Documentário registra histórias permeadas pelas frequências do rádio abril 15, 2015


No último final de semana (11 e 12/04), a TV OVO esteve em Carazinho e Sarandi, na região norte do Estado, registrando histórias de pessoas e sua relação com o rádio. As gravações fazem parte do documentário Frequências do Interior, aprovado no edital RS Pólo Audiovisual – Histórias do Sul, do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) da Secretaria do Estado da Cultura.

O audiovisual aborda o rádio a partir dos mais diversos enquadramentos. Foi por meio dele que Arno Schwerz, agricultor com 85 anos, acompanhou momentos políticos importantes para o país. Suas lembranças trazem desde a morte de Getúlio Vargas à Campanha da Legalidade, quando Leonel Brizola convocava a população por meio de discursos radiofônicos.

É pelo rádio que Vilson Petry, também agricultor, fica por dentro das notícias diárias. E, para isso, ele instalou aparelhos em diversos locais, como no trator, no chiqueiro e na sala de ordenha, sempre muito preocupado com a qualidade do som.

Para Ângelo Girotto, o rádio é uma forma de quebrar o silêncio da solidão. Viúvo há mais de 15 anos, o aposentado também busca encontrar uma companheira pelo rádio. Para isso, ele participa do quadro Cantinho do Amor do programa radiofônico Festa do Interior, transmitido pela emissora Gazeta AM 670, de Carazinho. Há três anos, o quadro, que tem apresentação de Vilson Kolling, promove encontros entre ouvintes que buscam um relacionamento.

E foi pelo programa que os aposentados Walter Güntzel e Alcina Wagner Young se encontraram. O namoro começou em 2013 e hoje eles moram juntos. Compartilham sonhos e afetos e abafaram o vazio que a solidão ecoava em suas vidas.

O documentário tem direção de Neli Mombelli e está previsto para ser lançado no mês de julho. Ainda neste mês, a equipe da TV OVO voltará para as cidades para finalizar as gravações.

Vilson Petry

Postado por: Neli Mombelli

Comentários

Uma resposta para “Documentário registra histórias permeadas pelas frequências do rádio”

  1. […] Para saber mais, veja nosso post sobre a fase de produção. […]

Deixe uma resposta