Oficina de Interpretação para cinema e vídeo | Oficineira Deborah Finocchiaro julho 27, 2010


Ministrante: Deborah Finocchiaro

Limite: 15 vagas

02 a 05 de agosto, das 14h às 18h | 06 e 07 de agosto, das 8h30 às 12h30

Local: Casa de Culura de Santa Maria, Praça Saldanha Marinho s/n

Orientação: os alunos deverão usar roupas confortáveis, sapatos baixos, sem acessórios.

OBJETIVO GERAL:

Esta oficina está focada na busca da peculiaridade criativa, emocional e corporal com aplicação ao cinema e ao vídeo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

-          Ampliar as possibilidades de expressão;

-          Sensibilização e conscientização corporal e vocal;

-          Percepção espacial, relação corpo / espaço;

-          Foco – a importância do olhar;

-          O prazer do movimento criativo;

-          A precisão do movimento;

-          Reconhecimento e integração com os colegas;

-          Reconhecimento e exploração do espaço cênico;

-          O jogo e a comunicação;

-          Interação ator-espectador;

-          Observação, apreciação e breve análise das improvisações realizadas pelos outros grupos;

Conteúdo programático:

Introdução

A oficina inicia com uma breve explanação dos principais objetivos do trabalho que será desenvolvido:

-          Presentificação – durante a oficina o aluno deverá procurar estar o mais presente possível, desvinculando-se do cotidiano, estar atento ao seu corpo, suas sensações, observando seus pensamentos e emoções;

-          Entrega – Tornar-se disponível para o jogo, para a experimentação, livrando-se de conceitos e pré-conceitos, deixando de lado o medo de ser ridículo e o medo de errar. Durante a oficina, poderemos criar um espaço de permissão – aqui poderemos nos permitir a brincar e experimentar o exercício da liberdade corporal, vocal e criativa.

-          Conscientizar-se sobre a importância do trabalho corporal – tanto para o teatro quanto para a vida -  Citando Thérèse Bertherat e a introdução de seu primeiro livro, “O corpo tem suas razões”, falar sobre a importância de conhecer seu próprio corpo: a única casa que você habita durante toda sua vida;

-          Interpretar: O que é ?;

-          A linguagem do cinema e da TV;

-           A construção do personagem. Improvisação. Exercícios;

-          Criar e interpretar – Expressão e introspecção;

-           Exercícios com câmera. Interpretação e Técnica;

-           Gravação de cenas com texto marcado e improviso e;

-          Visionamento e análise do material gravado e encerrado.

Trabalho corporal

Serão utilizadas algumas técnicas de tai chi chuan, dança, tensegridade, acrobacia  e ginástica psicofísica. Todos os movimentos serão trabalhados junto com a respiração e a percepção do peso de cada membro.

- Postura

- Relaxamento

- Alongamento

- Sensibilização

- Dinâmicas do movimento

- Coordenação motora

- Dobradiças, giros, torções e balanço

- Pré-expressividade da Antropologia Teatral de Eugênio Barba: Impulso, desequilíbrio, oposição, pequenas seqüências de movimentos

Trabalho Vocal

- Respiração

- Ressonadores

- Dicção

- Projeção

Jogos e exercícios teatrais

Individual:

-          O menor e o maior espaço possível

-          A partir de um estímulo verbal, transformar-se em ser vivo ou objeto

-          Explorar os diversos tipos de caminhadas

Duplas e trios:

-          Jogo do espelho

-          Escultor e esculpido

-          Diálogo corporal

-          Perseguidor e perseguido

Grupo:

-          Apresentação – como gosto de ser chamado

-          Apresentação com ritmo – palmas e foco

-          Centopéia

-          João bobo

-          Passar a energia com palmas

-          Transformando o objeto

Palco e platéia:

-          De onde vem?

-          Criar o ambiente/situação a partir do estímulo verbal: a igreja, a escola, o velório, etc…

-          Engrenagem

Improvisação

Divididos em grupos, os alunos improvisarão a partir de estímulos diversos (sons e imagens) e dos recursos trabalhados.

Conclusão / considerações finais

Sentados em círculo, um a um os alunos terão a oportunidade de compartilhar verbalmente a experiência, expondo também suas dúvidas e expectativas.

Para finalizar, realizaremos um exercício de respiração e sintonia em grupo.

BIBLIOGRAFIA:

-          OIDA, Yoshi – Um Ator Errante – São Paulo/SP, Editora Beca, 1992

-          OIDA, Yoshi – O Ator Invisível – São Paulo/SP, Editora Beca, 2001

-          GROTOWSKI, Jerzy – Em Busca de um Teatro Pobre – Rio de Janeiro/RJ, Editora Civilização Brasileira, 1987

-          BARBA, Eugenio – Além das Ilhas Flutuantes – Campinas/SP, Editora Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, 1991

-          BROOK, Peter – A Porta Aberta – Rio de Janeiro/RJ, Editora Civilização Brasileira, 2000

-          STANISLAYSKY, Constantin – A Preparação do Ator - Rio de Janeiro/RJ, Editora Civilização Brasileira, 1984

-          CASTANEDA, Carlos – Passes Mágicos – Rio de Janeiro/RJ, Editora Nova Era, 1998

-          BERTHERAT, Thérèse – A Toca do Tigre – São Paulo/SP, Editora Martins Fontes, 1990

-          BERTHERAT, Thérèse – O corpo tem suas razões – São Paulo/SP, Ed. Martins Fontes

-          WEIL, Pierre e TOMPAKOW, Roland – O Corpo Fala – Petrópolis/RJ, Editora Vozes, 198

Currículo:

Deborah Finocchiaro, da Companhia de Solos & Bem Acompanhados, estreou no teatro em 1985. Atriz, diretora, locutora, apresentadora, roteirista, autora, produtora e  ministrante , bacharel em Interpretação Teatral na Faculdade de Artes Cênicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Entre outros, é atriz e diretora de Pois é Vizinha, Sobre Anjos & Grilos – O Universo de Mario Quintana e Histórias de Um Canto do Mundo – Memórias de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul (que consiste de um espetáculo solo – Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2007 – Patrocínio Petrobrás – um show musical e um registro da obra em CD (financiamento Fumproarte) e livro editado pela Tomo Editorial). Seu mais recente trabalho é o espetáculo / esquete Crack – Queimando A Vida, no qual assina a autoria e direção.

Também integrou o elenco de Os Crimes da Rua do Arvoredo, direção de Camilo de Lélis (1999), Hamleto, direção de Luciano Alabarse (1994), Kaspar Hauser, direção de Oscar Simch (1986), Risco, Arisco e Corisco direção de Roberto Oliveira (1988) e A Arca de Noé, direção de Zé Adão Barbosa (1991). No cinema A Matadeira, direção de Jorge Furtado (1994) e Nossa Sra do Caravaggio, direção de Fábio Barreto (2004). Na televisão, as minisséries da Rede Globo Incidente em Antares (1994), Comédia da Vida Privada (1997) e  A Casa das Sete Mulheres (2003) e os programas especiais da RBS TV Contos de Inverno, Na Trilha dos Farrapos (2001) e Histórias Curtas (2001 e 2007). É também integrante do Grupo dos Cinco, no qual assina a direção do premiado espetáculo O Urso de Anton Tchekhov.

Atualmente é colunista de teatro na Rádio BandNews FM Porto Alegre – 99,3.

Premiações

2007 - Prêmio Melhor Espetáculo, Melhor Atriz e Melhor Texto Adaptado no 2º FENAT  – Festival Nacional de Teatro de Campos dos Goytacazes / RJ  por Sobre Anjos & Grilos

2007 – Prêmio de Melhor Atriz e Júri Popular Melhor Espetáculo no 35° FENATAFestival Nacional de Teatro de Ponta Grossa / PR por Sobre Anjos & Grilos

2007Prêmio de Melhor Atriz no VII Festival de Teatro de Resende / RJ por Sobre Anjos & Grilos

2007 - Prêmio Melhor Espetáculo e Melhor Atriz no XVI Festival Nacional de Teatro de Florianópolis Isnard Azevedo por Sobre Anjos & Grilos

2007 - Prêmio Quero-Quero SATED/RS 2006 de Melhor Atriz por Sobre Anjos & Grilos

2004 – Prêmio Açorianos 2003 de Melhor Direção e Melhor Espetáculo por O Urso

2003 – Prêmio Melhor Atriz, no 1O Festival Guaçuano de vídeo em Mogi Guaçu / SP pelo Curta Metragem Pois é,Vizinha …

2003 – Prêmio Melhor Atriz na 3ª Mostra APTC de Cinema pelo Curta Metragem Pois é, Vizinha..

2002 – Troféu Negrinho do Pastoreio – Categoria Teatro (Associação Gaúcha de Municípios)

2001 – Prêmio “Garota Esmeralda Verão 2001” (opinião pública) por Pois é, Vizinha

1999 – Prêmio Melhor Espetáculo no VII Festival Nacional de Teatro de Florianópolis Isnard Azevedo por Pois é, Vizinha…

1998 – Prêmio Melhor Atriz no I Fest. Nac. de Teatro de Novo Hamburgo por Pois é, Vizinha

1998 – Prêmio Melhor Espetáculo e Melhor atriz no VII Festival do Vale do Sinos por Pois é, Vizinha

1995 – Prêmio Bob Pop Show (opinião pública) Melhor na Categoria Teatro em 94

1995 – Prêmio Local Hero (opinião pública) como Melhor Atriz 94/95 por Pois é, Vizinha

1994 – Prêmio Açorianos de Melhor Atriz por Hamleto

1994 – Eleita Melhor Atriz pelos ouvintes da Rádio 107.1-FM

1991 – Prêmio Tibicuera de Melhor Atriz por A Arca de Noé

1988 – Prêmio Tibicuera de Melhor Atriz por Risco, Arisco e Corisco

Contatos

51 9136 4437 / 51 3217 7640

contato@deborahfinocchiaro.com

www.deborahfinocchiaro.com
Postado por: TV OVO

Comentários

Uma resposta para “Oficina de Interpretação para cinema e vídeo | Oficineira Deborah Finocchiaro”

  1. TV OVO disse:

    [...] de expressão através de jogos e exercícios que envolvem aspectos da interpretação. Conheça o conteúdo programático e o currículo da oficineira: Deborah [...]

Deixe uma resposta