Memórias sobre o Itararé novembro 24, 2011


Já pensou em saber a história de um bairro através de sua relação com os moradores? É exatamente essa a proposta que estamos realizando com a história do segundo bairro mais antigo da cidade, o Itararé.  A história da cidade contada por vários moradores, alguns com mais anos de vivência e outros com menos, forma a narrativa do próximo documentário do projeto ”Por onde passa a memória da cidade”. O lançamento será no ano que vem, juntamente com o documentário sobre o bairro Rosário, também gravado neste ano. Não perca!

Família Germani abre o álbum de família enquanto conversam sobre os tempos em que o carvão utilizado na Viação Férrea servia para separar as duas vias da rua em que mora

Sr. Nelson Borin nos contou que o Monumento aos Ferroviários foi construído após a Revolução de 1930, já que os ferroviários levaram de trem Getúlio Vargas ao Rio de Janeiro. Em 1975, quando era presidente da associação do bairro, Borin reformou o monumento com auxílio do Ministério dos Transportes.

Tags:, ,
Postado por: TV OVO

Comentários

4 respostas para “Memórias sobre o Itararé”

  1. Renata disse:

    Olá,

    Minha avó mora no bairro Itararé há mais de 60 anos, hj ela tem 93 anos. Minha mãe nasceu na casa onde até hoje minha avó reside. Gostei muito da ideia desse documentário!

  2. julia disse:

    Olá, Renata
    Tudo bem?
    Estamos entrando em contato para saber mais sobre a região em que sua avó mora.
    Att,
    Júlia

  3. Paulino Gularte dos Santos disse:

    Morei dos anos 1968 até 1981 no bairro e lembro do seu Nelson Borin, dono da Loja, do seu Ari, dono do Posto fiz meu 1 grau na Escola Santa catarian até 1977, depois estudei no Maneco, muito rico a históri do Bairro nesses anos. Lembro da retirada dos trilhos da antiga linha da Serra etc. Muito boa essa reportagem. E este Senhor seu Nelson Borin merece toda homenagem dos moradores e ex moradores que tiveram suas histórias de vida vivida num tempo nostálgico e bom de se viver.

  4. julia disse:

    É verdade, Paulino. Seu Nelson tem um acervo incrível e muitas histórias para se contar. O bairro cresceu em extensão e continua sendo um ótimo lugar para se viver. Acompanhe o site que logo estaremos divulgando mais espaços de exibição do documentário. Depois nos diga o que achou, certo? Um abraço, Júlia.

Deixe uma resposta