um dos idealizadores do Frapa (Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre), Leonardo Garcia.

Durante a discussão, ambos evidenciaram a forma como regiões como o eixo Rio-São Paulo são favorecidos na questão de visibilidade e acesso a editais para captação de recursos milionários, enquanto nós, na região Sul, ainda temos que lidar com quantias inferiores que dificultam a viabilização de projetos.

Para (tentar) driblar a questão dos recursos financeiros, Ana Luiza  e Leo destacaram a importância da utilização de dispositivos móveis para dar um primeiro passo nas produções. Atualmente, contamos com smartphones com câmeras de ótima qualidade, e, o que antes só seria possível ser filmado com um equipamento cinematográfico, se torna palpável e sem necessariamente perder qualidade.

Outro ponto tocado pelos convidados foi a forma como alguns profissionais da área são desvalorizados. Muito antes do diretor poder fazer sua parte, um roteiro precisou ser escrito. Mas por que só o diretor recebe a devida atenção? Com isso em mente, nasceu o Frapa, o festival que visa premiar e dar visibilidade aos roteiristas.

Mesmo com a criação de leis e projetos que incentivem a produção audiovisual nacional, os órgãos e categorias competentes ainda precisam voltar seus olhos para o resto do país e compreender que precisamos pensar fora da bolha e ir além do eixo Rio/São Paulo.

Por Valdemar Neto

colóquio produção seriada

Ana Luiza e Leo Garcia falaram sobre suas produções e sobre o mercado audiovisual. Foto de Pedro Piegas

Tags:, , , , , , ,
Postado por: TV OVO

Comentários

Deixe uma resposta